DiscoverManifesto
Manifesto

Manifesto

Author: Canal Manifesto

Subscribed: 23Played: 224
Share

Description

Conversas para conhecer e discutir pontos de vista à esquerda. Buscamos ideias e experiências para enfrentar as questões políticas atuais.

Artur Bertolucci, Letícia Rizzotti, Pedro Lima e companheiras(os).
11 Episodes
Reverse
O desenvolvimento e o crescimento econômico são mantras do nosso tempo. Ideias vistas como inquestionáveis, supostamente objetivos únicos para todos. O Flávio José Rocha, que é mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente pela UFPB e Doutor em Ciências Sociais pela PUC-SP e estuda os grandes projetos de infraestrutura e gestão da água, é uma das pessoas que estão pondo em xeque esse discurso. Que impactos sociais, econômicos e ambientais essas ideias têm provocado? A história econômica contada a partir das razões do capitalismo e da modernidade ocidental é a única narrativa possível? No primeiro episódio da segunda temporada, nosso papo foi como um ponto de partida pros que vêm na sequência. As lutas por um mundo realmente igualitário e sustentável precisam questionar e desmontar o mantra do desenvolvimento e construir outras economias, diversas, a partir dos lugares e de outras lógicas de pensamento: lógicas de envolvimento. Texto do Flávio, sobre o conceito de desenvolvimento do antropólogo Arturo Escobar: https://cutt.ly/ec9Vl0j Observatório da Privatização da Água (OPA): https://cutt.ly/Rc9BPL8 Documentário "Refugiados do Desenvolvimento": https://cutt.ly/Mc9ViAY Animação boliviana "Abuela Grillo": https://cutt.ly/yc9BCtA Projeto de Lei Mercado da Água (PL 495/2017): https://cutt.ly/wc9VdmD
No último episódio da primeira temporada, conversamos sobre armas com o Jorge Rodrigues, que é mestre em Relações Internacionais, pesquisa a ascensão do bolsonarismo no Brasil e a participação dos militares no governo, e faz parte do Grupo de Estudos de Defesa e Segurança Internacional (GEDES), do Instituto Tricontinental de Pesquisa Social e do Projeto Brasil Popular. Relembrando a temporada, nosso debate de segurança não pode estar separado de um olhar de classe, raça e gênero, e com as armas não é diferente. Olhando com essas três lentes, discutimos como o projeto de armamento civil encampado por Bolsonaro é um projeto individualista, que não será capaz de enfrentar os problemas de insegurança urbana, e voltado para as classes mais ricas e para os homens brancos, que desejam e têm condições financeiras de acessar uma arma legalizada. A maior parte da esquerda tem tentado obstruir esse projeto, porque sabe que ele é uma ilusão, e mais que isso, sabe que é um projeto de morte, que aprofundará muitas das formas de violência estrutural no nosso país. Mas as mesmas lentes de classe, raça e gênero, também mostram os limites da posição de esquerda que é contra o armamento civil e defende que a segurança pública é um papel do Estado. Do Estado burguês, patriarcal e racista, que tanto temos falado aqui, e da sua polícia e seu sistema de justiça, que matam e encarceram pobres e pretos. Essa não é outra ilusão? Como enfrentar essa contradição? Como o debate da esquerda pode buscar alternativas à segurança pública dirigida pelo Estado? Não deveríamos entender a violência como estruturante da sociedade, ao invés de ingenuamente negá-la? Concordando ou não, o olhar histórico da esquerda para a violência e as armas nas lutas coletivas e revoluções pode contribuir para a realidade de hoje? Texto do Lênin, A Palavra de Ordem do “Desarmamento”: https://cutt.ly/VhAdLWe Pesquisa do Datafolha sobre posse de armas: https://cutt.ly/NhAs6bd Twitter do Jorge: https://twitter.com/JorgRodrigues
O encarceramento em massa apareceu em quase todos os nossos episódios anteriores como uma questão fundamental da cultura do medo, da violência do Estado, do racismo estrutural e da guerra às drogas. Nosso sistema de justiça atual é um sucesso como de controle social dos pobres e pretos, mas um fracasso no enfrentamento da violência, e não nos sentimos mais seguros mesmo prendendo cada vez mais gente. Existem então outras formas diferentes de lidar com os conflitos que não passem somente pelo punitivismo? Prender é mesmo a única forma possível? No episódio #6 do MANIFESTO:, conversamos com a Bruna Diniz, que é professora de direito penal da Universidade Ibirapuera, mestre e doutoranda pela USP, e com o Gustavo Oliveira, que é advogado, jornalista e trabalha no CDHEP, o Centro de Direitos Humanos e Educação Popular de Campo Limpo, em São Paulo - uma organização que trabalha com formação, articulação, comunicação e incidência em políticas públicas para prevenir e superar as diversas formas de violência existentes nas periferias.  Nosso papo foi sobre abolicionismo penal e justiça restaurativa. São duas visões muito próximas, que trazem um olhar crítico radical para o direito penal e o sistema prisional, e propõem alternativas concretas para enfrentar a violência e os conflitos na sociedade. Conversamos sobre as limitações e as falácias do punitivismo atual, os desafios de desmontar uma cultura de justiça ligada à punição que está presente em todos nós, as estratégias de luta abolicionista e as experiências e técnicas já utilizadas hoje pela justiça restaurativa. CDHEP: http://cdhep.org.br/ Fala da Petronella Boonen no Seminário Justiça Restaurativa: https://youtu.be/TJC1UZG7p_w  Thiago Fabres, no TEDX Justiça Restaurativa e Abolicionismo Penal: https://youtu.be/c8fM-qbIHlE Amparar - Associação de Parentes e Amigos de Presos: https://cutt.ly/qfNQTzr Pequeno Livro Sobre Raça e Justiça Restaurativa, da Fania Davis: https://cutt.ly/FfNQOlm Comissão de Justiça Restaurativa da OAB-SP: https://cutt.ly/lfNQP32
Nos episódios anteriores, conversamos sobre a violência do tráfico, da milícia e da polícia na ponta, nas periferias das cidades brasileiras, comentando sempre que essa violência está diretamente ligada a uma base ou um circuito muito maior, com escala nacional e internacional. Então, qual é esse circuito? O Thiago Rodrigues, que é cientista social, professor na Universidade Federal Fluminense (UFF) e pesquisa o narcotráfico no Brasil e na América Latina há mais de 20 anos, nos contou mais sobre essas bases, mostrando como a produção, a venda e o próprio combate às drogas fazem parte de uma grande rede de poder e de negócios hipercapitalista, que se relaciona com inúmeros outros mercados, lícitos e ilícitos, ao redor do mundo. Na opinião dele, a violência na ponta não tem como objetivo destruir a base desse circuito. Pelo contrário, é na guerra e no fracasso permanente que os negócios do narcotráfico (e do seu combate) lucram e se reinventam.  Conversamos ainda sobre o envolvimento das facções e do Estado no narcotráfico, sobre as ideologias que embasam a guerras às drogas como um mecanismo de controle racial e social, e também sobre possibilidades alternativas de enxergar e quebrar esse gigante complexo, já que a legalização, sozinha, não será suficiente. O Thiago Rodrigues está no Twitter: twitter.com/thethiagor
Embora o tráfico seja apenas uma parte de uma cadeia de negócios enorme que só desemboca nas favelas, é sobre os morros e as periferias brasileiras que recaem as violências de uma política de segurança pautada na guerra às drogas, e seus moradores desde sempre são excluídos das decisões.  O Movimentos é um dos coletivos de jovens que estão fazendo essa denúncia. Discutindo segurança pública, drogas, racismo e violência, e construindo alternativas a partir das muitas vozes, conhecimentos e sensibilidades das favelas: descolonizando, descentralizando e ampliando os debates. Trocamos uma ideia com o Aristênio Gomes, que é estudante de História, educador popular, mora na Maré no Rio de Janeiro e faz parte do Movimentos. Conversamos sobre as violências e suas bases estruturais, sobre os problemas das ideias e ações que vêm de fora e como elas afetam a vida nas periferias. Ele nos contou também sobre as experiências do Movimentos com formação, arte e comunicação, e discutimos as potências e as contradições das lutas autônomas, coletivas e horizontais que nascem de baixo. Movimentos: drogas, juventude, favela - http://movimentos.org.br A entrevista do Raull Santiago com a Jout Jout que citamos várias vezes: https://youtu.be/dOJvdqOjfXE
Neste momento de distanciamento, com muitas falas, opiniões e incertezas, resolvemos conversar sobre alguns assuntos que estão sendo menos falados, para não despolitizar as formas como lidamos com a pandemia. E também para nos mantermos unidos. Estreando um novo formato, vários companheiros nos ajudaram com seus comentários. Suas falas apontaram para nosso senso crítico e nos ajudaram na capacidade nos manifestarmos e apoiarmos, mesmo no olho do furacão. Ouvimos o Flávio Roberto Batista, professor da Faculdade de Direito da USP, sobre o papel do SUS no contexto de necessidade de atendimento massivo da população. Rodne Lima, professor de Direito Sanitário na UNILA e pesquisador do grupo Saúde Pública Baseada em Evidências, falou sobre a turbulência das relações de trabalho neste período de exposição perigosa à doença. Acácio Augusto apontou as preocupações com as medidas de exceção no contexto do contingenciamento do impacto social da pandemia. Ele é professor de Segurança Internacional no Departamento de Relações Internacionais da UNIFESP e coordenador do LaSInTec (Laboratório de Análise em Segurança Internacional e Tecnologias de Monitoramento).  Thaiane Mendonça, doutoranda em Relações Internacionais pelo Programa San Tiago Dantas (UNESP/UNICAMP/PUC-SP) e pesquisadora do LaSInTec/UNIFESP, apontou para as medidas de segurança no caso brasileiro e suas decorrências em nossas liberdades. Por último, o Lucas de Oliveira, mestrando em Relações Internacionais pelo Programa San Tiago Dantas (UNESP/UNICAMP/PUC-SP) e pesquisador do Grupo de Estudos de Defesa e Segurança Internacional (GEDES/UNESP), tratou das medidas do Estado de Exceção e as respostas do governo Bolsonaro. Terminamos nosso episódio com algumas possíveis perspectivas de como sairemos dessa: será que a mesma urgência mobIlizada para o autoritarismo pode nos ajudar a enxergar nossas realidades desiguais? Conseguiremos valorizar as formas de organização coletiva, a solidariedade, os direitos sociais e a proteção do trabalho?  Os Rascunhos são episódios mais livres do podcast do MANIFESTO:. Nesses episódios conversamos sobre outros assuntos que nos interessam para além dos temas das temporadas. Fique a vontade para nos mandar sugestões de episódios e convidados em nossas redes! *Este podcast foi gravado na noite do dia 27/03/2020. Pela velocidade dos acontecimentos, algumas informações podem estar desatualizadas.
O José Cláudio Souza Alves, que é sociólogo e estuda os grupos de extermínio e as milícias há 26 anos, tem insistido que outras formas de ler e enfrentar esses grupos são possíveis, a partir das periferias e para além do ciclo infinito de violência.  Mas antes de conversarmos sobre isso, ele nos ajudou também a entender que as milícias têm muitos tentáculos: as relações com a polícia, o tráfico e as estruturas do Estado, como eles atuam diretamente dominando bairros, principalmente periféricos, a diversidade de atividades econômicas desenvolvidas pelos grupos e quem lucra com elas, e como o surgimento e a força das milícias se insere no contexto político e cultural brasileiro dos últimos tempos. Assim, como encarar esses grupos que se originam e associam ao Estado? A saída envolve esse mesmo Estado ou é preciso pensar algo além? Entrevista do José para a Rede Brasil Atual/Fundação Perseu Abramo: bit.ly/30HKH3O Entrevista para a Revista Exame: bit.ly/2Rfb4LD   Publicação "Segurança, tráfico e milícias no Rio de Janeiro" da Justiça Global/Fundação Heinrich Böll: bit.ly/38t9WtC
Este é um episódio de estreias: dos Rascunhos, do site do Manifesto e  dos nossos novos companheiros, a Letícia e o Léo. Conversamos sobre os  primeiros textos do site novo, a Série Clima, e ela foi motivo pra gente discutir muita coisa. As queimadas na Amazônia e a necessidade de  pensarmos profundamente economia e ambiente: como as tragédias ambientais e políticas podem nos despertar para pensar um mundo  radicalmente novo? A Cúpula do Clima e a Assembleia Geral da ONU: o que  elas representam? Conversamos sobre a participação do atual governo  brasileiro nas discussões internacionais sobre o meio-ambiente. A soberania do Brasil está ameaçada? E discutimos também a própria ONU: ela é um espaço de transformação? Os Rascunhos são episódios mais livres do podcast do MANIFESTO:. Nesses episódios conversamos sobre outros assuntos que nos interessam para além dos temas das temporadas. Fique a vontade para nos mandar sugestões de episódios e convidados em nossas redes!
Conversamos sobre a função que cumprem a polícia e as forças armadas hoje no Brasil, e sobre como a herança histórica que carregam essas instituições influencia na forma que atuam. Seria possível reformulá-las e torná-las democráticas? Nossos convidados acreditam que não, e que desativar as forças de segurança do Estado é o caminho realmente transformador. Eles são o Acácio Augusto, que é doutor em Ciências Sociais pelo PUC-SP e professor de Relações Internacionais na UNIFESP. Atua nas áreas de Segurança Internacional e Teoria Política e é pesquisador no Núcleo de Sociabilidade Libertária, o Nu-Sol, e no grupo Segurança e Defesa nas Américas, da UFF.  E o David Succi, que é mestre e doutorando em Relações Internacionais pelo Programa San Tiago Dantas, pesquisador no Grupo de Estudos de Defesa e Segurança Internacional, o GEDES, e estuda as Forças Armadas e Segurança Pública.
Nesse episódio, começamos a conversar sobre segurança - o que essa palavra significa e como ela é mobilizada, de onde vêm as decisões das políticas públicas e como elas são desiguais e direcionadas. Além disso nos perguntamos se é a partir do Estado, de cima para baixo, que vamos de fato enfrentar esse problema. Esteve com a gente a Thaiane Mendonça, que é formada em Relações Internacionais pela UFF, mestre em Estudos Estratégicos pela UFF e que hoje faz seu doutorado no Programa San Tiago Dantas. Ela estuda pacificação, sociologia política internacional, segurança pública e internacional.
Burocracias de início, mas importantes: quem somos nós, porque criamos esse canal e como ele vai funcionar. E a parte legal: uma conversa sobre a pesquisa "Conservadorismo e as Questões Sociais no Brasil", divulgada recentemente pela Fundação Tide Setúbal. O que é o conservadorismo hoje no Brasil e qual a força dele? Como chegamos nesse estado das coisas? Como a gente pode ler esse pensamento? Como entender as questões que trazem as pessoas que se identificam com ele? Há coisas boas a serem enxergadas?  Pesquisa Conservadorismo e as Questões Sociais no Brasil: https://conteudo.fundacaotidesetubal.org.br/downloadconservadorismo
Comments 
Download from Google Play
Download from App Store