DiscoverHISTÓRIAS DE VIAMÃO
HISTÓRIAS DE VIAMÃO

HISTÓRIAS DE VIAMÃO

Author: Vitor Ortiz

Subscribed: 38Played: 1,731
Share

Description

Um podcast de debate, difusão e desmistificação da História de Viamão.
13 Episodes
Reverse
Esta entrevista especial é complementar à série 200 Anos da Viagem de Saint-Hilaire ao Sul do Brasil e Uruguai e acompanha o 9º Episódio. A conversa com o jornalista, escritor e memorialista Rafael Guimaraens foca-se nas observações que o botânico francês faz em sua chegada a Porto Alegre, em 21 de junho de 1820.Rafael é autor de diversas publicações memoriais sobre a cidade: “Pôrto Alegre Agôsto 61”,de 2001A enchente de 1941, de 2003Trem de Volta - Teatro de Equipe”, com Mario de Almeida, de 2003Tragédia da Rua da Praia, de 2005Rua da Praia, um passeio no tempo, de 2010Águas do Guaíba, de 2015Fim da Linha,o crime do bonde, de 2011Todos da Editora Libretos.
MULHERES NA HISTÓRIA DE VIAMÃO (SÉC. XVIII) - EPISÓDIO 1Neste episódio, vamos viajar pelas histórias das mulheres da família de João de Magalhães, uma delas envolvida com um escabroso processo no juízo eclesiástico da Capela Grande, ainda em tempos de inquisição. Veremos também a vigília que Estado e Igreja faziam dos seus rebanhos de colonizadores e colonizadoras. A condição das mulheres índias "administradas", das escravas que sofriam também com o assédio de seus proprietários e a história de uma menina açoriana que aos 11 anos recebe uma promessa de casamentos do estancieiro da Lagoa dos Barros.Projeto vencedor do edital da Lei Aldir Blanc, da Secretaria Municipal da Cultura - Prefeitura de Viamão, em 2020.Roteiro e narração: Vitor OrtizApoio na pesquisa: Eliani Guimarães Vieira e Carolina Amorim.Edição de áudio: Bernardo MolletaDivulgação: Juliana BittencourtTrilha sonora: Ewerton Ferreira e Bebeto Alves
Neste 10º episódio, Saint-Hilaire enfatiza a posição fluvial favorável de Porto Alegre e destaca o fato da população ser marcantemente dividida entre brancos e negros escravos. Os números indicam que mais de metade da população naquelas duas primeiras décadas dos 1800 era de negros cativos e livres. Estudos mais contemporâneos indicam a possibilidade da sede da Capitania de então ter sido um centro do fluxo do tráfico negreiro. A escravidão no Rio Grande foi caracterizada como "branda" pela historiografia tradicional, especialmente pelas características das atividades campeiras, do uso do cavalo pelos negros, o que aparentava o usufruto de maior liberdade. Contudo, as charqueadas, em contraponto, revelam uma relação intrínseca, direta e cruel das práticas econômicas locais com a escravidão, desde o tipo de trabalho sacrificante até o fato de seu principal produto, o charque, ter se tornado comercialmente viável por ser o ingrediente número 1 da alimentação das escravarias tanto no Brasil como no Caribe ou nos EUA.Este episódio foi desenvolvido com apoio dos recursos do EDITAL FAC DIGITAL da Secretaria de Estado da Cultura do RS (SEDAC)/Feevale RS.FACEBOOK: @RS.sedac @feevale @feevaletechpark @vitorortiz @vitorortiz/culturaehistoriaTWITTER: @RS.sedac @Feevale @vitorortiz1998#facdigitalrs #feevaletechpark #vitorortiz1998 INSTAGRAM: @sedac_rs @feevale @feevaletechpark @vitorortiz1998SITE: www.cultura.rs.gov.br, www.feevale.br e www.feevaletechpark.com.br, www.viamaoantigo.com.br
O botânico francês chega a Porto Alegre em 21 de junho de 1820, provindo de Viamão, e se encanta com a paisagem e posição da sede da Capitania junto ao Delta do Jacuí e do Guaíba. Ao mesmo tempo espanta-se, achando imunda a cidade, apesar de nova. Ele aponta detalhes da posição do perímetro urbano, na época tão restrito entre a rua da Praia, a rua Riachuelo e a rua da Igreja (atual Duque de Caxias) que o Hospital Santa Casa fora descrito por ele como "afastado" das ruas centrais para evitar contágios. Saint-Hilaire também vai percorrer o Caminho Novo, nome anterior da Voluntários da Pátria, até onde havia uma casa de campo dos governadores da Capitania, convidado que fora, na época, pelo Conde da Figueira, o governador do Rio Grande de São Pedro.
Neste episódio, Saint-Hilaire visita Viamão depois de descrever pontos da paisagem entre as regiões das Lombas, Morro Grande e Águas Claras. O botânico deslumbra-se com a imponente Capela Grande de Nossa Senhora da Conceição, a igreja barroca, tombada patrimônio histórico nacional em 1938, na primeira listagem de bens tombados organizada por Mário de Andrade. Ele também comenta em seu diário a aparente resistência ao frio que os habitantes da Capitania de Rio Grande demonstram em seu hábitos cotidianos, mesmo no inverno e a ausência de quaisquer formas de aquecimento que conhece.
Neste 7º Episódio sobre a viagem de Auguste Saint-Hilaire, o naturalista francês está na Fazenda Boa Vista, em Viamão, que pertence ao Barão de Santo Amaro, José Egídio Álvares de Almeida. Este Barão era um ex-Conselheiro de Dom João VI, sócio do Conde da Barca nos negócios de um curtume que se aproveita da economia da pecuária e do charque no Rio Grande do Sul. Um mapa e uma carta náutica de 1814 revelam todo o preparo realizado para este investimento de caráter industrial, uma novidade para a época. O Barão de Santo Amaro, como diplomata, fora encarregado da polêmica missão secreta que pretendia convencer as cortes européias de que D. Pedro I era a melhor solução contra a tendência de republicanização geral da América.
Este é o quinto episódio da série 200 ANOS DA VIAGEM DE SAINT-HILAIRE AO SUL DO BRASIL E URUGUAI, parte do projeto de Memória Cultural do seu canal de podcasts HISTÓRIAS DE VIAMÃO. No dia 16 de junho de 1820, o botânico encerra o trecho do Litoral Norte, deixando Tramandaí em direção ao rio Capivari. Ele vai chegar à Fazenda Pitangueiras e à Lagoa dos Barros, onde no século XVIII se instalou com invernada de gado o tropeiro Manoel de Barros Pereira, sobre quem conta-se controversas histórias, entre as quais uma promessa descumprida de casamento que acabou resultando no seu aprisionamento a mando do vigário da vara, o inquisitor da Igreja de Viamão.
Terceiro episódio do projeto de Memória Cultural HISTÓRIAS DE VIAMÃO e também terceiro da série sobre os 200 ANOS DA VIAGEM DE SAINT-HILAIRE AO SUL DO RIO GRANDE DO SUL E URUGUAI. O botânico percorre o caminho entre Torres e Tramandaí, descobrindo as diversas lagoas que seguem em linha na passagem, repleta de butiás, entre o Atlântico Sul e a Serra do Mar. Por fim, o francês tem que enfrentar uma noite de vento Minuano, sentindo os rigores do inverno nos descampados dos Campos de Viamão.
Esta é a segunda entrevista especial e complementar à série 200 anos da Viagem de Saint-Hilaire ao Sul do Brasil e Uruguai. Desta vez, o bate-papo é com o professor Fábio Kühn, doutor em história do Brasil e história do RS pela UFF e atual coordenador do Programa de Pós-Graduação da UFRGS.Fábio é também autor de Breve história do RS, de 2007, publicado pela Editora Leitura XXI; e Gente da fronteira: família e poder no continente do Rio Grande (Campos de Viamão, 1720-1800), de 2014, Editora OIKOS.
Segundo episódio do projeto de Memória Cultural HISTÓRIAS de VIAMÃO e também segundo da série sobre os 200 ANOS DA VIAGEM DE SAINT-HILAIRE AO SUL DO RIO GRANDE DO SUL E URUGUAI. O botânico atravessa o Mampituba e chega a Torres, onde encontra um grupo indígena de prisioneiros da batalha de Taquarembó está construindo a Igreja de São Domingos e um forte.Edição: Vítor OrtizTécnica: Bernardo MolettaParceria: viamaoantigo.com.brTrilha sonora: Viamão em Canto e Verso, de Éverton Ferreira
Este é o primeiro episódio do projeto de Memória Cultural HISTÓRIAS de VIAMÃO e também o primeiro da série sobre os 200 ANOS DA VIAGEM DE SAINT-HILAIRE AO SUL DO RIO GRANDE DO SUL E URUGUAI. Quem é o botânico e naturalista francês que percorreu diversas regiões do país, entre 1816 e 1822, escrevendo um diário que se transformou em fonte indispensável de diferentes campos de estudo sobre o século XIX no Brasil?Edição: Vítor OrtizTécnica: Bernardo MolettaParceria: viamaoantigo.com.brTrilha musical: Viamão em Canto e Prosa, de Éverton Ferreira.
Neste 6º episódio da série sobre a viagem de Saint-Hilaire, o botânico chega à Fazenda Boa Vista, junto ao rio Capivari, em Viamão. A estância, uma das mais importantes da Capitania do Rio Grande de São Pedro na época, em 1820, pertence ao Barão de Santo Amaro, que foi conselheiro de Dom João VI e supostamente sócio do Conde da Barca, o famoso cientista e embaixador português, nos negócios de terras e bois no Sul do Brasil. Saint-Hilaire encontra 80 negros escravos e um curtidor de couros de Paris trabalhando na implantação de um curtume.
Este é o quarto episódio da série 200 ANOS DA VIAGEM DE SAINT-HILAIRE AO SUL DO BRASIL E URUGUAI, parte do projeto de Memória Cultural do seu canal de podcasts HISTÓRIAS DE VIAMÃO. O naturalista depara-se com um contexto de pobreza ao ser hospedado numa palhoça de pesca às margens do rio Tramandaí, sofrendo com os frios das noites de Minuano naquele junho de 1820. Ele tenta explicar a condição de mais uma leva de índios prisioneiros da Batalha de Taquarembó que vê passar em direção a Torres.
Comments (51)

Maria Cristina

Nesse 10 episódio quando relatas a história do “menino de recados” que ficava na sala dos Gonçalves chaves nos ajuda a entender toda a cultura de racismo dos fazendeiros do Rs que ainda se mantém, mesmo que não tão explícita. Até alguns pouquíssimo anos essa figura do “mandalete”, “o menino de recados”, a “menina para cevar o mate” se manteve nas famílias mais ricas e nas fazendas, alguns chamados “filhos de criação” que não passava de uma escravatura consentida pelos pais. Essa é a história da infância, principalmente negra, no nosso estado. Quanto a serem mais amigáveis com os escravos, os fazendeiros eram pela solidão no campo, lá se conversa até com os cavalos, e não por um respeito especial. Muito agradável seguir tuas publicações e escutar a música que é belíssima. Obrigada

Sep 9th
Reply (1)

Thiago Pagani

Na falta do chimarrão vou ouvindo aqui na companhia no meu café. Show, Vítor!

Aug 14th
Reply

Marcelo Manica

Parabéns pelo projeto. Sou escotista do Grupo Escoteiro Saint Hilaire 154RS de Caxias do Sul e aprendi muito com os podcasts.

Aug 13th
Reply

Josmeri Pergher Puhl

Muito bom!!! Tô adorando viajar com o Saint-Hilaire!!!

Aug 4th
Reply

Felipe Viller

Eu moro na Santa Isabel e tenho um podcast também, estou aprendendo muito com seu maestral podcast.

Jul 15th
Reply (2)

Pod Deve - Canal de Podcasts de Daisy Fornari

É como se estivéssemos vivenciando com ele toda a trajetória. Muito bom de ouvir, parabéns!!!!!

Jun 24th
Reply

Lena Lena

Muito bom! As referências são muito pontuais. Parabéns!

May 31st
Reply

Lena Lena

Muito bom este podcast! Parabéns pelo trabalho! Estão ótimas a narrativa, a trilha musical e o conteúdo temático.

May 31st
Reply

Kellen Pasqualeto

Parabéns, Vitor! Show esse papo!

May 31st
Reply

Thiago Pagani

Parabéns, Vitor, show de bola!

May 29th
Reply

Ana de Hollanda

Parabéns, Vitor! Belos relatos sobre as aventuras do biólogo em terrar e a natureza por estâncias do sul do Brasil, ainda muito primitivo.

May 28th
Reply

Claudio Fachel

Muito bom Vitor, parabéns!

May 28th
Reply

Ana de Hollanda

Parabéns Vitor! Interessantíssimos esses relatos de histórias de Viamão e da região dos pampas.

May 28th
Reply

Denise Terra Nunes

Muito bom! Que venha Capivari!!

May 21st
Reply

Denise Terra Nunes

Adorei tb! A gente fica imaginando os butiás, o Minuano...

May 21st
Reply

Bruno Brum

Estou lendo S. Hilaire com os ouvidos. viagem no tempo e no espaço. Parabéns, Vitor.

May 18th
Reply

Marcos Daniel Schmidt de Aguiar

Muito bom Ortiz! Parabéns a vc e equipe!?

May 17th
Reply

Elizabeth Fernandes de Andrade

Parabéns, Vitor! Muito, muito gostosa a forma coloquial como estás contando as histórias. Estou adorando, e como Pavlov já comprovou, basta ouvir os primeiros acordes da música de entrada que já atiça minha vontade de ouvir o que vem. Sempre interessante.👏👏👏👏

May 13th
Reply

Fabianno Cris Alencar

realmente muito bom. parabéns!!!

May 12th
Reply

Paulo Ferreira

Parabéns Vitor ! Grande historiador de Viamão!

May 11th
Reply
Download from Google Play
Download from App Store