DescobrirBrasil Latino - USP
Brasil Latino - USP

Brasil Latino - USP

Autor: Jornal da USP

Inscrito: 39Reproduzido: 250
compartilhar

Descrição

O programa Brasil Latino traz um panorama da América Latina a partir da produção acadêmica da Universidade de São Paulo e da visão de personalidades da sociedade brasileira. As entrevistas abordam temas da atualidade e da história do continente nas diferentes áreas do conhecimento, sempre com a participação de professores, pesquisadores e especialistas.
37 Episodes
Reverse
Quando Carolina Andrade e Giulia Faria se encontraram nos corredores da Escola de Comunicações e Artes da USP, em 2015, a identificação foi imediata. O que unia as duas estudantes de Música era a América Latina. Elas decidiram criar o projeto Volver a Latinoamerica, que resgata a melhor tradição musical do continente com compositores que marcaram época e fizeram história. É o caso de Silvio Rodriguez que, ao lado de Pablo Milanez, criou a nova trova cubana, uma vertente musical inovadora com base no marcante ritmo caribenho. Da Argentina, a dupla brasileira foi buscar Maria Elena Walsh, musicista e educadora, além da cantora Mercedes Sosa, conhecida como “La Negra” e possivelmente uma das intérpretes mais famosas do continente. Violeta Parra e Victor Jara são os dois chilenos que mais estão presentes no repertório do projeto Volver a Latinoamerica. A música de Violeta, mais nativa e fortemente ligada às tradições folclóricas do país, é também a voz que reverbera a rebeldia e o amor. Já Victor Jara, assassinado brutalmente pela ditadura de Augusto Pinochet (o artista teve suas mãos cortadas ainda vivo), eleva a canção latino-americana ao nível de uma emoção universal. Esse retrato musical latino-americano é o tema desta edição do Brasil Latino. Brasil Latino O Brasil Latino vai ao ar toda segunda-feira, às 17h, pela Rádio USP FM 93,7Mhz (São Paulo) e Rádio USP FM 107,9 (Ribeirão Preto). As edições do programa estão disponibilizadas em @brlatino, nos podcasts do Jornal da USP (jornal.usp.br) e nos agregadores de áudio como Spotify, iTunes e Deezer. . 
No próximo dia 3 de novembro, a América Latina poderá ingressar em uma nova etapa caso o candidato democrata Joe Biden vença as eleições estadunidenses contra o atual presidente Donald Trump. As pesquisas indicam essa tendência. Mas o que de fato poderá mudar? E se houver uma reviravolta e Trump vencer? São questões abordadas nesta edição do Brasil Latino de 5 de outubro que teve a participação de Lucas Leite, professor de Relações Internacionais da Fundação Armando Álvares Penteado (Faap) e idealizador do canal do YouTube Em dupla com consulta. Para Lucas Leite, o processo eleitoral está fortemente marcado por uma conjuntura mundial totalmente nova com a pandemia da covid-19, que, inclusive, afetou o próprio presidente Trump. O comportamento dos eleitores em Estados decisivos como Ohio, Pensilvânia e Flórida podem determinar o vencedor. Leite acredita que o panorama atual favorece Biden, especialmente na economia, onde Trump começou bem o ano, mas agora não tem mais esse trunfo na mão. Outro fator que favorece o candidato democrata é a sua vice, a senadora pela Califórnia, Kamala Harris. Identificada com as questões raciais, sua presença na chapa soma votos na comunidade negra, fortemente mobilizada nos últimos meses após o assassinato de George Floyd por um policial branco. Brasil Latino O Brasil Latino vai ao ar toda segunda-feira, às 17h, pela Rádio USP FM 93,7Mhz (São Paulo) e Rádio USP FM 107,9 (Ribeirão Preto). As edições do programa estão disponibilizadas em @brlatino, nos podcasts do Jornal da USP (jornal.usp.br) e nos agregadores de áudio como Spotify, iTunes e Deezer. . 
Muito tem se falado em guerra híbrida ou guerra cultural. Mas até que ponto esse conflito existe? Qual é a sua dimensão? Quem são os seus soldados? Quais são as bandeiras que defendem? São essas questões que o professor de Antropologia da Universidade Federal de São Carlos, Piero Leirner, quer responder no livro O Brasil no espectro de uma guerra híbrida: militares, operações psicológicas e política em uma perspectiva etnográfica, lançado recentemente pela Alameda Editorial. Ele é o entrevistado desta edição do Brasil Latino. Com doutorado em Antropologia pela USP, Leirner pesquisa temas como a presença dos militares na política, novas modalidades de guerra e o Estado numa perspectiva etnográfica. Ele também é autor do livro Meia-volta, volver: um estudo antropológico sobre a hierarquia militar (FGV, 1997). Brasil Latino O Brasil Latino vai ao ar toda segunda-feira, às 17h, pela Rádio USP FM 93,7Mhz (São Paulo) e Rádio USP FM 107,9 (Ribeirão Preto). As edições do programa estão disponibilizadas em @brlatino, nos podcasts do Jornal da USP (jornal.usp.br) e nos agregadores de áudio como Spotify, iTunes e Deezer. . 
A proximidade das eleições presidenciais norte-americanas está provocando um interesse cada vez maior em vários países, especialmente no Brasil, onde Jair Bolsonaro aposta todas as suas fichas numa aliança com Donald Trump. Se Trump perder, Bolsonaro perde. Isso porque a opção brasileira não é com uma política de Estado, mas com uma política de governo, portanto transitória. Quem faz o alerta é a coordenadora do curso de Relações Internacionais da Fundação Armando Alvares Penteado (Faap), Fernanda Magnotta. Ela é especialista em política dos Estados Unidos e tem acompanhado os últimos processos eleitorais. Também é autora do livro As ideias importam: o excepcionalismo norte-americano no alvorecer da superpotência. Fernanda é a entrevistada desta edição do Brasil Latino. Para ela, no quadro atual, o candidato democrata Joe Biden leva vantagem porque está passando uma mensagem de centro que busca atrair os eleitores desiludidos com Trump. A indicação da senadora da Califórnia, Kamala Harris, como vice na chapa de Biden mirou o eleitorado mais progressista, que nas prévias se inclinava por Bernie Sanders. Mas nada está definido. A votação pelo correio é um tema em disputa e a própria presença do eleitor no dia da votação é uma incógnita, já que o voto nos Estados Unidos não é obrigatório. Brasil Latino O Brasil Latino vai ao ar toda segunda-feira, às 17h, pela Rádio USP FM 93,7Mhz (São Paulo) e Rádio USP FM 107,9 (Ribeirão Preto). As edições do programa estão disponibilizadas em @brlatino, nos podcasts do Jornal da USP (jornal.usp.br) e nos agregadores de áudio como Spotify, iTunes e Deezer. . 
A gestão pública tem sido alvo de várias críticas por não garantir a efetividade das políticas nas diferentes áreas da sociedade como educação, saúde, segurança pública e assistência social. O cenário não é somente brasileiro, mas atinge muitos países latino-americanos. Para tratar do tema, esta edição do Brasil Latino conversa com os professores Wagner Tadeu Iglesias e Agnaldo Valentin, ambos do curso de Gestão de Políticas Públicas da Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) da USP. Para os pesquisadores, as críticas são, em sua maioria, injustas, baseadas no senso comum difundido pela mídia que atribui aos governos todos os males existentes na sociedade, desconsiderando o contexto histórico no qual o Estado está inserido e para quais forças ele trabalha. Essas críticas desconhecem os mecanismos de funcionamento do Estado e de suas instâncias de governo, o que provoca desinformação e, em alguma medida, desalento social – daí a importância de cursos como o de Gestão de Políticas Públicas da EACH. Brasil Latino O Brasil Latino vai ao ar toda segunda-feira, às 17h, pela Rádio USP FM 93,7Mhz (São Paulo) e Rádio USP FM 107,9 (Ribeirão Preto). As edições do programa estão disponibilizadas em @brlatino, nos podcasts do Jornal da USP (jornal.usp.br) e nos agregadores de áudio como Spotify, iTunes e Deezer. . 
Desde a renúncia do presidente Evo Morales, em novembro do ano passado, a Bolívia vive uma tensão política permanente. O governo provisório de Jeanine Áñez não parece disposto a cumprir o que prometeu: eleições livres. Uma série de ações repressivas e processos ilegais contra os seguidores de Morales compromete a realização de um pleito democrático, finalmente marcado para 18 de outubro deste ano, após intensa pressão popular. A educadora popular Maria Dolores Arce, que dirigiu a Rede de Rádios dos Povos Originários, analisa em entrevista exclusiva ao Brasil Latino o cenário de retrocesso que acontece no país andino. Após a queda de Evo Morales, forças ultradireitistas assumiram o controle de praticamente todas as instâncias de poder. Judiciário e executivo, aliados a setores conservadores da Igreja e da mídia, desenvolvem uma campanha de descrédito das lideranças indígenas e populares. O candidato Luis Arce, do Movimento ao Socialismo (MAS), partido de Morales, lidera as intenções de voto, mas existem sérias dúvidas se a justiça eleitoral boliviana não cassará seu registro. Brasil Latino O Brasil Latino vai ao ar toda segunda-feira, às 17h, pela Rádio USP FM 93,7Mhz (São Paulo) e Rádio USP FM 107,9 (Ribeirão Preto). As edições do programa estão disponibilizadas em @brlatino, nos podcasts do Jornal da USP (jornal.usp.br) e nos agregadores de áudio como Spotify, iTunes e Deezer. . 
Os imigrantes brasileiros estão apreensivos com o resultado das eleições presidenciais de novembro nos Estados Unidos. A política de Donald Trump tem sido cada vez mais restritiva e já resultou na deportação de centenas de brasileiros. Em Boston, Natalícia Tracy, a entrevistada do Brasil Latino desta edição, dirige o Centro do Trabalhador Brasileiro, que oferece assistência, orientação e acolhimento aos imigrantes. Ela é atualmente professora de Sociologia e Estudos Laborais na Universidade de Massachusetts. Com uma forte atuação junto à maior central norte-americana de trabalhadores, a AFL-CIO, Natalícia Tracy é personagem de uma invejável trajetória. Ela chegou aos Estados Unidos com 17 anos para trabalhar como babá de uma família brasileira. Dois anos depois, a família voltou ao Brasil e Natalícia ficou sozinha na condição de “indocumentada”, como são conhecidos os imigrantes sem visto de permanência. Disposta a enfrentar o risco de viver ilegalmente e praticamente sem falar o idioma local, ela foi trabalhar como cuidadora de idosos. Nesse período, conseguiu apoio para estudar inglês e completar os estudos universitários chegando a obter PhD, o que lhe deu a condição de se tornar professora na Universidade de Massachusetts. Brasil Latino O Brasil Latino vai ao ar toda segunda-feira, às 17h, pela Rádio USP FM 93,7Mhz (São Paulo) e Rádio USP FM 107,9 (Ribeirão Preto). As edições do programa estão disponibilizadas em @brlatino, nos podcasts do Jornal da USP (jornal.usp.br) e nos agregadores de áudio como Spotify, iTunes e Deezer. . 
A crescente presença evangélica no Brasil e na América Latina está provocando inquietações que extrapolam a mera questão religiosa. Cada vez mais, essa vertente moderna do protestantismo histórico, conhecida como neopentecostal, adquire importância junto a uma população cujo cotidiano é marcado pela falta de esperança. Sem uma vida digna e com o aprofundamento das desigualdades sociais, a periferia das grandes cidades busca um conforto espiritual. Nesta edição do Brasil Latino, falamos com o jornalista e escritor Ricardo Alexandre, autor do livro A verdade os libertará, que traça um panorama crítico da atuação das igrejas neopentecostais em direção a um projeto de poder. Filiado à Igreja Batista, Ricardo Alexandre conhece como poucos os mecanismos de funcionamento das instituições religiosas e como elas conectam suas ações de forma horizontal, a ponto de alcançar os lugares mais distantes e periféricos. Essa massa de evangélicos, estimada em 50 milhões de pessoas no Brasil, é capaz de influenciar resultados eleitorais e colocar em xeque a política e a até então poderosa Igreja Católica. Brasil Latino O Brasil Latino vai ao ar toda segunda-feira, às 17h, pela Rádio USP FM 93,7Mhz (São Paulo) e Rádio USP FM 107,9 (Ribeirão Preto). As edições do programa estão disponibilizadas em @brlatino, nos podcasts do Jornal da USP (jornal.usp.br) e nos agregadores de áudio como Spotify, iTunes e Deezer. . 
Os estudos e a pesquisa sobre o continente latino-americano tem lugar especial na Fundação Memorial da América Latina, que completou 31 anos de existência. Nesse espaço público, idealizado pelo arquiteto Oscar Niemeyer, funciona o Centro Brasileiro de Estudos da América Latina (CBEAL). Concebido pelo antropólogo Darcy Ribeiro, o CBEAL tem como objetivo promover a integração cultural, política, econômica e social da América Latina. Por meio de acordos de cooperação e convênios com instituições de pesquisa e universidades brasileiras e estrangeiras, entre elas a USP, são viabilizados trabalhos de pesquisa e estudos sobre temas latino-americanos. Um dos principais programas do centro é a Cátedra Memorial da América Latina, reconhecida pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). No âmbito da USP, a parceria é com o Programa de Pós-Graduação em Integração da América Latina, o Prolam. O Centro Brasileiro de Estudos da América Latina também é responsável pela Biblioteca Latino-Americana Victor Civita, com um acervo de aproximadamente 42 mil volumes, sendo 9,8 mil obras raras e especiais, das quais 37 estão registradas na Biblioteca Nacional. O acervo abrange o campo das ciências sociais, economia, história, cultura popular, artes e literatura latino-americanas. Para falar sobre as várias atividades do centro, o Brasil Latino desta semana recebe Luciana Latarini Ginezi, diretora da instituição. Brasil Latino O Brasil Latino vai ao ar toda segunda-feira, às 17h, pela Rádio USP FM 93,7Mhz (São Paulo) e Rádio USP FM 107,9 (Ribeirão Preto). As edições do programa estão disponibilizadas em @brlatino, nos podcasts do Jornal da USP (jornal.usp.br) e nos agregadores de áudio como Spotify, iTunes e Deezer. . 
Esta edição do Brasil Latino traz uma entrevista com a economista Ana Paula Iacovino. Ela tem doutorado no Programa de Pós-Graduação Integração da América Latina (Prolam) da USP e é especialista em Economia Social e Desenvolvimento pela PUC-SP. Professora de instituições universitárias, Ana Paula escreveu, entre outros livros, O café na América Latina e O pequeno produtor de café no Brasil e na Colômbia: necessidade do mercado ou necessidade social? Na entrevista, ela fala das origens do café no Brasil e em outros países latino-americanos e como essa atividade agrícola ganhou importância econômica a ponto de ser chamado de “ouro negro” em determinadas épocas da história. Em nosso país o café entrou pela região Norte, vindo das Guianas. Depois, foi se expandindo até encontrar um grande potencial de crescimento no Sudeste. O café brasileiro ganhou mais recentemente um grande competidor no mercado internacional, a Colômbia, cuja expansão se deveu principalmente à oferta de uma alternativa aos agricultores locais que viviam da plantação da folha de coca. O café também tem um aspecto cultural importante na medida em que serve como elemento de socialização e confraternização entre as pessoas. Convidar para um café é sinal de proximidade e amizade. Brasil Latino O Brasil Latino vai ao ar toda segunda-feira, às 17h, pela Rádio USP FM 93,7Mhz (São Paulo) e Rádio USP FM 107,9 (Ribeirão Preto). As edições do programa estão disponibilizadas em @brlatino, nos podcasts do Jornal da USP (jornal.usp.br) e nos agregadores de áudio como Spotify, iTunes e Deezer. . 
Muitos países da América Latina e do Caribe sofreram intervenções militares de nações europeias e, principalmente, dos Estados Unidos. Desde a Independência, são vários os casos de desembarque de tropas militares estrangeiras sob o pretexto de proteger seus cidadãos ou mesmo o de afastar governos supostamente autoritários e corruptos. Tudo em nome da democracia. Afinal, o que diz o direito internacional em relação a esse tipo de atuação das potências? Já no século 19, os Estados Unidos desenvolveram a Doutrina Monroe para justificar sua presença em territórios independentes e, assim, defender seus interesses econômicos. No século 20, esse modelo foi reinterpretado com a Guerra Fria, transformando o poderio militar e econômico em armas contra governos desobedientes aos mandamentos de Washington. Com isso, golpes de Estado foram intensamente promovidos no continente, resultando em ditaduras militares extremamente violentas. Já no século 21, a justificativa das potências para invadir ou promover desestabilizações de governos hostis é amparada em “crises humanitárias” e a defesa dos direitos humanos. Venezuela e Cuba são exemplos desse novo modelo de atuação imperialista. Para debater essa trajetória de intervenções, golpes e desestabilizações políticas na América Latina e o papel dos organismos multilaterais como a Organização dos Estados Americanos (OEA), o Brasil Latino entrevista a jurista Fábia Veçoso. Com mestrado e doutorado na Faculdade de Direito da USP, ela faz atualmente pós-doutorado em Direito Internacional na Universidade de Melbourne, na Austrália. Brasil Latino O Brasil Latino vai ao ar toda segunda-feira, às 17h, pela Rádio USP FM 93,7Mhz (São Paulo) e Rádio USP FM 107,9 (Ribeirão Preto). As edições do programa estão disponibilizadas em @brlatino, nos podcasts do Jornal da USP (jornal.usp.br) e nos agregadores de áudio como Spotify, iTunes e Deezer. . 
Com medidas duras e rápidas no enfrentamento da pandemia, o presidente argentino Alberto Fernández superou a polarização das últimas eleições e saltou um bom número de casas rumo à popularidade. Seus índices de aceitação cresceram com o baixo número de óbitos e a demonstração de empatia com o sofrimento das pessoas infectadas. Com um discurso direto, ele ofuscou até mesmo a sua principal sombra: a aliada e vice-presidente Cristina Kirchner. Apesar do bom momento, Fernández terá um grande desafio pela frente. Após a fase mais aguda da crise sanitária, ele terá que voltar suas ações para combater outra doença grave e crônica da Argentina: a economia. O quadro econômico já vinha cambaleando no final do governo de Mauricio Macri, cujas medidas liberalizantes paralisaram ainda mais os investimentos e a oferta de empregos. A dívida externa ultrapassa em muito a capacidade de pagamento, o que está levando o governo a promover sucessivas renegociações com os credores internacionais. As reservas cambiais já estão comprometidas com dívidas futuras. Para debater esse quadro, esta edição do Brasil Latino reuniu Matheus Oliveira, que desenvolve pesquisa sobre política externa argentina no programa San Tiago Dantas da Unesp, e Federico Servideo, empresário e presidente da Câmara de Comércio Argentina-Brasil de São Paulo. Brasil Latino O Brasil Latino vai ao ar toda segunda-feira, às 17h, pela Rádio USP FM 93,7Mhz (São Paulo) e Rádio USP FM 107,9 (Ribeirão Preto). As edições do programa estão disponibilizadas em @brlatino, nos podcasts do Jornal da USP (jornal.usp.br) e nos agregadores de áudio como Spotify, iTunes e Deezer. . 
Até que ponto a democracia no Brasil está realmente ameaçada? Será que a presença de quase 3 mil militares em cargos do governo federal constitui um novo tipo de tutela sobre a sociedade civil? A atuação das polícias militares em alguns Estados mostra que essa força de segurança está fora de controle? Por que o governo decidiu se aliar automaticamente aos Estados Unidos abandonando o multilateralismo da tradicional diplomacia brasileira? Essas questões são debatidas nesta edição do Brasil Latino com Francisco Carlos Teixeira, que é professor de História Contemporânea da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e fez pós-doutorado na USP. Ele explica que, embora não possam ser consideradas como uma única coisa, as Forças Armadas não fizeram a transição da ditadura para ao regime democrático e muitos de seus atuais comandantes seguem pensando que existe um inimigo interno a ser combatido. Segundo Teixeira, as polícias militares, juntamente com o Corpo de Bombeiros, as tropas penitenciárias e as empresas de segurança, formam um contingente mais propenso a ações de subversão da ordem democrática porque são menos disciplinadas e enxergam a política como a raiz de todos os problemas nacionais. O mesmo fenômeno ocorreu, por exemplo, na Bolívia, quando as forças policiais desobedeceram seus comandos e exigiram a destituição do presidente Evo Morales. Brasil Latino O Brasil Latino vai ao ar toda segunda-feira, às 17h, pela Rádio USP FM 93,7Mhz (São Paulo) e Rádio USP FM 107,9 (Ribeirão Preto). As edições do programa estão disponibilizadas em @brlatino, nos podcasts do Jornal da USP (jornal.usp.br) e nos agregadores de áudio como Spotify, iTunes e Deezer. . 
Na Universidade de Alcalá de Henares, uma das mais antigas de Madri, funciona o Instituto de Investigação em Estudos Latino-Americanos, dirigido por Pedro Pérez Herrero, entrevistado do Brasil Latino desta edição. Ele coordena o programa América Latina e União Europeia: Uma Cooperação Estratégica e é especialista em história latino-americana, tendo sido condecorado com a Orden del Águila Azteca, um dos mais importantes reconhecimentos concedidos pelo México. O professor não esconde sua preocupação com o cenário pós-covid-19 na Europa. O agravamento da situação econômica pode, segundo ele, incentivar o surgimento de nacionalismos extremos e desestabilizar a institucionalidade política. A Espanha é um exemplo vivo das contradições regionais que a todo momento correm o risco de reacender conflitos. “A Europa é constituída de muitas regiões e algumas delas superam a ideia do Estado-nação, o que permite considerar que esse debate precisa ser feito com muita habilidade e urgência”, afirma. Em relação ao acordo comercial entre o Mercosul e a União Europeia, Pedro Pérez Herrero vê a necessidade de acelerar esse processo porque o mundo será outro no final da pandemia e as cooperações entre os diferentes blocos regionais se tornarão inevitáveis. “Por isso, os estudos sobre a América Latina ganham maior importância no ambiente acadêmico europeu e a participação da USP, que faz parte da Rede Global de Universidades, é fundamental nesse contexto”, diz o professor. Brasil Latino O Brasil Latino vai ao ar toda segunda-feira, às 17h, pela Rádio USP FM 93,7Mhz (São Paulo) e Rádio USP FM 107,9 (Ribeirão Preto). As edições do programa estão disponibilizadas em @brlatino, nos podcasts do Jornal da USP (jornal.usp.br) e nos agregadores de áudio como Spotify, iTunes e Deezer. . 
A América Latina tem sofrido o impacto da covid-19. Na economia, as projeções dos organismos internacionais indicam uma queda de pelo menos 10% do PIB, o que agrava as condições de vida no continente mais pobre do planeta, segundo a Comissão Econômica para a América Latina (Cepal). Nem todos os países estão preparados para enfrentar a doença e suas consequências. Na luta contra a pandemia, a ciência tem provado ser a única arma eficaz. Destacam-se, neste contexto, as pesquisas feitas por universidades em vários países – no Brasil, entre elas, a USP. Nesta edição do Brasil Latino, o professor Marco Antonio Stephano, da Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF) da USP, fala sobre a pesquisa para desenvolver uma vacina em spray nasal, atualmente em fase de testes com camundongos. Brasil Latino O Brasil Latino vai ao ar toda segunda-feira, às 17h, pela Rádio USP FM 93,7Mhz (São Paulo) e Rádio USP FM 107,9 (Ribeirão Preto). As edições do programa estão disponibilizadas em @brlatino, nos podcasts do Jornal da USP (jornal.usp.br) e nos agregadores de áudio como Spotify, iTunes e Deezer. . 
Em meio à pandemia do novo coronavírus, as disputas políticas se acentuam, e o papel do Estado se torna foco de debate. De um lado, os neoliberais minimizam o papel das instituições públicas em nome do livre mercado – para eles, o principal protagonista dos avanços econômicos. De outro, estão os defensores de um Estado mais atuante, promotor de desenvolvimento, especialmente em setores onde a iniciativa privada não demonstra interesse inicial de investimento. O fato é que nessa disputa também é colocado em xeque o papel da universidade pública e gratuita. Reitor da Universidade Federal da Bahia e presidente da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais (Andif), João Carlos Salles defende a importância do ensino superior público como motor de desenvolvimento e inclusão social do País. Ele garante que 70% dos alunos das instituições de ensino federais são de famílias de baixa renda. “Ao contrário do que alguns afirmam para justificar cobrança de mensalidade, a universidade pública não é para os ricos. Esses representam, quando muito, 10% do total de estudantes. Nos últimos anos, estamos incluindo cada vez mais jovens de famílias humildes”, afirma. Salles também faz uma comparação do perfil dos estudantes brasileiros com o de outros países latino-americanos. Segundo ele, historicamente o investimento em educação faz a diferença. “Quando dou palestras em países do nosso continente, vejo que estou diante de alunos de graduação que, aqui no Brasil, teriam nível de pós-graduação.” Daí a necessidade de um forte investimento, duradouro e estável, do ensino fundamental à educação superior. Brasil Latino O Brasil Latino vai ao ar toda segunda-feira, às 17h, pela Rádio USP FM 93,7Mhz (São Paulo) e Rádio USP FM 107,9 (Ribeirão Preto). As edições do programa estão disponibilizadas em @brlatino, nos podcasts do Jornal da USP (jornal.usp.br) e nos agregadores de áudio como Spotify, iTunes e Deezer. . 
A relação entre a política e o futebol é uma marca da história desde que o chamado “esporte bretão” colocou literalmente os pés nos países latino-americanos. No Brasil, a conhecida “cartolagem” trafega com desenvoltura pelos bastidores do poder, quaisquer que sejam os governos. Fazem dos clubes um patrimônio privado. Mas e os torcedores? O que dizer daqueles que são capazes de verter lágrimas, se desesperar por uma derrota do seu time, rasgar seus corações? Parece que os recentes protestos em várias capitais brasileiras e também em outros países apontam que os torcedores também são cidadãos e querem participar da política. Esse foi o tema desta edição do Brasil Latino. Para falar sobre o assunto, convidamos o publicitário e fundador da Gaviões da Fiel, Chico Malfitani. Também nesta edição, a atriz e mestranda do Programa de Pós-graduação em Integração da América Latina (Prolam) da USP, Michelle Ferreira, fala de seu trabalho de leitura de poesias do escritor uruguaio Eduardo Galeano durante a quarentena. Brasil Latino O Brasil Latino vai ao ar toda segunda-feira, às 17h, pela Rádio USP FM 93,7Mhz (São Paulo) e Rádio USP FM 107,9 (Ribeirão Preto). As edições do programa estão disponibilizadas em @brlatino, nos podcasts do Jornal da USP (jornal.usp.br) e nos agregadores de áudio como Spotify, iTunes e Deezer. . 
Assim que o processo de impeachment foi arquivado pelo Senado, em janeiro deste ano, Donald Trump parecia rumar para uma reeleição tranquila em 3 de novembro. Mas aí veio a pandemia do novo coronavírus e sua administração começou a ser colocada em xeque pela forma de combater a doença. Desprezando as recomendações dos especialistas em epidemias e partindo para uma forte crítica à China e à Organização Mundial da Saúde, o presidente norte-americano entrou em conflito com governadores e prefeitos, algo muito similar ao que acontece no Brasil. O brutal assassinato de George Floyd, em Mineápolis, colocou uma pedra a mais no percurso de Trump, e agora as pesquisas indicam ligeira vantagem para o candidato democrata Joe Biden. Para falar da atual situação política nos Estados Unidos, o Brasil Latino desta semana traz uma entrevista com a vereadora Margareth Shepard, a primeira brasileira a ser eleita para um cargo eletivo naquele país. Eleita e reeleita por um distrito de Framingham, na região de Boston, Margareth acredita que as manifestações antirracistas liberaram uma nova energia contra a política de extrema-direita de Trump, pressionando sua administração e abrindo focos de dissidência no próprio campo republicano. Brasil Latino O Brasil Latino vai ao ar toda segunda-feira, às 17h, pela Rádio USP FM 93,7Mhz (São Paulo) e Rádio USP FM 107,9 (Ribeirão Preto). As edições do programa estão disponibilizadas em @brlatino, nos podcasts do Jornal da USP (jornal.usp.br) e nos agregadores de áudio como Spotify, iTunes e Deezer. . 
Tema mais do que atual, as fake news ganharam importância nas eleições presidenciais de 2018 e, desde então, vêm sendo instrumento de luta política, contribuindo para a polarização do País. O problema é tão sério que até o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu iniciar uma investigação por conta própria para tentar conter esse fenômeno, que tem potencial explosivo para minar as bases do regime democrático e de suas instituições. Nesta edição do Brasil Latino, o advogado Francisco Brito Cruz, mestre e doutor pela Faculdade de Direito da USP, falou sobre a necessidade de um ordenamento jurídico que impeça a disseminação das fake news sem agredir a liberdade de expressão, cláusula pétrea da Constituição brasileira. Especialista em políticas públicas digitais e membro do Conselho de Legislação Eleitoral da OAB-SP, ele admite que estamos diante de um grande desafio, por ser uma nova forma de comunicação digital na contemporaneidade. “Os processos eleitorais recentes, no Brasil e nos demais países latino-americanos, marcaram definitivamente o início de uma nova fase para se compreender o papel das redes sociais e seu impacto na construção da democracia”, afirma. Brasil Latino O Brasil Latino vai ao ar toda segunda-feira, às 17h, pela Rádio USP FM 93,7Mhz (São Paulo) e Rádio USP FM 107,9 (Ribeirão Preto). As edições do programa estão disponibilizadas em @brlatino, nos podcasts do Jornal da USP (jornal.usp.br) e nos agregadores de áudio como Spotify, iTunes e Deezer. . 
A desigualdade social que marca a história do continente latino-americano fica mais acentuada no atual quadro da covid-19. Espalhada por praticamente todos os países, a doença exige medidas severas de controle sobre a mobilidade das pessoas e a adoção de protocolos sanitários rígidos. Além da população mais pobre das periferias das grandes cidades, existe um contingente que está sendo bastante afetado: os imigrantes. Com o fechamento das fronteiras entre os países, muitos deles vivem uma situação crítica, sendo obrigados a recorrer ao auxílio de entidades beneficentes para sobreviver. Sua situação jurídica está paralisada e muitos que desejam voltar ao seu país de origem, não podem fazê-lo. Como fica a situação dos imigrantes em meio à pandemia? Que respostas é possível dar a eles para garantir condições mínimas de vida? Essas e outras questões foram debatidas nesta edição do Brasil Latino, que teve a participação do advogado Victor del Vecchio, consultor da ONU Migração e pesquisador do Grupo de Estudos sobre Proteção Internacional de Minorias da Universidade de São Paulo (Gepim-USP). Brasil Latino O Brasil Latino vai ao ar toda segunda-feira, às 17h, pela Rádio USP FM 93,7Mhz (São Paulo) e Rádio USP FM 107,9 (Ribeirão Preto). As edições do programa estão disponibilizadas em @brlatino, nos podcasts do Jornal da USP (jornal.usp.br) e nos agregadores de áudio como Spotify, iTunes e Deezer. . 
loading
Comentários 
Baixar da Google Play
Baixar da App Store