DiscoverRádio Emergir
Rádio Emergir
Claim Ownership

Rádio Emergir

Author: Emergir

Subscribed: 1Played: 30
Share

Description

Explorações e conversas ao redor de temas e pessoas que energizam e co-criam realidades emergentes.
20 Episodes
Reverse
Evolution - The road less taken Evolution - As easy s 1,2 3 Say "No" to revolution and "Yes" to Evolution
O que o Big-bang tem a ver com Agrofloresta? Qual é a relação entre o nosso devir e o ambiente em que habitamos? Como se faz sabão de rosas com esponja vegetal embutida? Essas são apenas algumas das questões abordadas nessa conversa ~ tão especial ~ entre dois sábios agricultores da Barra do Turvo (Vale do Ribeira) e uma família aventureira. No abrir de Abril de 2021, Seu Pedro Baiano (ou Pedro Poeta) e Dn Maria ajeitaram a jangada e a tirolesa para que eu (Danilo), minha mãe (Eva) e meu irmão (Fabrício) pudéssemos deixar São Paulo e chegar ao Paraná, onde eles nos receberam com um almoço farto no Centro de Envolvimento Agroflorestal Filipe Moreira (CEAFIM). Com mais de duas décadas de vida no campo regada a muita agrofloresta e construção comunitária, Maria e Pedro compartilharam à mesa não apenas a deliciosa e abundante comida, mas também suas saborosas perspectivas e histórias pessoais sobre a vida rural e seus contornos. Isso inclui, por exemplo, as estranhas relações estabelecidas entre produtor e consumidor em uma ótica mercadológica, alguns dos desafios econômicos do campo e, como resposta a isso tudo, a dinâmica da Comunidade que Sustenta a Agricultura (CSA) CEAFIM, Nesse sentido, essa conversa é sem dúvidas um prato cheio para qualquer pessoa interessada nesse tipo de viver e devir. Aliás, quem está realmente cogitando uma transição rumo à ruralidade encontrará uma preciosa oportunidade vinda de seu Pedro ao final desse papo. Então dê logo o play e sinta a brisa dessa viagem inusitada rumo a região com a maior concentração de Mata Atlântica nativa do Brasil! @Arai muito obrigado pela conexão "acupuntural" com esse ser excepcional!!!
Era uma casa, muito engraçada. Essa tinha teto, porão, vários outros cômodos e se sustentava em um planeta azul. Porém, essa casa não foi bem construída e sofria com várias rachaduras e infiltrações. Todas sistêmicas. Essa casa começou a ruir e seus habitantes, os seres humanos modernos, viram as estruturas que eles imaginavam serem essenciais e inabaláveis em um curso de decomposição. Essa é a Casa Construída pela Modernidade, uma das cartografias que compõem o trabalho do coletivo “Gestos rumo a Futuros Decoloniais”. Nesse papo, com Camilla e Dino (e Nara) do Terra Adentro, entramos um pouco nessa casa para explorar temas como o Decolonialidade, os vícios da Modernidade, Maternidade e Paternidade, e o momento de mundo em que estamos vivendo. Camilla e Dino também nos apresentam as dinâmicas de trabalho (e gestos) do movimento Terra Adentro, que na semana que vem (final de Março, 2021) inicia um grupo de estudos para o aprofundamento na pedagogia do Coletivo Gestos Rumo a Futuros Decoloniais. Links https://linktr.ee/terra.adentro/ https://www.instagram.com/terra_adentro/
 De acordo com a Wikipedia, o Instituto Santa Fé (SFI) é um instituto independente de pesquisa teórica sem fins lucrativos localizado em Santa Fé (Novo México, Estados Unidos) e dedicado ao estudo multidisciplinar dos princípios fundamentais de sistemas adaptativos complexos, incluindo princípios físicos, computacionais, biológicos e sociais. Neste episódio da Rádio Emergir conversamos com Nícolas Gort - ou Nico - que durante o ano passado participou de um dos programas de pesquisa para estudantes de graduação do Instituto. Aqui ele compartilha com a gente as dinâmicas do instituto, a pesquisa que ele conduziu por lá sobre Aprendizado Celular, Teoria da Informação e muito mais!
Sustentar não basta. Fica cada vez mais evidente que apenas deixar de causar danos aos sistemas ecológicos dos quais fazemos parte compõe uma visão míope de solução para a crise que vivemos. Muito mais do que isso, é preciso Regenerar. Regenerar de tal forma que a Vida na Terra com a presença humana torne-se mais abundante e propícia à própria vida do que ela seria caso não estivéssemos aqui. Felipe Tavares, co-fundador do Instituto do Desenvolvimento Regenerativo (https://desenvolvimentoregenerativo.com/) conversa com a Rádio Emergir para compartilhar a sua visão de como podemos alcançar tal feito. A boa notícia é que este caminho é recheado de descobertas (internas e externas), além de muitas conexões.
Précognição psicodélica

Précognição psicodélica

2018-09-1702:12:59

Você já teve a sensação de que talvez você recebeu uma informação vinda… do futuro? Talvez em um sonho, ou durante algum estado alterado de consciência, ou simplesmente por uma intuição sobre algo. Pois bem, fique tranquilo. Pelo menos é isso o que diz o pesquisador britânico sobre estados alterados de consciência David Luke. Eu tive a honra de participar de uma palestra organizada pelo Depto de Psicologia da USP com ele, que também é professor de psicologia da Universidade de Greenwich. E é difícil de descrever tudo o que o David compartilhou. O tópico foi precognição, definido por ele mesmo como “transferência de informação vinda do futuro”. Assim, a conversa foi recheado de mergulhos nas pesquisas que ele vem conduzindo com estados alterados de consciência e como o método científico vendo sendo utilizado para a averiguação (empírica) de tais ocorridos. Enfim, esse episódio é um prato cheio pra quem gosta da emergente fusão entre ciência e psicodelia!
Em Fevereiro de 2018, eu tive a honra de visitar a Floresta Amazônia dentro do contexto do programa Jornada Amazônia (https://www.amazonia-edu.org/jornada). Foi uma experiência incrível que me ensinou muito sobre a floresta, os seus seres. E no final, eu mesmo. Enquanto eu estava por lá eu gravei conversas e explorações com pessoas que têm um contato muito grande com a floresta. E agora, elas estão disponíveis aqui na Rádio Emergir. Esse episódio é a gravação de uma roda de conversa com o Superintendente Geral da Fundação Amazonas Sustentável, Prof. Virgílio Viana. No meio da floresta, ele compartilha com o grupo da jornada todo o seu conhecimento sobre a Amazônia, mudanças climáticas, manejo florestal e agroflorestal, conservação ambiental e desenvolvimento sustentável.
Em Fevereiro de 2018, eu tive a honra de visitar a Floresta Amazônia dentro do contexto do programa Jornada Amazônia (https://www.amazonia-edu.org/jornada). Foi uma experiência incrível que me ensinou muito sobre a floresta, os seus seres. E no final, eu mesmo. Enquanto eu estava por lá eu gravei conversas e explorações com pessoas que têm um contato muito grande com a floresta. E agora, elas estão disponíveis aqui na Rádio Emergir. Este episódio é a gravação de uma roda de conversas com Ademar Cruz e Rita Mesquita - ambientalistas especialistas na implementação de áreas de preservação na Amazônia - e Odenilze, moradora do Tumbira que viveu o processo de criação de uma Região de Desenvolvimento Sustentável (RDS) em sua comunidade.
Em Fevereiro de 2018, eu tive a honra de visitar a Floresta Amazônia dentro do contexto do programa Jornada Amazônia (https://www.amazonia-edu.org/jornada). Foi uma experiência incrível que me ensinou muito sobre a floresta, os seus seres. E no final, eu mesmo. Enquanto eu estava por lá eu gravei conversas e explorações com pessoas que têm um contato muito grande com a floresta. E agora, elas estão disponíveis aqui na Rádio Emergir. Essa primeira conversa é com o Roberto, um dos grandes líderes da comunidade do Tumbira, localizada na Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Rio Negro. Durante grande parte da sua vida, o Roberto garantiu o seu sustento e o da sua família trabalhando como madeireiro. Mas hoje ele é um exemplo de como programas de desenvolvimento sustentável e empoderamento comunitário podem ter impactos transformadores nas vidas das pessoas dessas regiões.
Uma conversa com Vinícius Braz Rocha ao som de Andreas Vollenweider sobre (-) as rupturas já visíveis nas atuais macro-narrativas que guiam muito do que entendemos por sociedade (-) a complexidade como movimentação entre as diferentes infinitas camadas de uma Matryoshka e (-) as emergentes não-institucionalidades como a E2GLATS.
Neste episódio da Rádio Emergir, Alessandra Bernardo - Engenheira de Produção [e de pessoas] - compartilha os seus conhecimentos e práticas sobre a Teoria U, um framework para lidar com o futuro que emerge co-desenvolvido por Otto Scharmer, escritor e professor do MIT. Hoje a Teoria U (http://co-labore.net/teoria-u-um-caminho-para-inovacao-e-lideranca/) é explorada em rede e presencialmente ao redor do mundo por todo tipo de organizações e indivíduos, tendo seus esforços coordenados pelo Presencing Institute (https://www.presencing.org/).
Como os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável podem nos ajudar a construir um mundo melhor para todos? Organizações evoluem? Como isso acontece teoricamente e na prática? Essas são algumas das questões que exploramos nesse episódio da Rádio Emergir com Ana Julia Ghirello, co-fundadora do BomNegócio.com (hoje OLX) e fundadora da incubadora de negócios sociais AbeLLha (http://www.abellha.co/).
Em uma conversa recente com uma amiga, eu (Danilo) refleti verbalmente sobre as minhas aprendizagens ao fazer o Capra Course, que explora a Visão Sistêmica da Vida construída por Fritjof Capra e Pier Luigi Luis. Meu exercício mental foi sobre as conexões entre as dimensões Biológica, Cognitiva, Social e Ecosistêmica da vida, como explorado no curso.
Neste episódio, a designer e facilitadora Camila Fix introduz as principais características da Economia Circular - um novo paradigma de produção de bens e serviços que leva em conta a finitude dos recursos naturais da Terra. Para mais informações sobre a Economia Circular visite o mapa de conteúdos da Fundação Ellen MacArthur: https://www.kumu.io/ellenmacarthurfoundation/educational-resources
Política, sustentabilidade, atuação em rede e jardinagem. Tudo isso no primeiro episódio da Rádio Emergir com Juliana Maria de Barros. Membra fundadora da Rede de Ação Política pela Sustentabilidade.
A Rádio Emergir está de volta! Depois de mais um período de hibernação, a Rádio Emergir volta ao ar em meio à crise civilizatória desencadeada pela COVID-19. O intuito é ter conversas com pessoas que estão olhando para esse momento com um olhar único. E nesse sentido, nada melhor do que iniciar essa retomada com um bate papo sobre a cosmologia e cosmo visão do povo Awaete, muito bem representado pelo pajé Timei! É muito gostoso ouvir o Timei compartilhando o complexo conjunto de saberes, práticas, histórias e experiências do seu povo. Nada substitui a assertividade de quem realmente incorpora e refina um tipo de conhecimento no dia-a-dia. Ainda mais quando esse conhecimento é tão essencial para o momento de mundo em que vivemos. E fica claro que temos muito a aprender com a cosmologia Awaete, desde as coisas pequenas de suas práticas diárias, até às histórias que incorporam o princípio de que tudo está conectado no nosso mundo, materialmente, energeticamente, espiritualmente. Também ao ouví-lo, o encanto com essa cosmovisão se depara com os absurdos impostos sobre o povo Awaete. Motivo pelo qual o Timei saiu de sua aldeia (há cerca de 5 anos) para entender a cultura karai (não indígena) que trazia tanto sofrimento para eles. Desde grandes empreitadas como a construção da usina de Belo Monte, até pequenas ações como o desrespeito com a cultura e imagem do povo Awaete, fica claro que a balança da justiça está completamente desequilibrada no que diz respeito o contato com os povos da floresta. Felizmente, pessoas como o Time e a sua companheira Carla, têm bravamente tentado criar diferentes condições para esse contato, buscando dinâmicas que harmonizem saberes e práticas de todos os povos. Exemplo disso são os projetos que eles têm realizado nesses últimos 5 anos. O primeiro, a Agenda Awaete, uma exploração de troca de saberes e práticas que vem tecendo redes de colaboração ao redor do Brasil, com atividades e oficinas realizadas com diversos grupos e profissionais. E agora, o Instituto Janeraka que vem criando espaços para essas trocas no Norte do Brasil: uma casa de acolhimento em Belém (onde eu fiquei quando estive lá em Fevereiro), uma nova aldeia na reserva indígena do Koatinemo e um outro ponto de acolhimento para povos da floresta em Altamira, a cidade mais próxima da reserva. Juntos, essas Janerakas (nossas casas), conectam a floresta e seus povos à maior capital da região e ao mundo. E claro, mais do que nunca, Timei, Carla, e instituto precisam de suporte (humano e financeiro) para seguirem em sua caminhada. O site busca fornecer as informações necessárias para quem queira fortalecer esse movimento. Eu tenho orgulho de ter ajudado a construir esse site e espero que essa conversa seja uma faísca para novas sinergias entre outros povos e o povo Awaete! Obrigado e se cuidem! E aqui seguem algumas outras conversas que o Timei já teve durante esses últimos dias de isolamento social. Ele tem estado bastante ativo nas redes sociais VI CICLO DE PALESTRAS - Cantos e Histórias Awaete - TIMEI ASSURINI (https://www.youtube.com/watch?v=3jUABAhfZY4) O Canal Marytykwawara Awaete no Youtube (https://www.youtube.com/channel/UCKfzW1fA7S7EHB5rH__lP-A) Página Janerakas no Instagram (https://www.instagram.com/janerakas/)
No primeiro cross-over entre a Rádio Emergir e o podcast do IDR, Felipe e eu sentamos para conversar sobre "sense making" (criação de sentido/discernimento) em um contexto de guerras de informações. Com picos nas últimas eleições ao redor do mundo, esse tema tem aumentado exponencialmente em relevância nos últimos tempos, dadas as diversas situações de manipulações da nossa capacidade de discernimento por atores com agendas privadas, armados por plataformas digitais que, por sua vez, rastreiam, comercializam e influenciam padrões de comportamentos humanos. Conversamos sobre tudo um pouco. Desde as nossas percepções sobre como ocorrem os ataques à nossa capacidade de discernimento, passando pelo delicado momento do mundo em que vivemos, até às meta-narrativas que conectam este momento de mundo e como temos discernido sobre ele.
Em Setembro, o Emergir está completando duas voltas em torno do sol. E um encontro emergente tomou forma para a celebração desse evento especial ✨🎉 Alguns nós se reuniram na terça feira (17/09), na "Horta da Coruja" em São Paulo. Sem agenda prévia, só com muita intenção de bate papo e celebração! Alguns desse papos foram gravados e estão disponíveis neste episódio da Rádio Emergir. Sintonize e saiba um pouco mais sobre o processo de nascimento do Emergir; escute nossas reflexões sobre algumas dinâmicas em rede que veem acontecendo neste e outros ambientes (incluindo ideias sobre como as redes podem *sentir* a si mesmas); percepções sobre animações em rede de forma geral; e também como essa complexidade toda pode ser contextualizada perante o momento histórico que estamos vivendo, com estrutura sociais e ecológicas colapsando ao nosso redor. Viva Emergir! 🦋
No dia 14 de Agosto de 2019, aconteceu no rio de janeiro o segundo encontro da série Descentralizando - Organizações não hierárquicas no blockchain, organizada pelo Erik Rodrigues que contextualizou essa iniciativa da seguinte maneira: “O cenário tecnopolítico global nos impede de tratar o que acontece no ciberespaço como algo separado da nossa realidade diária. Plataformas proprietárias como o Facebook, Whatsapp e o Google nunca foram tão pervasivas em nossas vidas particulares e públicas.  Ao mesmo tempo, a captura e o comércio de nossos dados, a manipulação do nosso comportamento, a vulnerabilidade das fake news, e a capacidade preditiva dos acumuladores de dados de anteciparem movimentos de populações inteiras, faz da presença desses Monopólios Digitais um arranjo incompatível com a democracia. Nesse contexto, iremos estudar as DAOs (organizações autômomas descentralizadas), organizações não hierárquicas possibilitadas pela tecnologia do blockchain e a economia digital das criptomoedas, que possibilitam que comunidades se organizem coletivamente através de um objetivo único.” Neste segundo encontro, além de explicar os fundamentos de blockchain, DAOs e governança decentralizadas, brincamos com uma das ferramentas atualmente mais desenvolvidas para a experimentações com DAOs, o dApp (App decentralizado) Alchemy, criado pela empresa DAOstack e atualmente rodando no Ethereum. Rolou inclusive uma submissão de proposta ao vivo para a GenesisDAO (a primeira DAO criada pelo DAOstack) através do Alchemy. Essas conversas mais técnicas compõem este episódio, a Parte II. Porém, antes de entrar no assunto DAOs/Alchemy, rolou um bate papo bastante expansivo com uma perspectiva muito interessante sobre o desenvolvimento histórico, linguístico e mitológico do momento em que vivemos e suas tecnologias, começando há 5000 mil atrás, na antiga Suméria. Esse papo foi gravado e agora está disponível aqui como a Parte 1 desse encontro. Aproveitem.
No dia 14 de Agosto de 2019, aconteceu no rio de janeiro o segundo encontro da série Descentralizando - Organizações não hierárquicas no blockchain, organizada pelo Erik Rodrigues que contextualizou essa iniciativa da seguinte maneira: “O cenário tecnopolítico global nos impede de tratar o que acontece no ciberespaço como algo separado da nossa realidade diária. Plataformas proprietárias como o Facebook, Whatsapp e o Google nunca foram tão pervasivas em nossas vidas particulares e públicas.  Ao mesmo tempo, a captura e o comércio de nossos dados, a manipulação do nosso comportamento, a vulnerabilidade das fake news, e a capacidade preditiva dos acumuladores de dados de anteciparem movimentos de populações inteiras, faz da presença desses Monopólios Digitais um arranjo incompatível com a democracia. Nesse contexto, iremos estudar as DAOs (organizações autômomas descentralizadas), organizações não hierárquicas possibilitadas pela tecnologia do blockchain e a economia digital das criptomoedas, que possibilitam que comunidades se organizem coletivamente através de um objetivo único.” Neste segundo encontro, além de explicar os fundamentos de blockchain, DAOs e governança decentralizadas, brincamos com uma das ferramentas atualmente mais desenvolvidas para a experimentações com DAOs, o dApp (App decentralizado) Alchemy, criado pela empresa DAOstack e atualmente rodando no Ethereum. Rolou inclusive uma submissão de proposta ao vivo para a GenesisDAO (a primeira DAO criada pelo DAOstack) através do Alchemy. Porém, antes de entrar no assunto DAOs/Alchemy, rolou um bate papo bastante expansivo com uma perspectiva muito interessante sobre o desenvolvimento histórico, linguístico e mitológico do momento em que vivemos e suas tecnologias, começando há 5000 mil atrás, na antiga Suméria. Esse papo foi gravado e agora está disponível aqui como a Parte 1 desse encontro. Aproveitem.
Comments 
Download from Google Play
Download from App Store