DiscoverCiência USP
Ciência USP

Ciência USP

Author: Jornal da USP

Subscribed: 2,674Played: 56,851
Share

Description

Descobertas científicas, resultados de pesquisas, assuntos do momento e debates que chacoalham o mundo da ciência. O podcast é uma produção da editoria de Ciências do Jornal da USP.
39 Episodes
Reverse
Quando você ouvir este Ciência USP, já terá completado um mês que George Floyd foi morto pela polícia de Mineápolis, nos Estados Unidos. Milhares de cidades americanas terão registrado protestos contra o racismo e a violência policial. Dezenas de países terão declarado apoio ao movimento Black Lives Matter e condenado a brutalidade da polícia americana. Infelizmente, a violência policial não está restrita ao Hemisfério Norte. No Brasil, há muitos casos semelhantes ao de George Floyd, em que a ação da polícia resulta na morte de uma pessoa negra, seja adulta ou criança. Foi assim com Guilherme, João Pedro, Ágatha e outros. Neste episódio conversamos com dois pesquisadores que estudam a relação entre racismo e violência policial: Paulo Cesar Ramos, sociólogo, doutorando da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP; Jacqueline Sinhoretto, também socióloga, professora da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). E das notícias da pandemia veio um debate sobre a eficácia da medição de febre como ferramenta para prevenção da covid-19 em locais públicos. Falamos sobre o assunto com Eliseu Waldmann, da Faculdade de Saúde Pública (FSP) da USP. Apresentação: Silvana Salles Produção: Giovanna Stael e Silvana Salles Edição de som: Guilherme Fiorentini
A quarentena é uma medida necessária para organizar o sistema de saúde e cuidar das pessoas em meio à tarefa de conter o novo coronavírus. No entanto, as medidas de distanciamento social não são livres de efeitos colaterais. Com parques, academias e clubes fechados e tanta gente trancada dentro de casa, o educador físico Bruno Gualano teme que a pandemia de covid-19 leve a outra pandemia: a de sedentarismo. Bruno Gualano é professor da Faculdade de Medicina (FM) da USP e faz parte do Grupo de Pesquisa em Fisiologia Aplicada e Nutrição, junto com pesquisadores da FM, da Escola de Educação Física e Esporte (EEFE) da USP e de outras instituições. O grupo mantém o perfil Ciência InForma no Instagram e um canal no YouTube. Ao Ciência USP, Bruno falou sobre a importância da atividade física para a saúde e como estimular a prática de exercícios de forma democrática. Apresentação: Silvana Salles Produção: Gabriel Guerra Edição de som: Guilherme Fiorentini
Não está descartada a possibilidade de novas quarentenas, ainda que alternadas, mesmo no período após a fase mais crítica da pandemia, que tem sido chamado de o “novo normal”. Pensando no bem-estar em situações assim, nesta edição dos webinars a jornalista Luiza Caires recebe três convidados para falar sobre o tema: Como ficar bem com isso tudo? Saúde física e mental da quarentena ao “novo normal”. Três convidados falaram no evento, com mediação da editora de Ciências do Jornal da USP Luiza Caires. São eles: Saúde mental – O psiquiatra e professor da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP) Guilherme V. Polanczyk explicou as diversas maneiras pelas quais a pandemia atinge a saúde mental e quais as consequências agudas e a longo prazo. Um dos autores do guia Psiquiatria da infância e adolescência, ele também trouxe orientações sobre como cuidar da saúde mental, seja dos adultos, seja das crianças e adolescentes que estão fora da escola presencial. Alimentação equilibrada – A nutricionista e doutora pelo Instituto de Ciências Biomédicas (ICB)da USP Desire Coelho discutiu o comportamento alimentar no isolamento falando de fome emocional, dieta e ganho de peso na quarentena. Desire, que é integrante do canal Ciência InForma e autora do livro A dieta ideal, também deu dicas sobre como como organizar a alimentação em períodos como este. Atividade física – O professor da FMUSP e profissional de educação física Bruno Gualano ressaltou os riscos da inatividade física à saúde geral em curto e longo prazo, os benefícios de se manter fisicamente ativo, e trouxe algumas maneiras de se exercitar durante o isolamento. Também discutiu questões como o uso de academias, prática ao ar livre, prática de atividade física durante a fase sintomática da covid-19 e nossa resposta imune. Gualano, que também integra o blog Ciência InForma e é um dos autores do livro Exercícios Físicos nas Doenças Reumáticas, falou ainda sobre o trabalho do Grupo de Fisiologia Aplicada e Nutrição da USP neste tema. Produção: Luiza Caires e Kleison Paiva Mediação: Luiza Caires Edição de som: Guilherme Fiorentini
Seja no diagnóstico, prognóstico, modelagem epidemiológica ou monitoramento do isolamento, a Inteligência Artificial é uma arma poderosa contra a pandemia, porém requer um debate ético constante. O quanto dados pessoais devem ser protegidos num cenário emergencial? Até que ponto decisões como quem deve ocupar UTI quando faltam vagas podem ser auxiliadas por tecnologia? Tudo isso são escolhas que a sociedade deve fazer em conjunto. Este e outros temas foram discutidos na quarta edição do Webinar Ciência USP: Covid-19: Inteligência Artificial na Medicina, promovido no Canal USP dia 27 de maio, e que você pode ouvir nesta versão podcast. Três convidados falaram no evento, com mediação da editora de Ciências do Jornal da USP Luiza Caires. São eles: Paulo Lotufo é médico e professor titular da Faculdade de Medicina da USP, diretor científico da Associação Paulista de Medicina e ex-superintendente do Hospital Universitário da USP. Realizou pós-doutorado na Universidade de Harvard (EUA), sendo autor de diversos livros de referência em medicina e epidemiologia. Em 2018, figurou na lista de pesquisadores mais influentes do mundo em suas respectivas áreas, em relatório da consultoria Clarivate Analytics. Alexandre Chiavegatto Filho Alexandre Chiavegatto Filho é economista e doutor em Saúde Pública pela USP e professor livre-docente da Faculdade de Saúde Pública (FSP) da USP, onde dirige do Laboratório de Big Data e Análise Preditiva (Labdaps), que tem como objetivo aplicar algoritmos preditivos de Inteligência Artificial a problemas importantes na área da saúde. Foi também professor convidado e pesquisador visitante na Universidade de Harvard (EUA). Marcela Mattiuzzo é advogada especializada em proteção de dados pessoais e sócia da VMCA Advogados nas áreas de antitruste e proteção de dados. Atualmente doutoranda na Faculdade de Direito (FD) da USP, foi assessora e chefe de gabinete da Presidência do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e e pesquisadora visitante na Universidade de Yale (EUA). Produção: Luiza Caires e Kleison Paiva Mediação: Luiza Caires Edição de som: Guilherme Fiorentini
Por causa da covid-19, já faz meses que o assunto mais falado do nosso dia a dia é um vírus. Em meio aos cuidados na prevenção à doença e de tantas notícias sobre o coronavírus, às vezes falta tempo para fazer as perguntas mais básicas sobre o universo desse “vilão” microscópico. Neste episódio da série Ciência USP em Quarentena conversamos com o professor Elliot Kitajima, da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da USP. Ele é agrônomo, trabalha com vírus há mais de 60 anos e contou o que os cientistas sabem sobre as origens e o comportamento dos únicos seres acelulares do nosso planeta. Apresentação e produção: Silvana Salles Edição de som: Guilherme Fiorentini Este episódio contém conteúdos da EBC.
Neste episódio do Webinar Ciência USP ouvimos Leticia Kawano-Dourado, médica pesquisadora e pneumologista no Instituto de Pesquisa do Hospital do Coração (HCor) e na Faculdade de Medicina da USP. Atualmente Letícia também atende em um dos hospitais de campanha montados na capital paulista por conta da pandemia. No tema de Pesquisa Clínica, ela fala sobre a importância dos ensaios clínicos randomizados; o que temos em andamento em termos de tratamento para a covid-19; e perspectivas para vacinas. Também trouxemos como convidado Daniel A. Dourado, médico e advogado sanitarista, professor universitário e pesquisador do Núcleo de Pesquisa em Direito Sanitário da USP. Dentro do tema de Políticas Públicas, ele discutiu a necessidade de isolamento e lockdown, a viabilidade ou não de um “passaporte de imunidade” e outras ações em que o Estado deve se envolver para fazer frente à crise na saúde. Produção: Luiza Caires e Kleison Paiva Mediação: Luiza Caires Edição de som: Guilherme Fiorentini
Nesta edição do Webinar Ciência USP, um bate papo sobre dois temas que se cruzam: epidemiologia e saúde das populações vulneráveis. A jornalista Luiza Caires recebeu o médico intensivista e epidemiologista da USP e do Instituto de Saúde Global de Barcelona (ISGlobal) Otavio Ranzani, e Regina Flauzino, professora do Departamento de Epidemiologia da Universidade Federal Fluminense (UFF) e membro da diretoria da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco). No primeira parte, Otavio falou de algumas características epidemiológicas da covid-19 e perspectivas sobre crescimento e contenção da pandemia no País. O médico, que também trabalha com modelagem epidemiológica, explicou como se constrói um modelo na falta de testes, ressaltando que nenhum modelo consegue prever o futuro com total exatidão. Regina contou como funciona o trabalho de vigilância epidemiológica no Brasil, quais suas deficiências e pontos fortes, destacando também o papel da atenção primária no SUS em um contexto de epidemia. A professora da UFF mostrou como a doença atinge os grupos mais vulneráveis da população, desde as comunidades em São Paulo e Rio até as populações ribeirinhas no norte do País, e indicou algumas soluções possíveis para reduzir este impacto. Produção: Luiza Caires e Kleison Paiva Mediação: Luiza Caires Edição de som: Guilherme Fiorentini
No começo da pandemia de covid-19, muito se especulou sobre como o novo coronavírus se comportaria em climas quentes. Isso porque a epidemia começou em Wuhan, na China, durante o inverno e atingiu com força o norte da Itália na mesma estação. Neste episódio de Ciência USP, conversamos com o médico epidemiologista Expedito Luna, que é professor do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo (IMT) e da Faculdade de Medicina (FM) da USP. Nosso entrevistado contou que muitas previsões iniciais não se verificaram quando a covid-19 chegou ao hemisfério sul e explicou o que podemos esperar com a chegada do frio, que costuma vir acompanhado pela temporada anual de gripe. Apresentação: Silvana Salles Reportagem: Giovanna Stael Edição de som: Guilherme Fiorentini Este episódio contém áudio da Rádio Brasil de Fato
No primeiro Webinar Ciência USP, a jornalista Luiza Caires recebeu os médicos da Faculdade de Medicina (FM) da USP Frederico Fernandes e Silvia Vidal. Eles contaram um pouco dos novos desafios que a doença trouxe para a medicina, tanto do ponto de vista clínico, no atendimento de pacientes, como da saúde pública, incluindo prevenção de contágio e contenção do crescimento dos casos. Frederico Fernandes, pneumologista que está na linha de frente no atendimento de pacientes, descreveu o quadro mais comum de sintomas de covid-19, como a anosmia (perda de olfato), e também sintomas menos típicos que estão sendo relatados, como as erupções cutâneas. Ele explicou quais são os critérios para um paciente ser considerado de maior gravidade e encaminhado para internação e entubação. O médico falou ainda dos problemas que a necessidade de entubação prolongada que tem sido observada, de cerca de 15 dias, traz aos pacientes, e estratégias para diminuir esses danos. Silvia Vidal explicou por que a máscara é uma boa forma de prevenção, mesmo de pano, no caso de proteção da comunidade, reforçando porém que ela não substitui o principal: a lavagem das mãos e o distanciamento social. A infectologista do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da FMUSP esclareceu ainda quais as diferenças entre os testes moleculares (PCR) e de anticorpos, quando eles devem ser feitos, e que peso podem ter na definição de políticas para conter a epidemia. Os médicos falaram também das perspectivas para vacinas e tratamentos para a doença, inclusive medicamentoso, como os anticoagulantes, anti-inflamatórios e antivirais. Apresentação: Silvana Salles Produção: Luiza Caires e Kleison Paiva Mediação: Luiza Caires Edição de som: Guilherme Fiorentini  
Será que é possível desenvolver uma roupa que proteja do coronavírus causador da covid-19? Segundo a professora Silgia Aparecida da Costa, da Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) da USP, essa é a pergunta que todos os pesquisadores da área de têxtil estão correndo para responder. Silgia é professora do curso de Têxtil e Moda da USP Leste e coordena o programa de pós-graduação da mesma área. Junto com a colega Sirlene da Costa, com a equipe do Laboratório de Pesquisa em Têxteis Técnicos e com parceiros peruanos, ela também está na corrida para desenvolver um tecido à prova do novo coronavírus. O objetivo é proteger médicos, enfermeiros e outros trabalhadores da saúde durante a pandemia. Conversamos com Silgia e Sirlene para conhecer os projetos do laboratório e entender como os “tecidos inteligentes” funcionam. Apresentação e produção: Silvana Salles Edição de som: Guilherme Fiorentini
No primeiro episódio da série Ciência USP em Quarentena, conversamos com um engenheiro civil que nunca tinha sequer pensado em máscaras médicas até a covid-19 chegar ao Brasil. Agora, ele coordena uma iniciativa que pretende produzir um milhão de máscaras profissionais e gerar renda para costureiras. As máscaras serão destinadas às equipes dos hospitais da USP. O engenheiro é Vanderley John, professor da Escola Politécnica (Poli) da USP e um dos coordenadores do projeto Respire!. Ele conta como a equipe do Respire! pesquisou qual era o melhor tecido para as máscaras que protegerão os médicos e enfermeiros que estão na linha de frente do combate ao coronavírus. E também dá dicas para quem quer ir para a máquina de costura fazer sua própria máscara caseira. Ciência USP adverte: as máscaras caseiras não substituem a higiene das mãos nem o distanciamento social. Fique em casa. Ficha técnica Apresentação e produção: Silvana Salles Edição de som: Guilherme Fiorentini
Faz 30 anos que os cientistas do Painel Intergovernamental para a Mudança Climática (IPCC) alertam para os riscos da mudança climática. O primeiro relatório do painel saiu em 1990, mas a história começou alguns anos antes e teve a ver com o El Niño de 1983. Neste episódio de Ciência USP, contamos como os cientistas começaram a observar as relações entre o clima e as atividades econômicas. Também aproveitamos para lembrar sobre alguns conceitos importantes para falar sobre mudança climática. Para isso, conversamos com três cientistas: Pedro Dias, do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG) da USP; Lincoln Alves, do Centro de Ciência do Sistema Terrestre do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe); Paulo Artaxo, do Instituto de Física (IF) da USP. E, em tempos de pandemia do coronavírus, uma boa notícia vem do estudo de outro vírus – um que causou muitos problemas no Brasil entre 2015 e 2016. Um estudo da USP conseguiu mostrar que o vírus zika é capaz de combater tumores avançados no sistema nervoso central, em cachorros. Ficha técnica Apresentação: Silvana Salles Produção: Silvana Salles e Matheus Souza Edição de som: Guilherme Fiorentini Este episódio contém áudios de EBC, TV Globo e SBT.
Existem diferentes tipos de violência contra a mulher, desde a sujeição à dependência financeira até o feminicídio. Nem sempre eles são fáceis de identificar. Nesta semana que antecede o Dia Internacional da Mulher, Ciência USP conversou com especialistas que estudam o tema da violência de gênero. E contamos a história de Lara*, uma mulher conseguiu romper com o ciclo da violência. Além de agressões físicas, existem outros tipos de violência – a emocional e psicológica, por exemplo – e que às vezes ficam camufladas por sentimentos de posse ou de ciúmes por parte do agressor. Em 2019, a pesquisa “Visível e Invisível: A vitimização de mulheres no Brasil”, realizada pelo Datafolha a pedido do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, com patrocínio do Fundo de Defesa dos Direitos Difusos e governo federal, mostrou que 21,8% (12,5 milhões) foram vítimas de ofensa verbal, como insulto, humilhação ou xingamento. Também trazemos um bate-papo sobre epidemias, jornalismo e coronavírus. Como está a cobertura da imprensa sobre o covid-19? Quem responde à pergunta é Cláudia Malinverni, que trabalha 20 anos com comunicação em saúde e é doutora em Saúde Pública pela Faculdade de Saúde Pública (FSP) da USP. Ela pesquisa as epidemias midiáticas. Ficha técnica Apresentação: Silvana Salles Produção: Ivanir Ferreira, Tabita Said e Silvana Salles Reportagem: Ivanir Ferreira e Tabita Said Edição de Som: Guilherme Fiorentini
O ano já está acabando e nos pegamos lembrando como foram os últimos 12 meses. Para Ciência USP, foram 12 meses especiais, que encerramos completando um ano de podcast! Comemore conosco escutando essa retrospectiva que recorda alguns momentos importantes e temas preferidos dos nossos seguidores neste ano. Deixamos também uma lista dos episódios citados, para quem quiser ouvir cada um na íntegra: Ciência USP #01: Como o cérebro processa o trauma Ciência USP #02: HTLV, um vírus que os brasileiros deveriam conhecer Ciência USP #04: Quem decide como serão as políticas de uma cidade? Ciência USP #05: A inteligência artificial pode ajudar a entender o cérebro? Ciência USP #10: A volta do sarampo Ciência USP #13: O carboidrato é um vilão ou um injustiçado? Ciência USP #14: Será que a inteligência é exclusiva dos seres humanos? Ciência USP #17: Por que o antissemitismo ainda persiste na sociedade? Ciência USP #19: Sobreviventes do câncer de mama remam por reabilitação e vida plena Ciência USP #20: O que dizem mães e cientistas sobre a maconha medicinal? Ciência USP #22: Procurando dinossauros no interior do Brasil Ciência USP #23: A culpa não é da capivara Boas festas e até 2020! Ficha técnica Apresentação: Silvana Salles Edição de som: Guilherme Fiorentini
Não é incomum que uma decisão ou solução de um problema acabe gerando um novo problema que ninguém havia imaginado. No estado de São Paulo, mudanças nas atividades produtivas e processos de urbanização acabaram por envolver no meio de um desses novos problemas um dos bichos mais simpáticos da América do Sul: a capivara. As capivaras são roedores. Vivem em grupos, na beira de rios, lagos e represas. São animais herbívoros que dependem da vegetação disponível para se alimentarem e acabaram se adaptando muito bem em paisagens modificadas pelos seres humanos. O problema é que, em São Paulo, algumas dessas áreas passaram a registrar cada vez mais casos de febre maculosa, uma doença associada a um carrapato que costuma parasitar as capivaras. Ciência USP conversou com Marcelo Bahia Labruna, professor da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ) da USP que vem estudando a relação entre capivaras, carrapatos e febre maculosa. Ele contou alguns resultados interessantes de seu atual projeto de pesquisa. Para melhor contextualizar essa história, conversamos também com o Leandro Gilio, do Centro de Agronegócio Global do Insper em São Paulo. Ele falou sobre as mudanças pelas quais o agronegócio paulista passou a partir da década de 1990 – mudanças que afetaram profundamente o mundo das capivaras. Também neste episódio: um mapa que procura mostrar surtos de doenças que poderiam ser evitados se todo mundo tivesse acesso e aderisse às vacinas. Ficha técnica Apresentação e produção: Silvana Salles Edição de som: Guilherme Fiorentini Agradecimentos à Capivara Brass Band (Instagram | Facebook | YouTube)
Você sabe como é o trabalho dos paleontólogos? Ciência USP viajou ao sul do Mato Grosso para acompanhar uma pesquisa desses caçadores de dinossauros. Os pesquisadores do Laboratório de Paleontologia da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP) da USP foram até a região para investigar relatos de possíveis pegadas de um animal pré-histórico. Mas os resultados passaram bem longe da hipótese inicial. E mais: batemos um papo sobre divulgação científica aqui no estúdio com o historiador Icles Rodrigues. Ele é doutorando na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e lidera o canal Leitura ObrigaHistória no YouTube, além do podcast História FM. Ficha técnica Apresentação: Silvana Salles Produção: Silvana Salles, Luiza Caires e Tabita Said Edição: Guilherme Fiorentini
O cientista russo Denis Rebrikov causou um belo rebuliço na comunidade científica depois que revelou seu controverso plano para usar CRISPR em embriões humanos. CRISPR é uma ferramenta de edição genética que, em poucos anos, se espalhou por todos os laboratórios onde há pesquisadores trabalhando com informações dos genes. Neste episódio, conversamos com um destes pesquisadores: Nicolas Hoch usa CRISPR para estudar reparo de DNA em células de pessoas com doenças genéticas raras. Ele é professor do Instituto de Química (IQ) da USP e explicou como um mecanismo originalmente descoberto nas bactérias hoje ajuda os cientistas a identificar as funções dos genes. Também neste episódio… Você já conheceu os projetos de algumas equipes brasileiras no Ciência USP #15. Agora, temos os resultados da competição! Cinco equipes brasileiras são medalhistas no iGEM 2019, competição de biologia sintética que reúne estudantes de diversas partes do mundo. E a Crisley Santana, da editoria de Universidade do Jornal da USP, conta como é possível ajudar a ciência mesmo após a morte. Ficha técnica Apresentação: Silvana Salles Produção: Ivanir Ferreira Edição de som: Guilherme Fiorentini Apoio: equipe audiovisual do Jornal da USP
A regulamentação da maconha medicinal tem sido tema de forte debate em Brasília. Enquanto a diretoria da Anvisa não decide como regulamentar um uso que já é feito por meio de autorizações judiciais, Ciência USP conversou com mães e cientistas para entender quais são os efeitos medicinais das plantas do gênero Cannabis e o que está em jogo na disputa pelas novas regras. Neste episódio, o médico Antônio Zuardi, professor da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP, explica qual é o atual estado das pesquisas com os canabinoides – as substâncias da maconha que se ligam aos receptores do nosso sistema endocanabinoide. Zuardi lidera os esforços de construção do novo Centro de Pesquisas em Canabinoides, uma parceria da USP com uma empresa farmacêutica nacional. Contamos as histórias de duas mães que buscaram nos canabinoides ajuda para tratar os filhos. As duas crianças foram diagnosticadas com Síndrome de Dravet, um tipo severo de epilepsia, mas responderam de formas muito diferentes aos produtos de Cannabis. Conversamos, ainda, com os professores Erik Amazonas, da UFSC, e Luís Fernando Tófoli, da Unicamp. Também neste episódio… Pesquisadores do Instituto de Biociências (IB) da USP desenvolveram uma técnica inovadora, que combina células-tronco e impressão em 3D para produzir tecidos hepáticos humanos para serem usados em transplantes. E o caso do primeiro paciente tratado com células CAR T na América Latina. Ele chegou ao Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto com um câncer terminal e saiu de lá pouco depois de um mês com remissão total da doença. Ficha técnica Apresentação: Silvana Salles Produção: Ivanir Ferreira, Rose Talamone, Maju Petroni, Silvana Salles e Luiza Caires Edição de som: Guilherme Fiorentini e Tabita Said Apoio: equipe audiovisual do Jornal da USP
Na Raia Olímpica da USP, localizada na zona oeste de São Paulo, um grupo de mulheres rema todas as semanas em um barco chinês no ritmo de um bumbo que leva na proa uma carranca de um dragão. Elas são sobreviventes do câncer de mama, doença que afeta milhares de mulheres todos os anos – só em 2018, foram diagnosticados cerca de 59 mil novos casos no Brasil. Para marcar o Outubro Rosa, o Ciência USP conversou com a médica fisiatra Christina May Moran de Brito, coordenadora do Serviço de Reabilitação do Hospital Sírio-Libanês e do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp), que trouxe ao Brasil o Remama, um programa de reabilitação de pacientes que passaram pelo tratamento quimioterápico e cirúrgico e têm no remo uma ferramenta de fortalecimento muscular, de combate à reincidência da doença e diminuição de linfedema (inchaços nos braços). As remadoras que participam do Remama ajudam a desconstruir o mito de que pacientes após o tratamento não poderiam fazer grandes esforços físicos, nem carregar peso do lado em que sofreram a mastectomia parcial ou total para a retirada do câncer. Remar faz bem à saúde física e eleva a autoestima das mulheres sobreviventes de câncer de mama. Também neste episódio… Talvez você já tenha ouvido falar em placebo. E o “placebo honesto”, você conhece? Um pesquisador da Faculdade de Medicina da USP mediu o efeito dessa modalidade de intervenção sem princípio ativo no desempenho esportivo de mulheres ciclistas. E os resultados são surpreendentes. Ficha técnica Apresentação: Silvana Salles Produção: Ivanir Ferreira, Alan Petrillo, Luiza Caires e Silvana Salles Edição: Tabita Said, Thales Figueiredo, Beatriz Juska e Guilherme Fiorentini
Onze anos atrás, uma grave crise financeira se espalhou dos Estados Unidos para o mundo. Desde então, os economistas procuram meios de prever quando algo semelhante pode acontecer novamente. Um destes economistas é o norte-americano Robert Engle, ganhador do prêmio Nobel de economia em 2003. Recentemente, ele publicou com um colega de Singapura um artigo no qual descreve um modelo para estimar a probabilidade de crise financeira em diversos países. Convidamos o professor Márcio Nakane, da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) da USP para comentar o estudo. E também neste episódio… Uma pesquisa publicada na revista especializada PLOS Tropical Neglected Disease descobriu que uma droga utilizada no tratamento do mal de Alzheimer também pode tratar doença de Chagas. O estudo, ainda na fase experimental, foi feito com camundongos e foi liderado pelo professor Ariel Silber, do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da USP. Também trazemos um relato do Ignacio Amigo, da Climate Tracker, sobre a Semana do Clima em Nova York. Ele viajou aos Estados Unidos para acompanhar a Cúpula do Clima da ONU e as outras atividades da semana. Ficha técnica Apresentação: Silvana Salles Produção: Ivanir Ferreira e Silvana Salles Edição: Tabita Said, Thales Figueiredo e Beatriz Juska
loading
Comments (18)

Brendo Marinho

#PodcastDaNoite

May 19th
Reply

Brendo Marinho

O #PodcastDoDia é sobre a busca por tecidos que combatam infeções e doenças ;)

Apr 30th
Reply

Túllio Franca

Parabéns pelo trabalho

Apr 20th
Reply

Antonio Augusto Cunha

luga

Feb 11th
Reply

Rafael Simões

Que episódio lindo! Adorei a ideia desse formato de diário de campo, ficou muito massa!

Nov 27th
Reply

Welma Reis

Não canso de comentar o quanto esse podcast é maravilhoso! Sobre a discussão penso que o método deveria ser usado apenas para melhorar a genética de forma a isolar doenças. De forma nenhuma para escolher cor dos olhos, altura, etc. #CiênciaUSP

Nov 7th
Reply (1)

bia sza

Legal esse ep, bem resumido.

Aug 13th
Reply

Bruno F. Vascontim

Adorei esse episódio, um dos mais legais que já ouvi! Deve ser pq o assunto de inteligência em animais muito me interessa hahaha ficou maravilhoso

Aug 1st
Reply

otávio Gonçalves dos Santos

Edição linda!

Jun 5th
Reply

Ignacio Amigo

Muito bom, parabéns pelo episódio!

May 30th
Reply

Paulo Wagner

Ótimo

May 8th
Reply

Bruno Ramos

Caramba. Vcs são excelentes. Eu jamais saberia do HTLV.

Apr 13th
Reply

Eric

maravilhoso

Mar 3rd
Reply

Rafael Simões

achei bem interessante! Continuem divulgando ciencia <3

Dec 20th
Reply

João Carlos Matos Druczkoski

Gostei muito do formato, curto e direto mas dando a possibilidade do ouvinte se aprofundar nos assuntos caso queira. Parabéns

Dec 14th
Reply

Larissa Avelino

adorei o formato do podcast, continuem que tá muito legal!

Dec 14th
Reply

Ignacio Amigo

Muito bom!

Dec 12th
Reply
Download from Google Play
Download from App Store