IFSC
Claim Ownership

IFSC

Autor: Instituto Federal de SC

Inscrito: 4Reproduzido: 35
compartilhar

Descrição

Este é o canal de podcasts do Instituto Federal de Santa Catarina. Uma instituição de ensino pública, gratuita e de qualidade. As produções são de responsabilidade da Diretoria de Comunicação do IFSC.
45 Episodes
Reverse
Neste episódio do podcast "Arte e Cultura remota para os seus ouvidos", a equipe multidisciplinar do projeto de extensão "Nas Entrelinhas: literatura de autoria feminina no presídio feminino de Itajaí", do câmpus São José,  compartilha suas reflexões acerca da leitura da obra "No seu pescoço" da escritora Chimamanda Adichie. Esta discussão conta com a participação da pesquisadora Dayane Evellin (UFSC) que, em sua pesquisa de doutorado realizada junto ao Programa de Pós-Graduação em Inglês, investigou questões de gênero e raça nos escritos da escritora nigeriana.
Nesse episódio conversamos com as professoras Ma. Milena Colognese (UFSM), Drda. Sabrine Weber (UFSC) e Drda. Daiane Delevati (UFSM) sobre os contos “Os porcos”, de Júlia Lopes de Almeida 1862-1934, do livro  nsia Eterna (1903) e “Pai contra mãe”, de Machado de Assis 1839 - 1908, publicado no livro Relíquias da Casa Velha (1906).
No episódio de hoje, os convidados Wagner Wagz, Sarah Duarte (Sari) e Amanda Soares (Mandinn) dialogam conosco sobre a história e suas experiências como artistas do hip-hop, do graffiti, da música e de outras linguagens e seus desdobramentos.
No episódio de hoje, as convidadas Gugie e Bruna Ferreira dialogam conosco sobre a história e suas experiências como artistas do graffiti, da fotografia e de outras linguagens e seus desdobramentos.
Nesse episódio o grupo de teatro Palcollet e estudantes do curso de teatro do câmpus Joinville dialoga com a Cia Artística Cobaia Cênica (Rio do Sul - SC) e a dramaturgia e montagem de "O que só passarinho entende" e outros trabalhos da cia durante o isolamento social.
Nesse episódio falamos sobre a produção artística independente de Karina Maia (atriz e dramaturga gaúcha) e Ni Brisant (poeta baiano) e suas publicações Sossego (texto dramático de 2020) e Amor livre é pleonasmo (antologia de 2019) e outras produções e indagações durante o isolamento social.
Nesse episódio nós abordamos as violências de gênero, principalmente no âmbito do relacionamento amoroso, partindo da leitura do conto A moça tecelã (2009), de Marina Colasanti (Eritreia, 1937 - ), e a presença dos convidados da comunidade externa: Chris Menezes (RJ), terapeuta especialista em relacionamentos abusivos e Adones Cruz (Xanxerê), psicólogo clínico, poeta independente, militante LGBT e ativista dos direitos humanos.
 Neste episódio do podcast, a equipe do projeto “Nas entrelinhas” compartilha suas reflexões  sobre o livro "Eu sou Malala", uma autobiografia sobre a menina paquistanesa que foi baleada pelo Talibã e que luta em defesa do direito das mulheres à educação. Os participantes refletem sobre a importância da história de Malala, sobre estereótipos e sobre os direitos das mulheres em diferentes lugares do mundo.
No dia 6 de agosto de 1945 a cidade japonesa de Hiroshima foi atingida por um artefato explosivo contendo 64 quilos de urânio causando uma enorme explosão e marcando o primeiro ataque nuclear da história da humanidade. A bomba deixou um rastro de destruição total em um raio de quase 2 quilômetros. A explosão também causou incêndios num raio de 11 quilômetros do centro ataque. Entre 70 e 80 mil pessoas morreram em decorrência da explosão. Outras 70 mil ficaram feridas. Os Estados Unidos buscavam com os ataques a rendição do Japão da Segunda Guerra Mundial. Sem indicação do governo japonês pela desistência do conflito, os americanos seguiram com o plano de bombardeios e em de 9 de agosto de 1945, a cidade de Nagasaki foi atingida pelo segundo artefato nuclear. A bomba de Nagasaki tinha 6 quilos e 400 gramas de plutônio, um outro elemento radioativo diferente daquele de Hiroshima. O números de mortos varia de acordo com os pesquisadores, mas estima-se em torno de 75 mil. As duas explosões nucleares completaram 75 anos na última semana. Além dos aspectos históricos, a bomba atômica mudou também o mundo da ciência. Para entender quais foram essas mudanças e compreender a ciência por trás desse trágico momento da humanidade nós conversamos com o Marcelo Girardi Schappo, professor de física do Câmpus São José do IFSC. Produção: Rafael Xavier e Felipe Silva Apresentação: Rafael Xavier e Felipe Silva Edição: Rafael Xavier O "Ciência para seus ouvidos" é uma produção da Diretoria de Comunicação do Instituto Federal de Santa Catarina. O objetivo deste podcast é tratar de ciência e divulgação científica abordando assuntos do cotidiano num bate papo com especialistas de diversas áreas.
Nesse episódio, nós dialogamos sobre os combates ao racismo e as violências de gênero e de classe, na sociedade brasileira. Para isso, nós fazemos um recorte da obra de Conceição Evaristo, com o conto Maria eopoema Vozes-Mulheres, em diálogo com as convidadas da comunidade externa: Ana Pacífico, de Curitiba, e Mirian Carla, de Florianópolis; as leituras da extensionista Tuany Souza e da servidora do Câmpus Itajaí, Rose Fernandes, e o professor Leonardo da Silva  (Câmpus São José),coordenador do projeto Nas Entrelinhas: literatura de autoria feminina no presídio feminino de Itajaí.
A explosão ocorrida em Beirute, Capital do Líbano, deixou mais de cinco mil feridos, mais de uma centena de mortos e outra de desaparecidos nesta terça-feira (4). Após um primeiro momento de especulações, o governo local confirmou a causa da explosão: 2700 toneladas de nitrato de amônio estavam há seis anos armazenadas no porto da cidade. Um incêndio no local foi o ativador da explosão. O nitrato de amônio é altamente utilizado na indústria de fertilizantes e explosões envolvendo a substância já aconteceram antes. Inclusive aquelas provocadas deliberadamente por terroristas e extremistas. Hoje conversamos com o professor Marco Aurélio Woehl, da área de processos químicos do IFSC Câmpus Lages para entender o que aconteceu no Líbano e quais os riscos que envolvem a manipulação e o armazenamento do nitrato de amônio. O professor Marco Aurélio tem graduação em engenharia química, mestrado e doutorado em química pela Universidade Federal do Paraná. Produção: Rafael Xavier e Felipe Silva Apresentação: Rafael Xavier e Felipe Silva Edição: Rafael Xavier O "Ciência para seus ouvidos" é uma produção da Diretoria de Comunicação do Instituto Federal de Santa Catarina. O objetivo deste podcast é tratar de ciência e divulgação científica abordando assuntos do cotidiano num bate papo com especialistas de diversas áreas.
Recentemente foi aprovado no Senado, depois de passar pela Câmara dos Deputados o Projeto de Lei 4162 de 2019. Ele altera uma série de leis já existentes criando o Marco do Saneamento. Entre críticas e apoios, o projeto é ambicioso. Através, principalmente, de acesso à investimentos privados o Marco do Saneamento tem como metas até 2033 levar água potável para 99% das pessoas e colocar coleta e tratamento de esgoto para 90% da população brasileira. Além disso, o governo espera alavancar o setor com empregos diretos e indiretos nas obras necessárias para atingir os objetivos. Hoje, 104 milhões de pessoas não tem acesso à coleta de esgoto e 35 milhões de Brasileiros não tem água potável à disposição. E o ciência para os seus ouvidos recebe hoje os professores Ricardo Clemente de Lima e Reginaldo Campolino Jaques, que vão explicar o que muda com esse novo marco, quais as implicações positivas e negativas, e como vai afetar o ensino e o campo de trabalho para área do saneamento. Produção: Rafael Xavier Apresentação: Rafael Xavier Edição: Rafael Xavier O "Ciência para seus ouvidos" é uma produção da Diretoria de Comunicação do Instituto Federal de Santa Catarina. O objetivo deste podcast é tratar de ciência e divulgação científica abordando assuntos do cotidiano num bate papo com especialistas de diversas áreas.
Nesse episódio conversamos sobre o conto O papel de parede amarelo (1892), de Charlotte P. Gilman (1860-1935), questões de gênero, saúde mental e privação de liberdade. Para diálogo, temos a leitura de trechos da obra, pela estudante extensionista Flavia Sachet e a presença das convidadas da comunidade externa de Xanxerê: Karine Pretto (psicóloga) e Eloisa Silva (acadêmica de Psicologia e artista).
Recriar a voz de uma múmia de 3 mil anos está longe de ser a principal função de uma impressora 3D, mas foi o que cientistas britânicos fizeram em janeiro deste ano. Porém, a experiência certamente induz a crer que as possibilidades dessa tecnologia são muitas e para diversas áreas do conhecimento, que vão desde o bife vegano impresso até casas construídas inteiramente com a tecnologia dos moldes em impressora 3D. Desde os anos 80 as impressoras 3D fazem parte de cadeias produtivas. Porém, com o barateamento das peças e o compartilhamento de conteúdo na internet ela foi se popularizando e hoje já possível ter um modelo residencial de custo acessível. O Ciência para os seus ouvidos recebe hoje o professor Guilherme de Santana Weizenmann, do Câmpus Chapecó do IFSC. O professor Guilherme é Graduado em Tecnologia em Mecatrônica Industrial pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina (2011). Mestre em Eng. Mecânica pela Universidade Federal de Santa Catarina, onde atuou e se especializou na área de Robótica e Automação da Soldagem, atualmente desenvolve projetos de pesquisa voltados a tecnologias assistivas e automação industrial. Na segunda parte do episódio, a gente conversa com a acadêmica de Engenharia de Controle e Automação do Câmpus Chapecó, Eloísa Barichello Hertz, que usa a tecnologia em sua empresa júnior. Produção: Rafael Xavier e Felipe Silva Apresentação: Rafael Xavier Edição: Rafael Xavier O "Ciência para seus ouvidos" é uma produção da Diretoria de Comunicação do Instituto Federal de Santa Catarina. O objetivo deste podcast é tratar de ciência e divulgação científica abordando assuntos do cotidiano num bate papo com especialistas de diversas áreas. *Narração inicial: Canal Olhar Digital
Rajadas de vento que ultrapassaram 130 km por hora, chuva forte, ressacas com ondas violentas no litoral. Tudo isso em poucas horas. O resultado: 135 municípios de Santa Catarina atingidos, 10 mortes e muita destruição de casas e edifícios. Assim, foi a passagem do ciclone bomba que atingiu o Estado. A Celesc, empresa que distribui energia elétrica em Santa Catarina, informou que 1 milhão e meio de unidades consumidoras ficaram sem energia elétrica, metade do estado. Em alguns locais, a energia foi reestabelecida apenas 36 horas depois da passagem do ciclone. A empresa classificou como o maior dano à rede elétrica da história catarinense. Mas os ciclones extra-tropicais são até comuns pelo estado. Este, porém, apresentou intensidade muito maior e também características que fizeram os especialistas classificarem o fenômeno com um ciclone bomba. Quem vai falar pra gente quais características são essas e também explicar sobre esse fenômeno e a comparação dele com outros é o professor Daniel Sampaio Calearo, do Câmpus Florianópolis do IFSC. Produção: Rafael Xavier e Felipe Silva Apresentação: Rafael Xavier Edição: Rafael Xavier O "Ciência para seus ouvidos" é uma produção da Diretoria de Comunicação do Instituto Federal de Santa Catarina. O objetivo deste podcast é tratar de ciência e divulgação científica abordando assuntos do cotidiano num bate papo com especialistas de diversas áreas.
Imaginem milhões de insetos saindo do Paraguai e se deslocando em massa destruindo plantações por onde passam. Chegam na Argentina, entram no Uruguai e o próximo destino é o Rio Grande do Sul, já em território brasileiro. Parece cena de filme de terror, não? Pois desse caminho, apenas a última etapa não ocorreu. As migrações de gafanhotos são comuns, mas devido a uma superpopulação dos insetos típicos da América do Sul, eles começaram a migrar em grandes grupos, com cerca de 40 milhões de indivíduos por quilômetro quadrado que consomem em um dia pastagens equivalentes ao que 2 mil vacas ou 350 mil pessoas conseguiriam comer. As condições climáticas como a queda nas temperaturas e ate mesmo o ciclone bomba que atingiu o sul do país ajudaram a afastar a nuvem dos gafanhotos da espécie Chistocerca cancellata do Brasil. Mas o país já sofreu com esse fenômeno antes e com a ação danosa do ser humano ao meio ambiente esse tipo de atividade tende a aumentar. Quem vai explicar pra gente como se forma, quais os riscos e as consequências dessa nuvem de gafanhotos é o agrônomo e professor Fernando Zinger, do Câmpus Lages do IFSC. Produção: Rafael Xavier e Felipe Silva Apresentação: Rafael Xavier Edição: Rafael Xavier O "Ciência para seus ouvidos" é uma produção da Diretoria de Comunicação do Instituto Federal de Santa Catarina. O objetivo deste podcast é tratar de ciência e divulgação científica abordando assuntos do cotidiano num bate papo com especialistas de diversas áreas.
 
O período de isolamento social imposto pela pandemia do Coronavírus trouxe novas realidades para as pessoas. Seja na relação com o familiares e amigos, até na hora do trabalho e na forma como estamos consumindo produtos e serviços, os meios digitais mediados pela internet estão tomando conta quase que 100% do tempo. Se por um lado o período foi forçado em razão da pandemia, por outro ele serviu para mostrar que essas transformações já estavam em curso e que podem sim vir a fazer parte da vida cotidiana após o isolamento social. Aquelas reuniões de trabalho que duravam horas agora são videoconferências de 40 minutos. O expediente que demandava duas horas de transporte todo dia esta sendo feito de casa. A empresa que pagava aluguel do espaço está vendo que sai mais barato reduzir a presença física e aumentar a virtual. Tudo isso faz parte da transformação digital. Mas quais os impactos dessa transformação, em especial no mundo do trabalho e na educação? Para bater um papo com a gente sobre esse assunto, conversamos com o professor do Cerfead do IFSC Luís Henrique Lindner e com a psicóloga Bruna Rizzieri. Produção: Rafael Xavier e Felipe Silva Apresentação: Rafael Xavier Edição: Rafael Xavier O "Ciência para seus ouvidos" é uma produção da Diretoria de Comunicação do Instituto Federal de Santa Catarina. O objetivo deste podcast é tratar de ciência e divulgação científica abordando assuntos do cotidiano num bate papo com especialistas de diversas áreas.
Astrologia e Astronomia nem sempre foram coisas diferentes. Elas andaram lado a lado por milhares de anos e poucos séculos atrás se separaram com o avanço da física moderna, tendo a astronomia se ocupado de estudar cientificamente o comportamento dos astros e corpos celestes para entender o universo, enquanto a astrologia ficou com o misticismo e a crença da influencia individual da posição dos astros na vida das pessoas. Não ha estudos que comprovem essa influência, mas é inegável que a astrologia tem espaço na vida das pessoas e muita gente acredita sim que o signo define a personalidade de alguém. Para conversar com a gente sobre os astros e sobre o que influencia de fato a personalidade, dividimos o bate papo em dois: primeiro, vamos entender sobre as constelações, movimentos e posições dos astros e sua influência na terra com o professor de física do Câmpus São Carlos do IFSC Edmilson Barreto. Depois, vamos entender sobre o que de fato influencia a formação da personalidade e no comportamento humano com a psicóloga Karina Pedro. Produção: Rafael Xavier e Felipe Silva Apresentação: Rafael Xavier Edição: Rafael Xavier O "Ciência para seus ouvidos" é uma produção da Diretoria de Comunicação do Instituto Federal de Santa Catarina. O objetivo deste podcast é tratar de ciência e divulgação científica abordando assuntos do cotidiano num bate papo com especialistas de diversas áreas.
Ao longo da história da humanidade diversas pandemias acometeram o planeta. Desde a Praga de Justiniano, por volta dos anos 500 d.c., passando pela Peste Negra, Peste Bubônica, Gripe Espanhola e outras doenças que causaram milhões de mortes em centenas de países. Todas elas levaram, além de mortes e pânico, a grandes descobertas, avanços na medicina e no trato sanitário e deixaram legados que são importantes até hoje. Para conversar com a gente sobre as pandemias ao longo da história, suas consequências, curiosidade e, especialmente, o que podemos aprender como essa pandemia do coronavírus, recebemos no Ciência para Seus Ouvidos os professores Orlando de Miranda Filho (historiador) e Rodrigo da Costa Lima (sociólogo). Orlando de Miranda Filho Possui graduação em História e pós-graduação em História da América Latina. É Mestre e Doutor em História, pesquisando sobre a Guerra do Paraguai. É professor no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina, Campus Itajaí. Rodrigo da Costa Lima Bacharel e Licenciado em Ciências Sociais. Especialista e Mestre em Sociologia. Tem experiência na área de Ciência Política, com ênfase em Partidos Políticos, e na área de Sociologia, com ênfase na Sociologia da Educação. Atualmente é Professor de Sociologia no Instituto Federal de Santa Catarina - Campus Araranguá. Produção: Rafael Xavier e Felipe Silva Apresentação: Rafael Xavier Edição: Rafael Xavier O "Ciência para seus ouvidos" é uma produção da Diretoria de Comunicação do Instituto Federal de Santa Catarina. O objetivo deste podcast é tratar de ciência e divulgação científica abordando assuntos do cotidiano num bate papo com especialistas de diversas áreas.
loading
Comentários 
Baixar da Google Play
Baixar da App Store