DiscoverRádio Companhia
Rádio Companhia
Claim Ownership

Rádio Companhia

Author: Companhia das Letras

Subscribed: 1,175Played: 13,200
Share

Description

O podcast do Grupo Companhia das Letras.
contato: radio@companhiadasletras.com.br
94 Episodes
Reverse
Neste episódio, a apresentadora Marina Pastore conversa sobre “A vida invisível de Eurídice Gusmão”, de Martha Batalha, com Bruna Brito, do departamento de projetos digitais da Companhia das Letras, Jessyca Pacheco, do departamento comercial, Isabella Lubrano, do canal Ler Antes de Morrer, e Nina Kopko, diretora-assistente do filme “A vida invisível”, premiado no festival de Cannes deste ano.Em “A vida invisível de Eurídice Gusmão”, no Rio de Janeiro dos anos 1940, Guida Gusmão desaparece da casa dos pais sem deixar notícias, enquanto sua irmã Eurídice se torna uma dona de casa exemplar. Mas nenhuma das duas parece feliz em suas escolhas. Saiba mais em: http://bit.ly/2VhyaE9Alerta: este episódio contém spoilers!*Livros, autores e sites citados no episódio: “Nunca houve um castelo”, de Martha Batalha; Clarice Lispector; “Um teto todo seu” e “Mrs. Dalloway”, de Virginia Woolf; “Da arte das armadilhas” e “O livro das semelhanças”, de Ana Martins Marques; “As meninas”, de Lygia Fagundes Telles; “O verão sem homens”, de Siri Hustvedt; “Com armas sonolentas”, de Carola Saavedra; Sylvia Plath; “O amor de uma boa mulher”, de Alice Munro; “Olive Kitteridge”, de Elizabeth Strout; “Jornal das Moças” na Hemeroteca Digital Brasileira.Teaser oficial do filme “A vida invisível”: https://youtu.be/t0WHnFQaz20*Tem alguma crítica, elogio ou sugestão? Escreva pra gente no nosso e-mail, radio@companhiadasletras.com.br, ou nas nossas redes sociais.Edição: Jose Bárrickelo
Bem-vindos à Rádio Companhia, o podcast da Companhia das Letras. Neste 86º episódio, o tema é o conto. Se Mário de Andrade dizia que conto é tudo aquilo que o autor chamar de conto, nós preparamos um bate-papo com alguns escritores da casa para falarmos sobre as narrativas breves: Luiz Ruffato ("O verão tardio"), Miguel Del Castillo ("Cancún") e Noemi Jaffe ("Não está mais aqui quem falou").*Saiba mais sobre a seleção Contém um Conto: http://bit.ly/2yT8NM3*Autores, contos e livros citados (em ordem alfabética): Ali Smith; Alice Munro; 'Amor', de Clarice Lispector ("Laços de família"); Anton Tchékhov; 'A causa secreta', de Machado de Assis ("50 contos", org. John Gledson); "As coisas que perdemos no fogo", Mariana Enriquez; "Contos plausíveis", de Carlos Drummond de Andrade; 'O crachá nos dentes', de Lygia Fagundes Telles ("A noite mais escura e eu"); Edgar Allan Poe; Flannery O'Connor; Geovani Martins; Gustavo Pacheco; Jorge Luis Borges; Julio Cortázar; Katherine Mansfield; "Manual da faxineira", de Lucia Berlin; "Nocilla Dream", de Agustín Fernández Mallo; Ricardo Piglia; Rodrigo Naves; Rubem Braga; Sérgio Sant'Anna; 'A terceira margem do rio', de João Guimarães Rosa ("Primeiras estórias").*Apresentação e roteiro: Mariana FigueiredoParticipação: Débora MedeirosProdução: Paulo JúniorEdição: Central 3
Neste episódio, a apresentadora Marina Pastore conversa sobre “Enclausurado”, de Ian McEwan, com Fabiana Roncoroni, gerente de produção da Companhia das Letras, Fernanda Dias, do departamento de direitos estrangeiros, Jose Bárrickelo, produtor da Rádio Companhia, e Laura Castanho, que resenhou o livro para o blog Sala 33. Ouça também uma introdução de Ricardo Teperman, editor da obra de McEwan na Companhia das Letras, e trechos do livro narrados por Wagner Moura.Em “Enclausurado”, McEwan, um dos principais nomes da literatura contemporânea, cria uma história de intriga e mistério através de um narrador inusitado: um feto. Ainda na barriga da mãe, ele escuta os planos da progenitora para, em conluio com seu amante - que é também tio do bebê -, assassinar o marido. Saiba mais em: https://bit.ly/2JSjQvvAssista ao vídeo completo do evento de comemoração dos 30 anos da Companhia das Letras, com participação de Ian McEwan e David Grossman e leituras de Wagner Moura e Denise Fraga: https://bit.ly/2SzVNUL Ouça no SoundCloud, iTunes, Deezer, Spotify ou no seu agregador de podcasts favorito.Tem alguma crítica, elogio ou sugestão? Escreva pra gente no nosso e-mail, radio@companhiadasletras.com.br, ou nas nossas redes sociais.Edição: Jose Bárrickelo
No último dia 28 de junho, celebramos os 50 anos do orgulho LGBTQI+. Embora o mês comemorativo tenha passado, a Companhia das Letras, através de sua campanha Leia com orgulho, acredita na importância de fomentar e incentivar o debate que aborde a diversidade em amplos aspectos durante o ano todo.Por isso, esta edição da Rádio Companhia traz interlocutores que irão ampliar a discussão sobre a literatura brasileira, aproximando autores e narrativas LGBT+ que por anos foram deslocados e apagados do debate público.Durante o episódio, contamos com a importante participação de Jarid Arraes, escritora, cordelista e poeta, que publica pela Alfaguara seu primeiro livro de contos, “Redemoinho em dia quente”; a vencedora do prêmio Jabuti 2016 na categoria contos, Natalia Borges Polesso, que lança hoje pela editora seu primeiro romance, “Controle”; e Luara França, editora da Companhia das Letras.A entrevista do mês é com Jean Wyllys, jornalista e professor que por quase dez anos foi o único homossexual assumido no Congresso – ele lança, ainda este mês, a obra “O que será”.Apresentação e roteiro: Mariana FigueiredoEdição: Central 3
Nem só de croissant, queijo e vinho vivem os franceses! A rica literatura do país é uma das mais influentes do ocidente. Com nomes como Flaubert, Balzac, Victor Hugo, Montaigne, Rousseau e outros, a França se destaca com seus livros enormes em volume e importância. Para conversar um pouquinho sobre essa rica literatura com a gente, convidamos a tradutora Rosa Freire D’Aguiar para participar desse nosso Papo de Pinguim!
Rússia. 17 milhões 75 mil e 400 quilômetros quadrados. O maior país do planeta. 142 milhões de habitantes. Sua característica potência política deu mostras de força em diferentes momentos da história mundial. Mas é através de sua literatura que muitas pessoas tomam um contato mais direto com o país. Principalmente a partir do século XIX, a literatura russa passa a ser reconhecida como parte essencial do cânone. Mas até que ponto podemos conhecer esse país tão distante? Ou melhor, será que ele é mesmo tão distante assim?Para esse papo convidamos Cecília Rosas, tradutora, mestre e doutora em literatura russa pela Universidade de São Paulo, e Lucas Simone, tradutor, historiador e doutor em literatura russa pela mesma universidade. Cecília Rosas já traduziu obras de Svetlana Aleksiévitch, Liudmila Petruchévskaia, Dostoiévski e outros. Lucas já traduziu Górki, Dostoiévski e Chalamov.
Você já ouviu falar da autora Júlia Lopes de Almeida? Sabia que ela é um dos nomes mais importantes do modernismo brasileiro? Opa, não? Nesse programa vamos falar um pouco sobre a obra da autora e sobre como as leituras obrigatórias na escola mudam o consumo de literatura no país. Para conversar com a gente sobre essa grande escritora que por vezes é esquecida, convidamos o autor Luiz Ruffato e a coordenadora do departamento de educação da Companhia das Letras, Rafaela Deiab.
Nesse episódio vamos conversar sobre a Grécia antiga, esse período sempre citado e pouco compreendido. A cultura ocidental sempre volta à Grécia antiga, os filósofos gregos são sempre citados como argumentos de autoridade, e a visão que temos do período por vezes se confunde com uma idealização. O que foi esse período histórico? Como os filósofos comunicavam suas ideias? Quem tinha acesso a isso? Vamos tentar entender um pouquinho melhor tudo isso?Para participar do programa convidamos a Maria Cecília Leonel Gomes dos Reis, mais conhecida como Quilha. Ela nasceu em São Paulo em 1956 e é professora da Universidade Federal do ABC, com doutorado em filosofia pela Universidade de São Paulo e graduação em artes plásticas pela Fundação Armando Álvares Penteado. É escritora e tradutora, tendo vertido do grego o tratado "De Anima de Aristóteles", trabalho pelo qual recebeu menção honrosa no prêmio União Latina de tradução especializada, e o diálogo "Fedro" de Platão para a Penguin-Companhia.
Nesse episódio vamos conversar sobre uma das autoras mais amada, e não compreendidas, da literatura mundial: Jane Austen.Extremamente modesta em relação ao próprio talento, Austen definiu seu trabalho para o sobrinho, Edward, como “um pedaço de marfim (cinco centímetros de espessura) que escovo muito bem para produzir um pouco de efeito depois de muita labuta”. Quando era criança, escrevia contos e paródias de romances populares. Publicou suas obras só depois de muita revisão e viu impressos apenas quatro de seus romances: "Razão e sensibilidade" (1811), "Orgulho e preconceito" (1813), "Mansfield Park" (1814) e "Emma" (1815). Outros dois romances — "A abadia de Northanger" e "Persuasão" — foram publicados postumamente, em 1817, com uma nota biográfica redigida por seu irmão, Henry Austen, que foi o primeiro a anunciar formalmente sua identidade como autora. Para falar sobre essa autora tão querida, teremos a participação de Marcelo Ferroni, publisher dos selos Alfaguara, Objetiva e Suma, e Julia Romeu, tradutora especializada em literatura do século XIX.
"Os sertões" foi escrito entre 1897 e 1902, depois que Euclides cobriu como jornalista, a convite de Júlio de Mesquita, o conflito em Canudos. Considerado um dos trabalhos mais importantes da história brasileira, "Os sertões" ainda é visto como um mistério para muitos. Nesse episódio contamos com a participação de Lilia Moritz Schwarcz, antropóloga, historiadora e editora, ela também é professora do Departamento de Antropologia da Universidade de São Paulo, global professor na Universidade Princeton, curadora adjunta do Masp e colunista do jornal Nexo.
loading
Comments (10)

Beto

Um livro de puro entretenimento.

Aug 14th
Reply

Ismael Costa

7 minutos de entrevista? rsrs

Jun 23rd
Reply

Ian Herman

também não gostei do novo formato. cansou mesmo, ou não temos mais tanto foco pra aprofundar em diferentes temas de uma vez só.

May 20th
Reply

Myllena Pampuch

sempre mando nudes da alma 😆

May 20th
Reply

Augusto Menna Barreto

Não gostei do novo formato. Ficou maçante. O formato anterior era bem mais legal, possibilitava um aprofundamento incrível dos temas. Ah, mas gostei muito da entrevista com a Lili.

May 16th
Reply

Augusto Menna Barreto

programa maravilhoso !

Mar 14th
Reply

Augusto Menna Barreto

Vai ter lançamento do livro em Curitiba?

Jan 30th
Reply

Leandro Carvalho

Excelente ouvir estes dois!

Jan 7th
Reply

Edson Neto

Perfeito <3

Mar 29th
Reply

Slccnocsas Sas

um dos melhores podcasts de literatura da podosfera

Oct 24th
Reply
loading
Download from Google Play
Download from App Store