DiscoverOutras Mamas Podcast
Outras Mamas Podcast
Claim Ownership

Outras Mamas Podcast

Author: Babi Miranda e Thais Goldkorn

Subscribed: 1,493Played: 44,535
Share

Description

Construindo um novo mundo feminista, anticapitalista e antiespecista
104 Episodes
Reverse
E estreando finalmente a nova temporada, convidamos a rainha do Twitter, contadora de histórias, protetora dos bichos, comentadora de BBB a querida: Déia Freitas, do Não Inviabilize. O que começou como grupo de telegram virou podcast e se tornou rapidamente um dos nossos favoritos! O grupo continua, com mais de 12 mil membros e as histórias não param de chegar. Déia é psicóloga e contadora de histórias e no Não Inviabilize ela recebe histórias da vida real dos ouvintes e conta pra gente de um jeito gostoso que faz a gente sentir que tá ali juntinho dela e dos personagens. A gente é fã demais dessa mulher e desse projeto! Esperamos que vocês curtam esse papo delícia aí também.
Voltamos, mas ainda não voltamos!! Esse ainda não é nosso retorno oficial e início da temporada 7. Esse episódio é apenas uma enorme saudade de abrir nossos microfones e conversar com vocês um cadinho. 1 mês de 2021 e tanta coisa já aconteceu, nem nossa alienação tá sendo garantida pela Rede Globo, só estamos presenciando mais horror e dor. Que fase! Mas a gente promete que vamos juntas, de mãos dadas, rindo quando possível, chorando quando necessário! Um pouquinho de luta, um pouquinho de dança ❤
#100 - Episódio n. 100

#100 - Episódio n. 100

2020-12-2901:13:54

Quando, no início do ano, colocamos a meta de chegar ao final de 2020 no episódio de número 100 fomos ambiciosas. Mal sabíamos que esse ano ia ser tão louco, tão triste, tão cheio de altos e baixos e que, mesmo assim, seria o ano em que mais produziríamos conteúdo pra internet. Sem muita vontade, chegamos e que caminho que foi até aqui.  Sem vocês, ouvintes e convidadas, não conseguiríamos chegar até aqui, então, nada melhor do que fazer um episódio com todo mundo junto. Somos muito gratas por todo o carinho que recebemos e esperamos que em 2021 não façamos mais, mas melhor, junto com vocês!
Mais um Conversas Sinceronas no ar antes desse ano maluco chegar ao fim. Dessa vez vamos bater um papo sobre vacina, expectativa, esperança, medo e nosso olhar sobre tudo isso! No meio de um bombardeio de notícias sobre COVID, mutação, vacinas, segunda, terceira onda ou avalanche, estamos vivendo uma infestação de fake news, negacionistas, antivax, abandono do governo e muita, mas muita especulação correndo solta nos grupos de whatsapp, no twitter e em qualquer conversa sobre futuro. Da nossa parte tentamos lembrar sempre que estamos do lado da ciência, do lado do coletivo e da vida. Mas claro, sempre questionando e tentando entender tudo nesse mundo do avesso que vivemos. Falamos sobre a questão do veganismo com relação à vacina e como devemos mudar nossa visão sob os animais urgentemente! Bora lá, dar um mais um passo pra terminar esse ano e aguardem, que semana que vem tem o último do ano e, não menos esperado, episódio #100 desse podcast que tanto amamos!
Final de ano chegando e aquele cheirinho de comida, casa cheia e família reunida já vem junto e com esse combo, vem sempre a pergunta: será que mesmo com uma postura questionadora sobre alimentação, indústria, normas sociais, relações, conseguimos manter um vínculo de memória com a nossa comida? Convidamos, então, a querida Carol Dini, do perfil @cebolanamanteiga pra conversar com a gente sobre essa relação entre comidas e afetos. Falamos sobre a tradição do Natal e como tudo é uma grande cena que um dia nos passaram o roteiro e assim seguimos sem muito entender. O porque da data, a comida que temos que comer e quando, os presentes, a família, a decoração, tudo! Nossa ideia não é jogar água fria nas festas, mas colocar na mesa o jeitinho outras mamers de ser: porque fazemos as coisas sempre do mesmo jeito e como podemos transformar esses momentos sem perder os afetos e as memórias com as pessoas que gostamos.
Mais um episódio sobre filme, o último do ano! Dessa vez escolhemos o documentário Jane: a mãe dos chimpanzés, que está disponível no Disney+. O filme foi dirigido pelo premiado Brett Morgen e nos presenteia com imagens muito ricas do início da carreira da pesquisadora, anotações, fotografias e entrevistas recentes com Jane, belíssima, aos 84 anos. Jane Goodall é inglesa e desde pequena sonhava em conviver de perto com os animais e viver na África. Em 1960, quando Jane visitava uma amiga no Quénia, conheceu o prestigiado antropólogo Louis Leakey, com quem conseguiu uma bolsa para poder recolher dados sobre os chimpanzés na natureza e para estudar as suas semelhanças com os humanos. Mesmo sem diploma universitário ou qualquer experiência com trabalho de campo na época, Jane conseguiu realizar seu sonho. Ali, mesmo com pouca ou nenhuma estrutura ou apoio, fez várias descobertas importantes que lhe asseguraram uma posição entre os melhores cientistas de campo e ativistas pelos direitos dos animais do século XX. Bora pra Gombe com a gente?
Simone de Lima é mais uma daquelas mulheres que a gente ama ouvir e admirar, bióloga, professora aposentada de Psicologia na Universidade de Brasília, ativista vegana, feminista, atua há 17 anos em ONGs e coletivos em defesa dos animais, membra da União Vegana de Ativismo e com muitas histórias pra compartilhar com a gente. Hoje, Simone mora nos Estados Unidos e trabalha como voluntária no @poplarspringsanctuary , santuário que fica na cidade de Poolesville, Maryland. Sua visão e relação com os animais nos toca e nos lembra que cada animal é um indivíduo único, com suas preferências, manias e vontades. Ela conta história do Hamilton, o pombo da foto de capa desse episódio, e muitos outros animais que nos fizeram chorar e esperamos emocionar vocês também!
O Conversas Sinceronas foi uma ideia que surgiu de episódios mais curtos, que lançaremos sempre que rolar uma necessidade de trocar uma ideia mais direta com vocês, seja um desabafo, comentando algum tema que tenha tido destaque na semana, compartilhando nossos sentimentos e por aí vai. Hoje, vamos falar sobre feminismos e a questão de gênero, especialmente a partir dos episódios de transfobia que vimos acontecer recentemente nas redes em declarações de algumas feministas radicais. Falamos brevemente sobre nossa trajetória no feminismo e o que isso impactou também no Outras Mamas. Bora conversar?
E vamos de mais um episódio sobre livro. Dessa vez, escolhemos o que podemos chamar de thriller ecológico, o impactante Sobre os ossos dos mortos (Todavia, 2019, trad. Olga Bagińska-Shinzato) da polonesa Olga Tokarczuk e que foi muito comentado por vocês, especialmente no nosso querido grupo do telegram. Narrado em primeira pessoa pela sra. Janina Dusheiko, o livro vai nos conduzir por algumas mortes misteriosas que acontecem no vilarejo em que ela mora, numa região remota da Polônia já na divisa com a República Tcheca. Nossa personagem principal e narradora é essa figura que não atende os esteriótipos de uma senhorinha aposentada, sempre denunciando os machismo, etarismos que a cercam e, claro, a morte indiscriminada dos animais na região.
Nesse domingo, 15 de novembro, acontecem as eleições municipais em todo Brasil (exceto Distrito Federal), com um segundo turno marcado para 29 de novembro. Nas novas datas estipuladas, os eleitores escolherão os prefeitos, vice-prefeitos e vereadores dos 5.570 municípios do país. Ao todo, serão preenchidos 67,8 mil cargos públicos eletivos. Não poderíamos deixar de trazer esse tema nesse 2020 todo atípico. O que esperar dessas eleições? Eleger prefeitos e vereadores muda alguma de fato alguma coisa? Pra quem? Vem com a gente conversar sobre como as eleições municipais podem mudar o cenário político aqui e agora!
Enfim, a hipocrisia: as incoerências (ou não) que praticamos sendo veganas. Esse título surgiu a partir de um episódio que aconteceu no programa A Fazenda, da Record e rendeu muitos memes e comentários das redes sociais. Aproveitamos essa história, que parece superficial e sem sentido, pra falar dessa e de outras contradições que podem existir no veganismo. Como você vão ver, algumas são grandes piadas e outras carregam dilemas que são intensamente debatidos dentro do movimento. Então vem com a gente e diz, quais são as contradições ou dilemas que você vê no veganismo?
Ana Paula Salviatti é historiadora e mestra em História Econômica pela USP, doutoranda pelo Instituto de Economia da Unicamp, pesquisadora e professora. Ela também tem um podcast, o Kanal Marx, um podcast para leitura dO capital, maravilhoso, recomendamos maratonar sem dó! Conversamos com Ana sobre porque falar de economia é tão importante, especialmente pra gente que tem uma visão crítica do sistema capitalista, sobre como tudo dentro desse sistema é  transformado em mercadoria, inclusive, e principalmente, nós mesmos e como podemos mudar o mundo, mudando a nossa própria perspectiva. Muitas dúvidas, questionamentos e aprendizados, ouvir a Ana Paula é ter uma aula sobre a vida. Sabemos que esse episódio é uma lapada de informação e nosso objetivo era fazer vocês se apaixonarem também pela professora Ana e o jeitinho especial que ela dá uma tijolada na nossa cabeça, mas se quiserem ler as muitas referências citadas, só entrar no nosso blog no https://medium.com/outras-mamas-podcast !
A história do Outras Mamas com o Frankenstein e sua criadora Mary Shelley é antiga. Lá no início no episódio 08  — A parte que faltou na história já falávamos dela e de seu monstro vegetariano, graças ao capítulo todo dedicado a ele no nosso querido A Política Sexual da Carne, de Carol J Adams. Hoje resolvemos aprofundar no tema e falar sobre o filme biografia que estreou na Netflix em 2018, quando Frankestein completou 200 anos. O filme tem direção da cineasta saudita Haifaa al-Mansour, roteiro de Emma Jensen e quem dá vida a Mary Shelley é a maravilhosa Elle Fanning. Precisamos então avisar que esse episódio contém spoilers! Entre críticas e elogios, contamos a história do filme e da Mary Shelley aprofundado nas teorias feministas, vegetarianas e experiências que levaram a autora a escrever um dos maiores sucessos literários do mundo.
A maioria de nós carrega uma visão um tanto pejorativa e equivocada do que é anarquismo. Facilmente associado a bagunça e desordem, essa ideologia tão antiga e rica acaba sendo descartada na nossa busca por um norte pra lutar. Nesse episódio, Sandra Guimarães vai nos dizer o que de fato é anarquismo através de seus estudos e vivências e como é coerente ser anarquista e, ao mesmo tempo, vegana e feminista. Se estamos falando em acabar com todas as formas de opressão e qualquer tipo de dominação de todos os seres, o anarquismo é um dos caminhos. Vamos aprender juntes?
Um post da nossa querida Camila Mantovani sobre a vaca Marília foi uma das motivações pra gente fazer um episódio dedicado a falar da indústria do leite e, com todos os desdobramentos, falar também das ameaças ao nosso Guia Alimentar da população brasileira. Conversamos um pouco sobre a prática, a história e o mercado crescente de laticínios no Brasil e qual a importância desses alimentos no dia a dia do brasileiro. A gente já falou no Guia nos episódios #18 com a Ju Gomes, #40 com a Ale Nahra, #59 com a Cris Maymone, mas quando foi no início de setembro tornou-se pública a notícia de que a atual Ministra da Agricultura Pecuária e Abastecimento, nossa não-querida musa do Agro, Tereza Cristina, enviou um ofício ao Ministério da Saúde, solicitando a revisão do Guia Alimentar para a População Brasileira. Esse ofício acompanhava uma nota técnica que tentava negar as evidências científicas que atestam os malefícios à saúde provocados pelos produtos ultraprocessados. Trouxemos então a Giovana Cezar, nutricionista graduada pela Unicamp, vegana e ativista alimentar e pelo meio ambiente pra trocar uma ideia sobre essas questões cada dia mais relevantes pra nós e pro mundo!
Motivadas pelas nossas histórias de adoção dos peludos nos últimos meses, resolvemos fazer esse episódio gostoso pra dividir com vocês a delícia que é adotar um, ou vários bichinhos. Hoje existem cerca de 140 milhões de animais domésticos no Brasil, entre cães, gatos, peixes, aves e répteis e pequenos mamíferos. Os animais abandonados não estão incluídos nesse número, ou seja, tem muito bichinho sem casa precisando dos nossos cuidados. E aí entra o trabalho tão importante das ONGs e protetores independentes. Falamos sobre a questão do aumento do número de adoções durante a quarentena e também o aumento do número de abandonos e devoluções, o quanto essa questão dos animais domésticos é um problema criado pelo ser humano, ampliado pelo capitalismo, ligado a tantos outros problemas e é nossa responsabilidade então cuidar desses animais que precisam (e merecem) todo o amor do mundo. Obrigada Thalita, Lucas, Lui e @larissamaluf que enviaram relatos tão bonitos e nos ajudaram a construir esse episódio tão especial!
#86 - A Vegetariana

#86 - A Vegetariana

2020-09-1601:19:341

Resolvemos fazer mais um episódio sobre livro, finalmente, como muitas pessoas já pediram e vamos fazer com maior frequência a partir de agora.  Dessa vez, o livro escolhido pra ter uma resenha sob o nosso olhar feminista e vegan é A Vegetariana, lançado aqui no Brasil pela editora Todavia. A Vegetariana é um livro da autora sul-coreana Han Kang, que ganhou o Man Booker International Prize de ficção em 2016 com esse livro. A autora Han Kang nasceu na Coreia do Sul, estudou literatura e já ganhou vários prêmios pelos seu romances, mas A Vegetariana foi a que fez ela ficar conhecida mundialmente. A ideia pra escrever o livro veio a partir de uma frase de um poeta também coreano chamado Yi Sang em que dizia “Acho que os humanos deveriam ser plantas” e a partir daí ela cria uma história louquíssima que nos engole de dentro pra fora, literalmente. Bora ouvir e conversar sobre o livro?
O que veganismo tem a ver com marxismo? Tem muita coisa a ver! Por isso, convidamos Dafne Sena, pra falar de uma vez por todas com nossos camaradas marxistas que ainda não abraçaram o veganismo na sua luta e, também, mostrar para quem ja luta pela libertação animal, como uma abordagem marxista do antiespecismo  pode ser eficaz. Que saber mais? Então escuta o episódio e vem com a gente! Dafne é feminista, vegana, advogata, militante ecossocialista na Coletiva Rebelião e pre cocandidata a vereadora de SP pela Bancada Feminista do PSOL.
Há menos de duas semanas chegamos ao Dia da Sobrecarga da Terra (#overshootday): 22 de agosto é o momento de 2020 em que nós passamos a demandar mais recursos naturais e serviços ecossistêmicos do que a Terra é capaz de regenerar em um ano. Mas o que isso quer dizer, na prática? Nesse episódio conversamos sobre isso e as possíveis soluções e práticas individuais e coletivas que precisamos fazer pra adiar, ou melhor, acabar com o Dia de Sobrecarga da Terra. Vamos nessa?!
Lana de Holanda é comunicadora, mulher trans, travesti, feminista, ecossocialista, vegana, ex-assessora de Marielle Franco. E temos a honra de ouví-la nesse episódio! São tantas coisas pra falar com Lana, que ficamos pensando como conduzir, onde aprofundar e que título colocar, enfim, gravamos! Compartilhamos com ela a luta antiopressões, o feminismo, o ecossocialismo, o veganismo e que temos muito pra ouvir e aprender sobre a questão trans e suas vivências. De tantas coisas que foram faladas conversa, no fundo falamos sobre uma coisa só: sobre transformar o mundo! E aí que um episódio foi muito pouco pra tudo isso (vocês vão sentir que ficou aquele gostinho de quero mais!), então, fica aqui a promessa de uma parte 2.
loading
Comments (68)

@Entomophill

incrível!!! podcast foda só uma coisa: surdo- mudo é um termo que deve ser evitado. digam somente "surdo", ou "mudo".

Dec 22nd
Reply

@Entomophill

incrível

Dec 22nd
Reply

Isabele Pinto Oliveira

acho que algo que ficou bem marcado é que toda violência precisa de ferramentas. tanto a violência contra animais como o estupro, no caso o pênis. Aí ela vai fazendo essa ligação entre os processos.

Dec 1st
Reply

Alexandra Zaze

a Lana é maravilhosa e todas as falas dela me encantam 😍💓👏👏

Sep 15th
Reply

Alícia Grossmann

Obrigada meninas, muuuito informativo! ❤

Aug 14th
Reply

Carlo Ponzi

Nossa, esse EP é uma bostejada sem fim! Misturar estoicismo com revolução cultural é bizarro! Aliás, todo estoico ignora movimentos de massa! Opressão não é virtude, então não tem como ser estoico e ultra-autoritário ao mesmo tempo.... comunista, feminista e veranista são visou utópicas! Estoicos aceitam a realidade!

Jul 11th
Reply

plank

Sovar a massa pra descontar a raiva do presidente kkk que ícone!

Jun 28th
Reply

Sam

Eu ainda não tinha parado para prestar a atenção nessa música do Marron 5, realmente, repulsiva e mostra escancaradamente como apesar de serem dois movimentos diferentes, se entrelaçam! Tô amando maratonas vocês !

Jun 17th
Reply

Paulinha Silva

Adorei ❤️

Apr 29th
Reply

Paulinha Silva

Maravilha ❤️

Apr 26th
Reply

Paulinha Silva

Quando vocês se referem ao sistema, o que é que vocês entendem por sistema? Estão-se a referir a 100 ou + pessoas que pertencem/trabalham para/no governo ? Quando dizem que a culpa não é nossa mas sim do sistema fodido, a quem se referem como responsáveis do tal sistema fodido ? Referem-se ao Bolsonaro ? ao Trump? e por aí fora ? Se é isso, eu acho que dizer tal coisa é que é injusto! Pois não é o governo quem sustenta a população, mas sim a população que governa e sustenta o governo e o mundo a sua volta. A indústria animal, tal como a farmacêutica, são indústrias muito rentáveis para os ricos, e quem sustenta os ricos ? Nós os "pobres" O Consumismo é causado pelo os menos abastados (maioritariamente) mas não é culpa do governo, nem dos líderes/chefes das multi-nacionais, pois só se nós comprarmos o que eles vendem e promovem é que lhes será rentável! Daí a má distribuição do dinheiro pelo mundo fora. Pois as pessoas nem sempre pensam quando compram seja o que for, não pensam a quem estão a entregar o seu pouco dinheiro, e para que é que estão a contribuir! No caso do consumo de produtos animais, estamos a contribuir para a fome em muitas partes do mundo como a África. Por isso a tarefa do veganismo, que eu prefiro chamar de ambientalismo, é alertar para a falta de consciência geral. " Essas carnes tão sendo distribuídas assim.." porque as pessoas compram se não nem eram distribuídas de todo. . Ou seja nós temos SIM de nos culpabilizar=Responsabilizar a nós mesmos! Pois as poucas centenas de pessoas no governo não se compara à força de milhões de pessoas fora dele! O que quero dizer com isto é que o povo está sempre à espera de centenas de "gatos pingados" para lhes dizerem como e resolverem todos os problemas no mundo como a fome, a economia, o aquecimento global, mas isso é algo completamente absurdo=Comodismo... 1° Porque sabemos que a maior parte dos nossos governantes são gananciosos e egoístas é a sua condição de vida, ou seja não interessa o que digamos , eles vão sempre a pôr os seus interesses pessoais a frente! 2° Imaginamos que eles até ditavam leis maravilhosas, mas se as pessoas não mudarem realmente as suas acções não adianta de nada o que está escrito em papel. . Temos de aceitar de uma vez por todas que o governo não passa de uma ilusão , que fomos todos nós que criamos o capitalismo e que decidimos se continuamos contribuímos o ou não para o capitalismo. CADA UM DE NÓS. O petróleo não vale nada se o povo não pagar para encher o deposito. Os futebolistas nunca ganhariam mais que os médicos e outras profissões essenciais se o povo não gastasse o pouco dinheiro que tem em tudo que tem a ver com o futebol. O aquecimento global diminuiria drasticamente se o povo deixasse de consumir carne. Resumindo: Os ditos governantes têm pouco poder sobre o mundo, apesar de nos terem feito acreditar o contrário. . O ser humano não é de todo uma espécie horrível , somos uma espécie maravilhosa como qualquer outra, no entanto estamos desconectados da nossa essência. Como o Sadhguru disse " A única coisa que precisa de ser arranjada no planeta são os seres humanos, tudo o resto está bem" Resumindo: Tudo nesta vida é sobre dar e receber, semear para colher, e claro que este vírus fomos nós que o plantamos conscientemente ou inconscientemente, é o tal KARMA! Claro que ninguém o fez por mal, mas sim por não estarem cientes dos seus atos, daí termos de ser firmes quando alertamos para o sofrimento dos animais e a destruição do planeta. Se os veganos quisessem assim tanto a aniquilação do ser humano, não estavam a lutar tanto para a salvar. Estamos sim em estado de urgência. Pois a principal causa do aquecimento global é a pecuária. O problema é que muitos se nós não percebe que já não temos muito tempo para resolver as coisas.

Apr 15th
Reply

Debora Helena de Rezende Rodrigues

ai gente, vocês são muito maravilhosas! 🥰

Feb 19th
Reply

Bruna Padilha

Manxs.. coloquem os nomes de astrologxs citadxs no episódio.. por favor!

Dec 17th
Reply

Jean Farias M. Rosewarne

simmm relatem no insta, seria super interessante. quem sabe um desafio chamando outras pessoas!

Nov 27th
Reply

Jean Farias M. Rosewarne

tem jambo no Ceará tb. e a rua fica toda rosa na época da estação. que episódio lindo!!!

Nov 27th
Reply

Grazielle Garcia

Gente , qual o nome do livro?

Nov 1st
Reply

Fernanda Lima

compersão 🤗

Oct 21st
Reply

Debora Helena de Rezende Rodrigues

as falas mais sensatas sobre o que a Paola Masterchef disse no twitter se referindo ao hambúrguer do futuro

Oct 17th
Reply

Vanessa Cordeiro

Amei! Concordo com tudo que cês falaram, não tinha nem pensado em algumas coisas.. Um ponto que eu queria destacar é que eu sou nordestina, do sertão, e cara... não lembro de ter ido ver um filme brasileiro no cinema em que me sentisse tão representada. Para além de representar o nordeste de uma forma não caricata etc, pra mim foi incrível, incrível mesmo, sentir que cada uma daquelas pessoas poderia ser minha vizinha, minha tia, minha vó sabe? Não ter aqueles atores que parecem que saíram de capa de revista e ao mesmo tempo tanta gente linda! Saí orgulhosa da nossa beleza

Oct 2nd
Reply (1)

Tathiana Reis

Que episódio lindo meninas! parabéns xx

Sep 30th
Reply
Download from Google Play
Download from App Store