DiscoverDireto ao Ponto
Direto ao Ponto

Direto ao Ponto

Author: Correio do Povo

Subscribed: 30Played: 1,030
Share

Description

Todos os dias fique por dentro das principais notícias do dia no estilo Correio do Povo: direto ao ponto. Apresentado pelo jornalista Tiago Medina
194 Episodes
Reverse
O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) completou 30 anos nesta segunda-feira. O Artigo 227 foi usado como base para que o Brasil alcançasse marcas históricas, como a redução na mortalidade infantil e no número de crianças e adolescentes fora das escolas. Entretanto, três décadas após sua implementação, o ECA ainda busca solucionar objetivos lá de 2016 que tangem os direitos e a dignidades destes grupos. O Direto ao Ponto conversou com a professora do Departamento de Serviço Social da PUC-RJ, também diretora do Centro Internacional de Estudos e Pesquisas sobre a Infância, e participante das discussões que geraram o Artigo 227 da Constituição Federal e o Estatuto, Irene Rizzini; e com a Coordenadora-Chefe do Departamento da Infância e Juventude do Instituto Brasileiro de Ciências Criminais, a Mariana Chies Santiago Santos.A apresentação é de Brenda Fernández e Eric Raupp.
Após uma semana de chuvas intensas no Rio Grande do Sul, a precipitação dá uma trégua no Estado, e municípios buscam recuperar os prejuízos. Pra se ter uma noção da chuvarada que caiu, o nível do Guaíba atingiu no sábado, a marca de 2 metros e 61 centímetros e superou o recorde de 2 metros e 60 da grande enchente de 1984, segundo informou a MetSul - Metroclima. A cheia atual passa a ser uma das maiores da história do lago, ficando atrás dos registros de 1941, 1967, outubro de 2015 e outubro de 2016.Com a elevação dos níveis do rios pelo território gaúcho, mais de 4 mil e trezentas pessoas estavam fora de casa devido aos alagamentos. Até o final da noite de domingo (12), a Defesa Civil Estadual mantinha o alerta de inundações pontos do Rio Grande do Sul. Com Eric Raupp e participação dos correspondentes Stephany Sander, atualizando a situação nos Vales do Taquari e dos Sinos, e Celso Sgorla, trazendo informações da Serra Gaúcha.
No mesmo dia em que o Rio Grande do Sul voltou a bater marca recorde de mortes diárias registradas por Covid-19, o governador Eduardo Leite confirmou na quinta-feira o retorno do Campeonato Gaúcho 2020, em 23 de julho. A novidade ocorre em uma realidade quase paralela: de protocolos mais restritivos, números de internados e infectados elevados e taxas de isolamento social abaixo do esperado - como é o caso em Porto Alegre, por exemplo.O Direto ao Ponto desta sexta-feira conversou com os clubes do Grêmio, Inter e Caxias para analisar o cenário do futebol em meio à pandemia. No episódio, também apresentamos a atualização do novo calendário brasileiro de futebol que já apresenta novas datas e protocolos.A apresentação é de Brenda Fernández.
Em meio à crise generalizada causada pela pandemia de Covid-19, o Ministério da Educação confirmou uma nova data para o Exame Nacional do Ensino Médio de 2020. Tradicionalmente, a prova é realizada no mês de novembro, mas a edição deste ano teve postergação aprovado pelo Senado Federal e pela Câmara dos deputados durante o mês de maio.Conforme o ministro interino do MEC, Antonio Paulo Vogel, que assumiu o cargo desde a saída de Abraham Weintraub da pasta, o governo também não descartou um processo seletivo extraordinário do Sistema de Seleção Unificada no ano que vem. O Sisu reúne milhares de vagas de graduação em universidades públicas brasileiras. A seleção é feita online, por meio da nota do Enem.Além disso, pela primeira vez, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) vai aplicar uma versão digital da prova, que também foi adiada para janeiro. Creative Commons — Attribution 3.0 Unported — CC BY 3.0 Solace by Scott Buckley https://soundcloud.com/scottbuckleyCali by Wataboi https://soundcloud.com/wataboi
Dois fatores fizeram impulsionar a procura de consumidores pela suspensão ou negociação de contratos de serviços: a crise econômica e o fechamento temporário de espaços por conta de protocolos rígidos de isolamento social. No cenário atual de calamidade pública, a pandemia é considerada juridicamente uma excepcionalidade, prevista em legislação, o que reforça a garantia de direitos ao consumidor.Apesar do diálogo entre consumidor e fornecedor ser o melhor caminho para a solução de conflitos, o advogado e professor de Direito Marcos Catalan falou ao Direto ao Ponto como a excepcionalidade, o Código de Defesa ao Consumidor e as PLs propostas pelos Legislativos têm amparado os brasileiros na pandemia. A apresentação do episódio é de Brenda Fernández.
Com o avanço da pandemia de Covid-19 no Rio Grande do Sul, a possibilidade de classificação de regiões como preta no modelo de distanciamento controlado se tornou real. Após análise de recursos, seis das 20 regiões continuam num nível abaixo, de cor vermelha: Porto Alegre, Capão da Canoa, Canoas, Novo Hamburgo, Pelotas e Palmeira das Missões.Conforme as infecções e óbitos aumentem, também crescem as conversassobre implementação do lockdown. E, com isso, surgem dúvidas sobre essesconceitos e suas diferenças.
Avanços incríveis foram feitos no desenvolvimento de tratamentos eficazes contra oHIV nos últimos anos, os quais permitem reduzir o vírus a níveis indetectáveis, sem acapacidade de transmissão. Esses experimentos foram, sem dúvida, um gigantesco salto desde a descoberta do vírus da imunodeficiência humana. Mas o fato é que existem quase 38 milhões de pessoas infectadas por esses organismos acelulares. E, de acordo com a Organização Mundial da Saúde, a taxa de novos casos é de 1,7 milhão por ano.Entre 2010 e 2018, o Brasil teve um aumento de 21% no número de infecções. Nocontinente, o desempenho brasileiro no combate só não foi pior que o do Chile e Bolívia, onde os aumentos foram de 34% e 26% respectivamente. A alta por aqui piorou os índices da América Latina, que teve aumento de 7% no período. Se ficássemos de fora da conta, a região teria queda de 5%.Mas é também do País que surgiram notícias promissoras no último final de semana. Após participar de ensaios de um tratamento desenvolvido pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), um paciente não identificado que conviveu com o HIV por pelo menos sete anos está há 17 meses sem sinais do vírus. Há um ano e meio, ele parou de tomar os medicamentos contra a doença e, desde então, segue sem o microrganismo no corpo.
Centenas de empresas prometeram interromper a publicidade no Facebook e Instagram como parte do boicote de um mês que deve começou oficialmente na quarta-feira, de acordo com os grupos de direitos civis por trás do protesto. Quando a campanha "Stop Hate for Profit" foi lançada apenas duas semanas atrás, seus organizadores ainda não haviam convencido um único anunciante a boicotar a matar bilionária. Agora, mais de 500 empresas, da Coca-Cola e Adidas a Ford e Lego, prometeram cessar seus anúncios na rede social, em uma manifestação contrária à maneira com a plataforma lida com a publicação de discurso de ódio e outros conteúdos prejudiciais.Para discutir esse cenário, o Direto ao Ponto recebe Aline Roes Dalmolin, professora adjunta do Departamento de Ciências da Comunicação da Universidade Federal de Santa Maria, vinculada ao Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação. Atualmente, ela coordena o projeto de pesquisa "Moralidades contemporâneas, fundamentalismos pós-modernos: a circulação dos discursos de ódio na mídia contemporânea".Creative Commons — Attribution 3.0 Unported — CC BY 3.0
Entregadores de aplicativos como Rappi, iFood e Uber Eats realizaram na quarta-feira uma paralisação por melhores condições de trabalho, medidas de proteção contra o risco de infecção pela Covid-19 e mais transparência na dinâmica de funcionamento dos serviços e das formas de remuneração da atividade. Em Porto Alegre, um grupo de 30 trabalhadores se reuniu na Praça da Alfândega para protestar contra as empresas e não realizaram a entrega de produtos.O aumento do número de pessoas realizando corridas durante a pandemia representa queda generalizada dos lucros para esses empregadores, que precisam fazer longas jornadas de trabalho para garantir seu sustento. Esse movimento está inserido em um processo referido nas áreas de pesquisa como "uberização" dos serviços. O Direto ao ponto discute a questão com Graça Druck, professora titular do Programa de Pós-graduação em C. Sociais da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal da Bahia (FFCH/UFBA). Ela é pesquisadora do Centro de Estudos e Pesquisas em Humanidades (CRH/UFBA) e do CNPq. É também autora de "Terceirização: (des)fordizando a fábrica – um estudo do complexo petroquímico da Bahia" (Ed. Boitempo/Edufba) e coautora de "A perda da razão social do trabalho: terceirização e precarização (Ed. Boitempo).
A passagem do ciclone extratropical provocou, na madrugada desta quarta-feira, dezenas de estragos e a remoção forçada de 17 famílias que moravam à margem do rio Caí. Devido aos danos provocados na estrutura do Hospital de Tramandaí, seis pacientes também tiveram que deixar o local por questão de segurança. O fenômeno, que chegou perto dos 100 km/h no Estado, não é comum no Rio Grande do Sul.No Direto ao Ponto desta quarta-feira, 1º de julho, a meteorologista e especialista em tempestades, Estael Sias, explica como o ciclone – recorrente na Europa e Estados Unidos – ocorreu no território gaúchos e quais são os fatores que agora incidem no Estado, após a passagem do vendaval.Também participam do episódio o repórter Gabriel Guedes e o correspondente Celso Sgorla, que contam sobre os principais impactos nas regiões do Litoral e da Serra, duas das principais áreas afetadas pelos fortes ventos. O episódio é apresentado por Brenda Fernández.
A Polícia Federal investiga se um homem vestido com uma máscara do personagem Pateta da Disney, estaria induzindo crianças e adolescentes a se mutilarem. De acordo com os agentes, um perfil com o nome de Jonatan Galindo nas redes sociais está promovendo os vídeos. Em uma das postagens, o homem pede que as crianças coloquem sabão em pó nos olhos para que eles fiquem azuis. Em outra, incentiva o vício em cigarros.O “Homem Pateta” não seria o primeiro a assustar pais e crianças na internet. No ano passado, o assustador personagem Momo aparecia em vídeos infantis ensinando, passo a passo, como as crianças deveriam fazer para, literalmente, cortar os pulsos. Antes, em 2017, um jogo chamado Baleia Azul tinha desafios que levavam jovens ao suicídio. No Direto ao ponto de hoje, discutimos a saúde mental das crianças na pandemia, sob o prisma desses jogos das redes sociais. Com Eric Raupp e participação da psicóloga Helena Riter, que atualmente integra pesquisa “Saúde mental parental e uso de mídias digitais por crianças pequenas: um estudo comparativo antes e durante a pandemia de COVID-19” conduzida pelo Núcleo de Pesquisa e Intervenção em Famílias com Bebês e Crianças (NUFABE) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).
O Ministério da Saúde anunciou no final de semana avanço no acordo de cooperação Brasil - Reino Unido para a produção de vacinas contra a Covid-19 e a transferência de tecnologia para o País. O país irá auxiliar nas experiências e na produção da possível imunização desenvolvida pela Universidade de Oxford e pelo laboratório AstraZeneca.Conhecida como ChAdOx1 nCoV-19, a vacina está na fase de testes clínicos em larga escala, que é a última etapa do processo. Até agora, nove mil pessoas já receberam doses e a pesquisa indica que ela é segura. Só falta constatar sua eficiência, que será testada em 50 mil pessoas em diferentes países, entre eles o Brasil. Com Eric Raupp e participação do professor Titular do Departamento de Microbiologia, Imunologia e Parasitologia do Instituto de Ciências Básicas da UFRGS, Paulo Michel Rê.
O Senado Federal aprovou nesta semana proposta de emenda à Constituição que adia as eleições municipais em razão da pandemia do novo coronavírus. O texto, votado em sessão remota, foi aprovado por 67 votos a 8 no primeiro turno e por 64 votos a 7 no segundo turno. Agora, a PEC segue para a Câmara dos Deputados. Pelo calendário eleitoral, o primeiro turno está marcado para 4 de outubro, e o segundo, para 25 do mesmo mês. O texto adia o primeiro turno para 15 de novembro, e o segundo, para 29 de novembro. O Direto ao Ponto discute com a editora de Política do Correio do Povo, Mauren Xavier, a posição dos deputados gaúchos sobre o assunto.
A nuvem de gafanhotos que percorre a Argentina e ameaça chegar o Rio Grande fez o governo federal decretar situação de emergência, em meio à pandemia do novo coronavírus. O Brasil foi alertado sobre a possibilidade de ingresso dos insetos na segunda-feira e, desde então, o assunto é um dos mais comentados nas redes sociais. A expectativa é de que a chuva e a queda de temperaturas barre o avanço do "bando".O Direto ao Ponto conversou com a bióloga Helena Piccoli Romanowski – coordenadora do Laboratório de Ecologia de Insetos da Universidade Federal do Rio Grande do Sul – e com o engenheiro agrônomo Leonardo Melgarejo – vice-presidente regional sul da Associação Brasileira de Agroecologia – para entender o fenômeno, sua formação e possíveis impactos.
A cidade de Lajeado, no Vale do Taquari, está há 12 dias em registrar nenhum óbito por coronavírus, tempo recorde desde a primeira morte pela doença em 23 de março. Apesar do intervalo e da redução no volume de casos confirmados diariamente, o secretário municipal de Saúde, Dr. Cláudio Klein teme uma segunda onda da pandemia na cidade.Paralelo à leitura das bandeiras do Distanciamento Controlado, a Prefeitura da cidade está usando dados de uma pesquisa realizada pela Univates, que está medindo a prevalência do coronavírus na população adulta.O Direto ao Ponto desta quarta conversou com o secretário municipal de Saúde, Cláudio Klein, e apresentar como a cidade de Lajeado retomou ao controle do contágio e como a gestão municipal está planejando, junto ao governo do Estado, o retorno das atividades presenciais na cidade. A apresentação é de Brenda Fernández.
A cena de famílias e amigos passeando e tomando chimarrão, muitos sem máscara, se repetiu mais uma vez no domingo, com aglomeração em vários pontos da Orla do Guaíba. A impressão é de que boa parte da população desconhece ou minimiza a pandemia do novo coronavírus. A prefeitura insiste em não fechar espaços público para a população, mas agora poderá multar pessoas aglomeradas e sem máscara, a partir de um decreto publicado no sábado. O secretário Extraordinário de Enfrentamento do Coronavírus e ex-Procurador Geral do Município, Bruno Miragem, explica como ocorrerá a fiscalização na Capital.
Desde que as primeiras bandeiras vermelhas apareceram no modelo de Distanciamento Controlado contra a Covid-19 no Estado, prefeituras desafiaram as medidas impostas pela classificação. Casos foram à Justiça, e o governo abriu a possibilidade de que as cidades que se sintam injustiçadas busquem revisão de dados em uma espécie de recursos junto ao comitê de crise do Palácio Piratini. Nesta seara, a capital Porto Alegre entrou em bandeira vermelha, e o prefeito Nelson Marchezan Jr. expediu um decreto com determinações mais brandas em relação aos protocolos previstos para regiões classificadas como alto risco de contágio do novo coronavírus. O Ministério Público do RS vai acionar o Município se não seguir à risca as regras em nível estadual. O Direito Ao Ponto discute a judicialização da questão e como isso impacta o comabte à doença. Com a editora de Política, Mauren Xavier.
Desde o início da pandemia no Rio Grande do Sul, em meados de março, o Estado registrou 74 surtos de Covid-19 em indústrias e lares de idosos. Destes, 51 são considerados ativos e 23 foram encerrados. Este é apenas alguns dos termos que talvez não tivéssemos muito contato antes da pandemia, mas que agora são lidas ou ouvidas quase diariamente no noticiário, assim como carga viral, dose infecciosa e imunidade cruzada. Eduardo Sprinz, chefe do Serviço de Infectologia do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, explica essas definições, o que se sabe sobre elas e comenta as dificuldades de respostas para o coronavírus SARS-Cov-2.
A pandemia de Covid-19 reformulou nossos relacionamentos pessoais de maneiras sem precedentes, nos forçando a ficar mais próximos de algumas pessoas e mais distantes de outras. A vida em confinamento exigiu constante com nossas famílias e parceiros, mas medidas de distanciamento social nos isolaram de nossos amigos e comunidades em geral. Ou pelo menos é o que deveria estar acontecendo, de acordo com as ações recomendadas contra a doença.Mas os apelos para se ficar em casa e as políticas de distanciamento social criadas pelo surto de coronavírus não impediram os solteiros de usar aplicativos de namoro e plataformas on-line para procurar possíveis correspondências. O uso de ferramentas virtuais disparou, pois os usuários continuam procurando maneiras de se conectar, namorar e evitar o tédio.O programa é apresentado por Eric Raupp, e as entrevitas foram conduzidas por Brenda Fernandéz, com as psicólogas Gabriela Martins – especialista em psicoterapia psicanalítica e psicanálise vincular – e Natália Marques – mestranda em psicologia da Saúde.
Após uma extensa agenda com prefeitos e uma nova reunião com o Comitê de Crise, o governador Eduardo Leite anunciou, nessa terça-feira, o retorno das regiões de Santa Maria e Santo Ângelo para a bandeira laranja. Já as regiões que têm como cidades referências Caxias do Sul e Uruguaiana permaneceram na bandeira vermelha, de alto risco, que prevê medidas restritivas mais severas. O Direito ao Ponto desta quarta-feira acompanha a repercussão dos ajustes nas quatro regiões. A apresentação é de Brenda Fernández.
loading
Comments (1)

Alex Sena

dizer que o governo abriu diálogo é forte. As informações que chegam dizem que ele comunicou as alterações e era isso.

Oct 24th
Reply
Download from Google Play
Download from App Store