Claim Ownership

Author:

Subscribed: 0Played: 0
Share

Description

 Episodes
Reverse
A formação em nível de pós-graduação muitas vezes confunde, pois há algumas modalidades diferentes com algumas características particulares. É muito comum ouvir as pessoas falando: “fiz uma pós” ou “vou fazer uma pós”, mas nem sempre se trata da mesma coisa. A pós-graduação é um nível de formação que, claro, exige que vc tenha feito uma graduação anteriormente. Isso é o que há de comum, mas depois podemos ter a pós-graduação lato senso e a pós-graduação stricto senso. O primeiro é o que costumamos chamar de especialização e tem um caráter prático-profissional e busca promover a especialização técnica ou treinamento nas partes de que se compõe um ramo profissional ou científico. Tem duração mínima de 360 horas, ao final do curso o aluno obterá certificado e não diploma. A pós-graduação stricto sensu compreende programas de mestrado e doutorado e ao final do curso o aluno obterá grau acadêmico e diploma. Diferentemente das especializações, os cursos de mestrado e doutorado tem um caráter regular dentro das instituições de ensino, ou seja, precisam ter turmas com ingresso regular. Na rotina da formação na pós-graduação stricto sensu o discente passa por disciplinas formativas e depois desenvolve outras habilidades, como docência e pesquisa. Ao final do processo de formação, para obter o título, o aluno precisa defender uma dissertação, no caso do mestrado, e uma tese no caso do doutorado. E os prazos regulares são de 2 e 4 anos, respectivamente. Muitas vezes pode ser um processo de formação árduo e extenuante devido aos elevados níveis de exigência e prazos, mas nem sempre é assim. Depende do contexto e do ambiente que se constrói. No episódio 9 da segunda temporada do Rasgaí, conversamos com o William Mendonça de Lima que concluiu seu mestrado em 2015 aqui na Pós-Graduação em Demografia da UFRN e depois seguiu e já concluiu o doutorado também em demografia na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Ele contou pra gente como foi a sua experiência e nos deu um exemplo de como podemos ajustar qualidade e rigor na produção científica e acadêmica sem necessariamente sermos reféns dessa cobrança. Para ele, o mestrado foi um período agradável da vida. Créditos: Produção, edição e apresentação: Ricardo Ojima (PPGDem/UFRN) Trilha sonora: Robo-Western by Kevin MacLeod Link: https://incompetech.filmmusic.io/song/4298-robo-western License: http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ Perspectives by Kevin MacLeod Link: https://incompetech.filmmusic.io/song/4207-perspectives License: https://filmmusic.io/standard-license --- Send in a voice message: https://anchor.fm/rasgai/message
Os três componentes da dinâmica demográfica são: nascimentos, mortes e migrações. Cada um tem a sua complexidade para ser estudado e cada um apresenta interfaces com teorias e contextos socioeconômicos distintos, o que induz a formação do demógrafo para uma abordagem interdisciplinar. Embora a migração seja um fenômeno muito popular, pois quase toda pessoa conhece ou tem uma história de trajetória migratória para contar, do ponto de vista do estudo científico há elementos técnicos que dificultam sua análise. Um dos aspectos que o diferem dos nascimentos e das mortes é que ele pode acontecer mais de uma vez na trajetória de um mesmo indivíduo. Além disso, a forma de se mensurar e estimar a migração de modo direto depende de se poder perguntar para as pessoas sobre as etapas migratórias da sua vida. Por isso, em grande medida, os Censos Demográficos são fontes de dados importantes para o estudo dos volumes, fluxos e características da migração. Mas os censos ocorrem em intervalos de tempo muito distantes. Além disso, os quesitos (ou perguntas) que são feitas para se captar a migração dependem da memória das pessoas entrevistadas, da sobrevivência das pessoas que migraram no intervalo entre um censo e outro e da precisão dos entrevistadores em registrar as informações. Mais que isso, o próprio conceito do que é ser migrante precisa ser definido claramente. Apesar de parecer óbvio, definir quem é migrante depende de alguns recortes. É preciso considerar mudança de residência habitual, limites político-administrativos, tempo de residência, entre outros. Uma análise da qualidade das informações sobre migração num censo demográfico foi desenvolvida pela dissertação de mestrado do Mussagy Ibraimo. Ele concluiu o mestrado em demografia aqui na UFRN em 2022 com a pesquisa: “Dinâmica migratória e avaliação dos quesitos censitários sobre migrações internas e internacionais em Moçambique: uma análise a partir do censo 2017”. Mussagy trabalha no Instituto Nacional Estatística (INE) de Moçambique e é por isso que sua pesquisa se debruça sobre os dados do Censo Demográfico moçambicano. Mas ele não fez apenas uma análise da qualidade dos dados mas, tendo feito isso, analisou aspectos gerais dos fluxos e o perfil dos movimentos migratórios no país. Identificou os principais destinos, as características dos migrantes e o perfil da seletividade nos contextos das províncias.  Créditos: Produção, edição e apresentação: Ricardo Ojima (PPGDem/UFRN) Trilha sonora: Robo-Western by Kevin MacLeod Link: https://incompetech.filmmusic.io/song/4298-robo-western License: http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ Perspectives by Kevin MacLeod Link: https://incompetech.filmmusic.io/song/4207-perspectives License: https://filmmusic.io/standard-license --- Send in a voice message: https://anchor.fm/rasgai/message
A violência é um campo de estudos de indiscutível relevância social. Normalmente o número de homicídios é usado como indicador para analisar a evolução da violência ao longo do tempo. No Brasil, entre 1990 e 2017, o número de homicídios passou de 32 mil para mais de 65 mil, segundo os dados disponíveis no Atlas da Violência gerido pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) com a colaboração do Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP). Mas é preciso olhar os dados de modo mais detalhado para entender melhor a sua dinâmica. As mortes violentas ocorrem de modo seletivo. Mais da metade dos homicídios que ocorreram no ano de 2017 foram de homens entre 15 e 29 anos. E do total de homicídios de 2017, mais de 70% foram de homens negros. Além disso, eles não ocorrem de forma uniforme no território. O risco de homicídio, portanto, depende de características sociodemográficas e socioespaciais. É por essas e outras razões que o estudo da violência pode ser entendido como um tema demográfico. Analisar a violência, os homicídios e as causas violentas a partir de um olhar demográfico ajuda a entender essas especificidades e isso pode contribuir para melhorar as ações e políticas de segurança pública. Otimizar os investimentos em segurança para que se focalizem nos públicos e contextos nos quais o evento contém maior risco de ocorrer. E foi esse o desafio de pesquisa proposto pela pesquisa de mestrado do Pedro Henrique Freitas. Ele defendeu sua dissertação em demografia no Programa de Pós-Graduação em Demografia da UFRN em 2021 e analisou a violência no município de Natal a partir das perspectivas demográficas e socioespaciais. E ele adicionou um elemento contextual que, dado o momento em que a pesquisa foi desenvolvida, não poderia faltar. O impacto e a influência que a pandemia de Covid-19 pode ter tido nesses indicadores. O arquivo completo da dissertação "Violência no município de Natal/RN em 2019 e 2020: uma abordagem espacial e demográfica sobre as mortes violentas com foco nos efeitos decorrentes da pandemia da COVID-19" contém gráficos e cartogramas que ajudam a compreender a diversidade do fenômeno no caso do município de Natal (RN). Créditos: Produção, edição e apresentação: Ricardo Ojima (PPGDem/UFRN) Trilha sonora: Robo-Western by Kevin MacLeod Link: https://incompetech.filmmusic.io/song/4298-robo-western License: http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ Perspectives by Kevin MacLeod Link: https://incompetech.filmmusic.io/song/4207-perspectives License: https://filmmusic.io/standard-license --- Send in a voice message: https://anchor.fm/rasgai/message
O episódio de hoje é sobre um tema que vez ou outra aparece nas conversas informais e povoam o imaginário das pessoas no senso comum. Estamos falando da queda da natalidade, ou seja, a redução do número de nascimentos. É mais comum ouvir a expressão: “queda da natalidade”, mas na verdade estamos falando da queda na taxa de natalidade. A taxa de natalidade é uma medida que calcula a quantidade de bebês nascidos em um determinado ano e divide esse número pelo total de pessoas daquela população naquele mesmo ano. Mas há outra expressão que se ouve também: a queda da fecundidade. Essa medida é um pouco diferente e representa o número médio de filhos tidos pelas mulheres em idade reprodutiva daquele ano. O que os dados mostram ao longo do tempo é que a fecundidade vem caindo de modo consistente no Brasil. No passado ela já esteve na faixa de 6 filhos por mulher e já está abaixo de 2 há algum tempo. Mas nas conversas informais ainda é difícil crer nesses números, pois na observação das pessoas, parece ser contraditório ter uma taxa tão baixa de filhos por mulher se, por exemplo, você conhece ou viu uma reportagem mostrando a vida de mulheres que têm 4 ou 5 filhos. Isso acontece por estarmos falando de médias e se conhecemos mulheres que tem 4 ou 5 filhos, esquecemos que existem muitas mulheres sem filhos. E essa quantidade de mulheres sem filhos vem aumentando ao longo do tempo. Esse foi o tema da dissertação de mestrado da Clicia Clementino. Ela defendeu seu mestrado no PPGDem em 2021 com a pesquisa: “Eu não quero ser mãe assim como muitas mulheres”. Ela analisou o perfil das mulheres que não tem e não querem ter filhos para entender quais são as características que mais influenciam nessa decisão. Ela também traz uma discussão que contextualiza o debate brasileiro no contexto internacional e como essa temática vem sendo abordada pela literatura científica internacionalmente.  Créditos: Produção, edição e apresentação: Ricardo Ojima (PPGDem/UFRN) Trilha sonora: Robo-Western by Kevin MacLeod Link: https://incompetech.filmmusic.io/song/4298-robo-western License: http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ Perspectives by Kevin MacLeod Link: https://incompetech.filmmusic.io/song/4207-perspectives License: https://filmmusic.io/standard-license --- Send in a voice message: https://anchor.fm/rasgai/message
Intercalado com os episódios tradicionais de conversas sobre resultados de pesquisas, a série “Egressos” busca evidenciar os prazeres e desafios que se colocam na caminhada na formação. É importante para um programa de pós-graduação acompanhar os egressos e saber como foi a experiência. Fazemos isso regularmente a partir de pesquisas de acompanhamento, mas no caso do podcast a ideia é ser mais informal, falar dos "causos", dos momentos de dificuldade e do que foi superado. No primeiro episódio dessa série, conversamos com o estatístico de formação, Josivan Justino. Hoje ele já concluiu seu doutorado em bioinformática e é professor universitário na Universidade Federal de Rondônia. Quase sempre as histórias mostram superações e conquistas, mas tentamos não romantizar a trajetória, pois sabemos que nem tudo são flores e que as barreiras de entrada e pedras no caminho são inúmeras. No episódio de hoje, conversamos com uma egressa que também é da primeira turma e que defendeu sua dissertação de mestrado em 2013. A convidada do Rasgaí é Gracineide Pereira que desenvolveu a pesquisa intitulada “Afinal, quantos éramos? Um estudo da mortalidade pretérita na Freguesia da Gloriosa Sant'Anna” usando dados populacionais do século 19. Historiadora formada pela UFRN, depois de concluir seu mestrado no PPGDem, seguiu para Portugal para desenvolver pesquisa de doutorado (com bolsa da Capes) na Universidade do Minho, que é referência na pesquisa sobre demografia histórica e história da população. Gracineide falou sobre os desafios de sair da zona de conforto, como essas dificuldades foram enfrentadas e como foi importante esse aprendizado para a sua formação pessoal e profissional. Ela falou também como essa trajetória no nosso mestrado ajudou na sua passagem pelo doutorado em Portugal e como ajuda ela até hoje. Créditos: Produção, edição e apresentação: Ricardo Ojima (PPGDem/UFRN) Trilha sonora: Robo-Western by Kevin MacLeod Link: https://incompetech.filmmusic.io/song/4298-robo-western License: http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ Perspectives by Kevin MacLeod Link: https://incompetech.filmmusic.io/song/4207-perspectives License: https://filmmusic.io/standard-license --- Send in a voice message: https://anchor.fm/rasgai/message
A conversa de hoje é sobre a pesquisa do Alex Alcebíades Souza, que defendeu sua dissertação de mestrado em 2021 com o título: “Relações entre dados e estudos populacionais no Brasil: um estudo de caso do PPGDEM, de 2013 a 2020”. A pesquisa fez uma investigação de autoanálise, uma análise crítica da produção acumulada de dissertações defendidas no PPGDem nos seus primeiros anos. Embora, o mestrado tenha iniciado suas atividades em 2011, o início do período analisado foi 2013, pois o mestrado dura 2 anos e as primeiras titulações ocorreram em 2013. O Alex analisou dados das 72 dissertações defendidas nesse período em termos das características dos discentes-pesquisadores e dos seus trabalhos. O que os resultados mostram a partir do banco de dados organizado pelo Alex é a convergência das pesquisas na direção da missão institucional e social do PPGDem. Além disso, joga luz sobre o perfil diversificado dos discentes e egressos aqui formados. --- Send in a voice message: https://anchor.fm/rasgai/message
O tema do episódio é o impacto das mudanças demográficas brasileiras sobre os benefícios de pensão por morte e mostra a sinergia existente entre a demografia e as ciências atuariais. Com o processo de envelhecimento em curso no país, as relações entre os grupos de idade e perfis populacionais impactam na relação dos contribuintes e beneficiários do sistema de seguridade social no Brasil. No caso da pensão por morte, é óbvio que mudanças no padrão de mortalidade terão efeito, mas mais do que isso, a natalidade, os arranjos familiares e os padrões de nupcialidade também mudaram e apresentam impactos em diversas políticas sociais e benefícios. Não seria diferente no caso das pensões do Regime Geral de Previdência Social. O episódio conversou com a egressa do Programa de Pós-Graduação em Demografia da UFRN, Michelly Vieira, que defendeu sua dissertação sobre esse tema: o impacto financeiro sobre as pensões por morte no regime geral de previdência social considerando as mudanças demográficas brasileiras. A dissertação completa da Michelly pode ser acessada aqui: "Pensões por morte no Brasil: uma análise do impacto financeiro considerando variações demográficas sobre a pensão por morte do Regime Geral de Previdência Social". Os resultados da análise e das simulações feitas para o futuro das variáveis demográficas na pesquisa são relevantes para o planejamento das políticas sociais. Créditos da trilha sonora: Robo-Western by Kevin MacLeod Link: https://incompetech.filmmusic.io/song/4298-robo-western License: http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ Perspectives by Kevin MacLeod Link: https://incompetech.filmmusic.io/song/4207-perspectives License: https://filmmusic.io/standard-license --- Send in a voice message: https://anchor.fm/rasgai/message
Um importante característica na análise das migrações (internacionais ou internas) são as questões educacionais. E um dos termos usados nessa discussão é a "fuga de cérebros". Leva em conta a divergência entre a capacidade de absorver mão de obra qualificada em uma região em detrimento de outra que a recebe. Ou seja, uma região forma pessoas qualificadas, mas perde essas pessoas para outra região. Isso faz com que a região receptora tenha um ganho médio na qualificação, sem que tenha feito grandes investimentos educacionais. E essa transfusão de pessoas acaba tendo efeitos importantes no desenvolvimento humano e regional. O impacto da migração, portanto, pode ocorrer mesmo que a diferença entre chegadas e saídas seja zero no saldo final. Este episódio 2 da segunda temporada do Rasgaí é com a doutoranda em demografia na UFRN, Jaine Pereira. Ela apresenta resultados da sua dissertação de mestrado defendida em 2021 aqui no PPGDem. Ela analisou a qualificação educacional e a inserção laboral dos migrantes inter-regionais no mercado de trabalho brasileiro no período de 2005 e 2015. Entre outros aspectos, ela destaca que o cenário econômico do período analisado refletiu uma maior mobilidade de pessoas qualificadas pelo país. Mas que, apesar disso, o perfil educacional dos migrantes reproduz as desigualdades sociais da sociedade em geral. Acesse a dissertação completa da Jaine no repositório da UFRN Créditos da trilha sonora: Robo-Western by Kevin MacLeod Link: https://incompetech.filmmusic.io/song/4298-robo-western License: http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ Perspectives by Kevin MacLeod Link: https://incompetech.filmmusic.io/song/4207-perspectives License: https://filmmusic.io/standard-license --- Send in a voice message: https://anchor.fm/rasgai/message
O primeiro episódio da segunda temporada do Rasgaí (T02E01) marca a estreia da série "Egressos". Ao longo do ano teremos conversas com ex-alunos contando sua trajetória, aprendizados e experiências e como a passagem pelo programa de pós-graduação em Demografia da UFRN contribuiu com a sua jornada. Ou seja, tem um roteiro um pouco diferente dos demais episódios, onde conversamos com pesquisadores sobre as pesquisas propriamente ditas. O professor Josivan Justino é professor no campus de Ji-Paraná da Universidade Federal de Rondônia e é o único demógrafo da Universidade. Lotado no Departamento de Matemática e Estatística, ele desenvolve atividades interdisciplinares e ano passado organizou um evento que introduziu os temas demográficos nas atividades de ensino, pesquisa e extensão da UNIR. Josivan se graduou em Estatística na UFRN e foi concluiu seu mestrado em demografia no PPGDem/UFRN em 2013. Hoje, já doutor em Bioinformática pela UFRN, ele conta um pouco da sua trajetória e suas experiências. Foi um relato emocionante que, como ele mesmo afirma, mostra como a Universidade Pública tem um papel de transformar vidas e realizar os sonhos das pessoas. Créditos da trilha sonora: Robo-Western by Kevin MacLeod Link: https://incompetech.filmmusic.io/song/4298-robo-western License: http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ Perspectives by Kevin MacLeod Link: https://incompetech.filmmusic.io/song/4207-perspectives License: https://filmmusic.io/standard-license --- Send in a voice message: https://anchor.fm/rasgai/message
Todos os anos a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) realiza uma premiação para destacar as principais pesquisas de doutorado produzidas no país. Já são mais de 15 anos de premiações que levam em consideração as indicações de comissões julgadoras de diversas áreas de conhecimento. A Capes divulgou, no dia 3 de setembro de 2021 o Prêmio Capes de Tese deste ano, outorgando o resultado das melhores teses de doutorado defendidas em 2020. O episódio 45 do Rasgaí conversou com o autor da pesquisa que recebeu menção honrosa na edição mais recente do prêmio na área de Planejamento Urbano e Regional e Demografia. A pesquisa tratou da mortalidade, causas de morte e a esperança de vida da população num passado mais distante. A demografia histórica já foi tema do nosso podcast no episódio 42, quando conversamos com Maisa Cunha sobre as particularidades e características dessa subárea da demografia. O episódio 45 de hoje, abordou uma pesquisa que analisou dados de registros realizados pela igreja católica entre 1772 e 1872 na região que hoje podemos chamar de Porto Alegre para, entre outras coisas, obter estimativas do perfil da mortalidade e a expectativa de vida ao nascer na população livre e também na população escrava. O autor da pesquisa é o Dario Scott. Ele é matemático e demógrafo. Defendeu sua tese de doutorado em 2020 com o título: “Livres e escravos: população e mortalidade na Madre de Deus de Porto Alegre (1772-1872)”, no programa de pós-graduação em demografia da UNICAMP e recebeu menção honrosa da edição de 2021 do Prêmio Capes de Teses. Dario também destacou o desenvolvimento do software NACAOB (clique aqui para saber mais). O NACAOB foi desenvolvido originalmente na década de 1990 e ao longo dos anos foi sendo aprimorado até ser hoje um sistema que permite a integração de bancos de dados de forma simples e colaborativa. Hoje ele é usado por diversos pesquisadores da área de demografia histórica no Brasil. Créditos da trilha sonora: Robo-Western by Kevin MacLeod Link: https://incompetech.filmmusic.io/song/4298-robo-western License: http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ Beauty Flow by Kevin MacLeod Link: https://incompetech.filmmusic.io/song/5025-beauty-flow License: https://filmmusic.io/standard-license --- Send in a voice message: https://anchor.fm/rasgai/message
O episódio 44 do Rasgaí conversou com Vanessa Ferreira sobre a demografia, o contexto político-social e o sistema de informações do Afeganistão. Vanessa é economista e demógrafa e defendeu sua tese de doutorado em 2021 com o título: “Demografia do Afeganistão: presente e futuro de treze províncias selecionadas”, pouco antes dos acontecimentos recentes da retomada do controle Talibã no país. Recentemente, o Afeganistão voltou aos noticiários nacionais e internacionais devido ao conflito político institucional do país. Após os atentados às Torres Gêmeas em Nova York, em 2001, a ofensiva norte-americana contra os grupos terroristas envolvidos assumiu destaque e o Afeganistão foi afetado diretamente por isso, pois o governo local estaria diretamente ligado ao grupo fundamentalista Al-Qaeda, liderado por Osama Bin Laden, que assumiu a autoria dos ataques aos Estados Unidos. Assim, ainda em 2001, os Estados Unidos derrubaria o regime Talibã e permaneceu no país por 20 anos. Entretanto, nos anos recentes, a gradativa retirada das tropas norte americanas acabou abrindo espaço para a retomada do controle do regime Talibã e, em 2021 (data marcada para saída oficial dos Estados Unidos), o grupo finalmente recuperou o controle total do país. Créditos da trilha sonora: Robo-Western by Kevin MacLeod Link: https://incompetech.filmmusic.io/song/4298-robo-western License: http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ Electro (Sketch) by Kevin MacLeod Link: https://incompetech.filmmusic.io/song/3706-electro-sketch- License: https://filmmusic.io/standard-license --- Send in a voice message: https://anchor.fm/rasgai/message
No episódio dessa semana, conversamos com o geógrafo e demógrafo, Ednelson Dota. Ele é professor da Universidade Federal do Espirito Santo e vem trabalhando com o projeto de extensão “Os perfis sociais dos fluxos migratórios no Espírito Santo” que tem entre seus objetivos divulgar e tornar acessível aos gestores públicos links de textos, artigos, revistas e bancos de dados sobre fenômenos demográficos importantes para compreensão das transformações na dinâmica populacional. Além de um blog, o projeto dispõe de um perfil no Instagram e produzem diversos materiais de divulgação que sintetizam conceitos e indicadores demográficos para popularizar informações sobre a área de demografia e estudos populacionais. No Brasil existem poucos centros de formação e pesquisa diretamente ligados aos estudos de população e demografia. Embora seja um campo interdisciplinar e dentro do contexto das ciências humanas e sociais aplicadas, nem sempre é de conhecimento geral que existe uma formação específica na área. Considerando os dados da Plataforma Lattes, entre 2010 e 2019, quase dobrou em relação á década anterior a quantidade de registros que se referiam a titulações na área de demografia ou titulações diversas que tinham demografia como área principal de pesquisa declarada pelo pesquisador. 132 registros na Plataforma Lattes declaram que a demografia é a área principal de pesquisa, sendo que metade desses registros são de pesquisadores titulados em um dos quatro Programas de Pós-Graduação na área de demografia no Brasil. A outra metade tem titulação de pós-graduação em áreas das mais diversas, como saúde pública, ciências sociais, geografia, economia, história, entre outros. É uma área onde a formação específica é recente no país. O primeiro programa de pós-graduação na área data de 1985, o segundo e o terceiro foram criados na década de 90. Um em 1993 e outro em 1998. Sendo o último criado em 2011. Mas com a ampliação da formação de mestres e doutores na área de demografia a partir dos anos 2000 e a fixação, sobretudo de doutores, em universidades de todo o país nessa mesma década, hoje temos uma maior disseminação desse campo de conhecimento. São demógrafos espalhados em diversas instituições de ensino e pesquisa, lotados em cursos e departamentos das mais diversas áreas. Com isso, reforça-se o caráter da interdisciplinaridade da área e, de certa forma, se constitui como um grande desafio para estes pesquisadores em encontrar seu espaço de atuação enfrentando as barreiras disciplinares que, muitas vezes, se colocam nas estruturas institucionais mais tradicionais.  Créditos da trilha sonora: Robo-Western by Kevin MacLeod Link: https://incompetech.filmmusic.io/song/4298-robo-western License: http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ Electro (Sketch) by Kevin MacLeod Link: https://incompetech.filmmusic.io/song/3706-electro-sketch- License: https://filmmusic.io/standard-license --- Send in a voice message: https://anchor.fm/rasgai/message
A demografia ainda é um campo científico pouco conhecido. Em parte, isso se deve ao fato de ser um campo de constituição recente. Existe certo consenso de que a demografia trata do estudo estatístico das populações humanas, com maior ênfase nos conjuntos de pessoas do que nos indivíduos. Parece contraditório, mas há efeitos que são percebidos de modo estrutural onde as análises podem ser feitas a partir do conjunto dos indivíduos, mas não necessariamente na escala individual. É o que se denomina falácia ecológica: interpretar análises na escala agregada como se fossem possíveis de ser representações de relações entre os indivíduos que compõem o grupo. Mas como podemos saber o que se passava com a população antes da existência de dados de censos demográficos, dos bancos de dados e dos sistemas de informação? Muito mais do que saber a quantidade de pessoas que existiam no passado, como saber o comportamento das variáveis demográficas, natalidade, mortalidade, causas de morte, etc. de sociedades do passado? O episódio de hoje do Rasgaí falou sobre o campo de estudos da demografia histórica com a cientista social e demógrafa, Maisa Faleiros da Cunha. Ela é pesquisadora e atual coordenadora do Núcleo de Estudos de População “Elza Berquó”, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Maisa também já foi coordenadora do grupo de trabalho “População e História” da Associação Brasileira de Estudos Populacionais, onde vcs podem encontrar mais detalhes sobre a produção dessa interessante área de estudos. O campo de estudos da demografia histórica é muito amplo e é uma oportunidade para pesquisadores que associem abordagens metodológicas quantitativas àquelas tradicionais da história e ciências sociais, em geral. Fica o convite para quem tiver interesse em saber mais sobre essa área, conhecer as produções do GT População e História da Associação Brasileira de Estudos Populacionais e também há um capítulo inteiro dedicado a esse tema dentro do livro de Métodos Demográficos que trouxemos aqui no Rasgaí no episódio 36. Aqui no Programa de Pós-Graduação em Demografia da UFRN já tivemos algumas pesquisas nessa área e podem ser encontradas no nosso site. Créditos da trilha sonora: Robo-Western by Kevin MacLeod Link: https://incompetech.filmmusic.io/song/4298-robo-western License: http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ Electro (Sketch) by Kevin MacLeod Link: https://incompetech.filmmusic.io/song/3706-electro-sketch- License: https://filmmusic.io/standard-license --- Send in a voice message: https://anchor.fm/rasgai/message
O episódio 41 do Rasgaí conversou com Walter Pedro Silva Jr, estatístico e egresso do mestrado em demografia da UFRN. Ele é um dos autores do artigo que foi publicado na Revista Latinoamericana de População, no volume 15, número 29 de 2021 e desenvolveu uma avaliação da qualidade da informação de escolaridade nos registros do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM). Os links com o artigo completo e a dissertação do Walter podem ser acessados nos links abaixo. Os dados sobre mortalidade no Brasil nunca tiveram tanta evidência como agora. Com a pandemia da Covid-19 as informações de saúde nunca tiveram tanta evidência no debate público, mas é importante ressaltar que temos um dos melhores e mais organizados sistemas de informação sobre mortalidade do mundo. Claro que há problemas e pontos fundamentais que ainda precisam ser melhorados e aperfeiçoados, mas na comparação com outros países, o Brasil tem uma plataforma abrangente e com cobertura nacional de acesso aberto e público. O SIM é um sistema de vigilância epidemiológica nacional, cujo objetivo é captar e organizar os dados sobre os óbitos do país e fornecer informações sobre mortalidade para todas as instâncias do sistema de saúde. O sistema foi criado em 1975 a partir da organização dos sistemas estaduais que já faziam esse levantamento de forma isolada e não padronizada. Mas o grande salto qualitativo do sistema ocorreu com a criação do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS), em 1991, quando passaram a ser desenvolvidos sistemas de informação e suporte tecnológico especificamente voltados para o planejamento em saúde. Os dados registrados no SIM são oriundos da Declaração de Óbito (DO) emitida por um profissional médico e que são compilados em um banco de dados. Essa declaração é padronizada nacionalmente e contém um conjunto amplo de informações sobre a causa da morte, perfil socioeconômico e demográfico do falecido, entre outros. Tais informações são fundamentais para um diagnóstico do sistema de saúde e, principalmente, para o planejamento de ações e desenho de políticas públicas. Apesar da grande melhoria do SIM ao longo dos anos, ainda há algumas informações que têm menor qualidade. As informações socioeconômicas das pessoas que faleceram ainda não são completas e uma delas é a informação sobre a escolaridade. Sabe-se que o grau de escolaridade tem forte associação com a mortalidade e as causas de morte, mas sem essas informações, pouco podemos avançar. Entender melhor a relação entre mortalidade e características socioeconômicas é muito importante, pois reafirma a dimensão social da saúde. No caso da Covid-19, por exemplo, muitos estudos indicam que a mortalidade foi maior entre a população de mais baixa renda, sendo um fator explicativo mais importante do que a existência de condições de saúde pré-existentes. Isso nos leva a perceber que reduzir as desigualdades, a pobreza ou ampliar o acesso à educação vai além de uma questão social, pois pode ser uma questão de vida ou morte. Acesse o artigo completo Acesse a dissertação completa Acesse o repositório dos dados abertos no Github Créditos da trilha sonora: Robo-Western by Kevin MacLeod Link: https://incompetech.filmmusic.io/song/4298-robo-western License: http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ Electro (Sketch) by Kevin MacLeod Link: https://incompetech.filmmusic.io/song/3706-electro-sketch- License: https://filmmusic.io/standard-license --- Send in a voice message: https://anchor.fm/rasgai/message
Neste mês de agosto de 2021 o Governo Federal encaminhou proposta de Medida Provisória para o Congresso Nacional com o objetivo de criar o Programa Auxílio Brasil em substituição ao Programa Bolsa Família. A MP mantém as condicionalidades para transferência de renda às famílias de baixa renda, entretanto, adiciona novos auxílios. Em artigo recente na revista Piauí, os pesquisadores Leticia Bartholo, Rogério Veiga e Rogério Barbosa argumentam que essas adições tendem a concorrer com o objetivo principal da política de redução da pobreza e retomar um desenho de programa fragmentado e, principalmente, com sobreposição de benefícios. A análise dos pesquisadores destaca a necessidade de aperfeiçoar o Programa Bolsa Família, mas que essa medida provisória não parece conseguir atingir esse objetivo. Diante dessa retomada de discussões sobre o Bolsa Família, o Rasgaí trata de um dos pontos que, ainda hoje, é pauta de conversas no senso comum. Não é incomum ainda hoje ver as pessoas se questionando se a vinculação do benefício ao número de filhos das famílias induz maior natalidade. O Bolsa Família é um dos programas de transferência de renda mais estudados no mundo. Não apenas pelo seu êxito na redução da pobreza, mas também pela disponibilidade de dados e informações que ao longo dos anos foram sendo organizados. Assim, são muitos os estudos que já buscaram analisar essa relação entre o benefício da transferência de renda e o número de filhos das famílias. O episódio de hoje vai tratar de um desses estudos, publicado recentemente na revista Comparative Population Studies. Para falar sobre o artigo, convidamos a Camila Ferreira Soares que é doutoranda em demografia na Unicamp e defendeu sua dissertação em demografia, sob orientação do docente Everton Lima, na mesma instituição. Este é o episódio 40 do podcast do Programa de Pós-Graduação em Demografia da UFRN. O podcast vai ao ar toda semana com episódios inéditos sobre temas relacionados aos estudos de população, demografia e outros tópicos sobre ciência. Trazemos resultados de pesquisas e de projetos de extensão e não apenas de produções vinculadas ao nosso programa de pós-graduação, pois temos como objetivo contribuir para a disseminação e popularização do campo de conhecimento entre o público brasileiro. Para acessar o artigo completo, basta clicar no link abaixo. Também é possível acessar a dissertação de mestrado da Camila, que deu origem ao artigo. The Association between Conditional Cash Transfer Programmes and Cohort Fertility: Evidence from Brazil Política de transferência de renda e fecundidade de coorte : o caso do Bolsa Família Créditos da trilha sonora: Robo-Western by Kevin MacLeod Link: https://incompetech.filmmusic.io/song/4298-robo-western License: http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ Electro (Sketch) by Kevin MacLeod Link: https://incompetech.filmmusic.io/song/3706-electro-sketch- License: https://filmmusic.io/standard-license --- Send in a voice message: https://anchor.fm/rasgai/message
A conversa do episódio 39 do Rasgaí é com Elaine Cristina Gama dos Santos. Ela é graduada em ciências atuariais, mestre em demografia e defendeu sua dissertação de mestrado no PPGDem em maio de 2021. A pesquisa discutiu a demanda de contratação de servidores públicos municipais a partir de uma projeção da necessidade demográfica até o ano de 2030. Entre os resultados, Elaine mostra que as principais categorias de servidores municipais são aquelas ligadas à saúde e educação. Se por um lado as projeções apontam para uma redução da demanda por profissionais da educação no futuro, por outro, crescerá a necessidade de profissionais de saúde. Como serviços essenciais, garantidos pela Constituição Federal de 1988, entender o comportamento da dinâmica demográfica dos servidores e do perfil da demanda para esses serviços é estratégico. A pesquisa da Elaine se baseou em diversas fontes de informação e contou com o suporte do Sadeprev. O Sadeprev é resultado de um projeto de extensão desenvolvido pela docente do PPGDem, Cristiane Corrêa, e trata-se de um Simulador Atuarial-demográfico de Regimes Próprios de Previdência Social que foi desenvolvido na linguagem de programação R e tem como objetivo ajudar os gestores públicos municipais a gerenciar os planos previdenciários municipais. Conforme a descrição contida no site do Sadeprev, “ele utiliza microssimulação para prever os valores totais de benefícios e contribuições pagas por cada participantes do plano previdenciário em cada um dos próximos 75 anos. A partir dessa previsão é feita uma análise atuarial e financeira sobre a situação do RPPS”. O acesso ao Sadeprev é livre gratuíto e aberto. A pesquisa da Elaine se contextualiza no debate que vem sendo realizado no Congresso Federal sobre a reforma administrativa. A Proposta de Emenda à Constituição (PEC 32/20) foi enviada pelo executivo federal para tramitação no Congresso em setembro de 2020 e propõe mudanças importantes nos regimes de contratação dos servidores públicos, caso seja aprovada da forma que está. Um dos pontos mais polêmicos é a definição, por lei posterior, das carreiras típicas de Estado. A classificação dessas carreiras seria o princípio orientador para a forma de contratação. Ou seja, dentre as carreiras que forem classificadas como “típicas de Estado”, as contratações continuarão a ser por prazo indeterminado. Para as que ficarem de fora, os contratos poderão ser feitos de modo simplificado e, portanto, sem concurso público. E passarão a ser por prazo determinado e temporário. O debate segue em curso no segundo semestre de 2021, tendo possível tramitação nos próximos meses. A sua aprovação e a forma final do texto impactaria em todos os níveis da federação. A PEC da reforma administrativa que está em debate deixa aberta a discussão, por exemplo, se  professores e profissionais de saúde continuarão sendo consideradas carreiras típicas de Estado. Como isso será definido em regramento futuro, o planejamento futuro também ficará comprometido. Se passarem a ser contratados de modo temporário, tais serviços sofrerão transformações importantes. Acompanhemos de perto esse debate, pois essa reforma não afetará apenas os servidores públicos, mas trará importantes mudanças na forma como são prestados os serviços públicos garantidos na Constituição. É fundamental pensar qual o modelo de serviço público que desejamos e qual precisamos. Créditos da trilha sonora: Robo-Western by Kevin MacLeod Link: https://incompetech.filmmusic.io/song/4298-robo-western License: http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ Electro (Sketch) by Kevin MacLeod Link: https://incompetech.filmmusic.io/song/3706-electro-sketch- License: https://filmmusic.io/standard-license --- Send in a voice message: https://anchor.fm/rasgai/message
A vida nas grandes cidades sempre foi marcada por uma intensa mobilidade das pessoas. A industrialização e a urbanização foram processos simultâneos que modificaram radicalmente os nossos modos de vida. Mas com ao longo do século 20, muita coisa mudou. Primeiro, essa industrialização teve um aspecto concentrador e impulsionou o que se convencionou chamar de “êxodo rural”. Grandes volumes de pessoas migraram das áreas rurais para as áreas urbanas na busca por empregos industriais e todo o conjunto de serviços e urbanidades associados. Mas na segunda metade do século 20, os modos de produção sofrem transformações aceleradas e um processo de desconcentração começa a mostrar os seus sinais. No que se refere aos fluxos populacionais, no Brasil, o final do século passado já mostra um processo de urbanização avançado, com a população predominantemente urbana. Os fluxos rural-urbano perdem sua importância e novos processos começam a se mostrar mais relevantes. Os fluxos migratórios de longa distância, particularmente do Nordeste para o Sudeste começam a diminuir o seu ímpeto (apesar de ainda serem muito importantes). Nesse contexto, ganha espaço a migração urbana-urbana, os fluxos de média e curta distância e os fluxos de mobilidade cotidiana para trabalho entre municípios diferentes. Esse último é o tema do episódio de hoje: a mobilidade pendular. Mas o que é mobilidade pendular? Ela se diferencia da migração, pois migrar envolve a necessidade de mudança de endereço entre recortes político-administrativos distintos. No caso da mobilidade pendular, o deslocamento é justamente aquele onde a pessoa mora em uma cidade, mas vai cotidianamente (ou com frequência regular: a cada dois dias, semanalmente, etc) trabalhar em outro município. Há na literatura algumas referências ao termo migração pendular. Entretanto, conceitualmente, o mais correto seria mobilidade pendular ou pendularidade. Mas independentemente do termo usado, o que sabemos é que esses deslocamentos são importantes para o planejamento urbano, regional e para as demandas de serviços. Pense no exemplo de uma região metropolitana e no intenso fluxo de pessoas decorrente da integração funcional dos espaços dentro da metrópole. Precisa-se dimensionar os transportes públicos entre dois ou mais municípios, parte dos serviços de educação e saúde são compartilhados, compras, etc. Enfim, quando essa mobilidade é intensa, tudo precisaria ser pensado integradamente e de modo intermunicipal. As regiões metropolitanas foram criadas, entre outras coisas, por essa razão. Mas será que esses movimentos são exclusividades de regiões metropolitanas? Como e quais são as tendências desses movimentos pendulares nos últimos anos? Para falar sobre isso, o episódio 38 do Rasgaí conversou com o economista e mestre em demografia e atualmente doutorando do Programa de Pós-Graduação em Demografia da UFRN, o João Gomes da Silva. Ele defendeu sua dissertação de mestrado aqui no PPGDem com uma pesquisa sobre essas questões e, derivado da sua pesquisa, acaba de publicar o artigo: “Perfil da mobilidade laboral inter e intramunicipal no Brasil nos anos de 2000 e 2010” (clique no título para acessar o artigo completo). Créditos da trilha sonora: Robo-Western by Kevin MacLeod Link: https://incompetech.filmmusic.io/song/4298-robo-western License: http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ Electro (Sketch) by Kevin MacLeod Link: https://incompetech.filmmusic.io/song/3706-electro-sketch- License: https://filmmusic.io/standard-license --- Send in a voice message: https://anchor.fm/rasgai/message
Quem nunca ouviu a frase: hoje posso dar ao meu filho aquilo que eu não pude ter? O desejo da maioria das pessoas é conseguir ter uma melhora na sua condição socioeconômica, obviamente. Mas principalmente conseguir obter avanços de status socioeconômico de uma geração para outra. Ou seja, numa espécie de retrospectiva familiar, entre uma geração e outra, observar que a geração dos filhos teve melhorias em relação aos seus pais. Os estudos, em geral, chamam isso de mobilidade social intergeracional e analisam como as desigualdades sociais observadas em uma geração são ou não reproduzidas na geração dos filhos. Esse tema de pesquisa é mais importante ainda quando se vive em um país de grandes desigualdades, como o Brasil. Assim, entender as suas características ajudam a romper com esse ciclo de reprodução, onde muitas vezes os jovens têm suas opções de escolha limitadas pela trajetória familiar. Para falar sobre esse tema, conversamos com Priscila Souza. Ela defendeu sua dissertação de mestrado no Programa de Pós-Graduação em Demografia da UFRN com uma pesquisa sobre a mobilidade intergeracional com o recorte específico das filhas de trabalhadoras domésticas no Brasil. Essa categoria ocupacional é uma das mais importantes em termos sociais e de volume entre as mulheres brasileiras e ao longo do tempo apresentou importantes transformações nas garantias trabalhistas, na ascensão social e na forma como a ocupação era percebida pela sociedade. Priscila é economista de formação e está atualmente fazendo doutorado aqui no PPGDem. Romper com o ciclo de pobreza de modo individual é uma exceção. É fundamental que políticas públicas contribuam para que seja mais viável para o jovem não ter seu destino definido pela condição social em que nasceu. Claro que há casos de superação individual que até podem servir como inspiração para outras pessoas, mas para a maioria das pessoas trata-se quase de um destino. A pesquisa de mestrado da Priscila evidencia a importância de políticas sociais para ajudar a romper com essas desigualdades. A reprodução das desigualdades de uma geração para a outra é, de fato, um dos grandes desafios para a nossa sociedade. Acesse aqui a dissertação completa Créditos da trilha sonora: Robo-Western by Kevin MacLeod Link: https://incompetech.filmmusic.io/song/4298-robo-western License: http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ Electro (Sketch) by Kevin MacLeod Link: https://incompetech.filmmusic.io/song/3706-electro-sketch- License: https://filmmusic.io/standard-license --- Send in a voice message: https://anchor.fm/rasgai/message
O episódio 36 do Rasgaí traz uma conversa sobre o livro “Métodos Demográficos: uma visão desde os países de língua portuguesa”. O livro foi lançado recentemente pela Editora Blucher no catálogo de produções Open Access. Com mais de mil páginas, é um livro completo que foca em métodos demográficos. Mas não é um livro apenas técnico, ele traz discussões e contextualizações que contribuem para qualquer pessoa interessada no tema se aproximar dessa área de conhecimento. E pra ser melhor ainda, o livro está disponível em formato aberto e pode ser baixado gratuitamente no site da editora. É uma leitura muito útil para estudantes e pesquisadores interessados desde a área de ciências humanas e sociais aplicadas até ciências exatas e da saúde.  Para falar sobre o livro, convidamos o demógrafo Ralph Hakkert. Aposentado pelo Fundo de População das Nações Unidas, hoje ele atua como consultor independente em diversos projetos internacionais e tem importante experiência em estudos e análises demográficas nos países falantes da língua portuguesa, dentre outras. Holandês radicado no Brasil, Hakkert liderou a iniciativa da produção deste livro e ao longo dos últimos 4 anos coordenou as contribuições de diversos pesquisadores de todo o país e também internacionais, deu unidade ao corpo do texto e finalizou a obra que acaba de ser publicada. Diversos docentes do Programa de Pós-Graduação em Demografia da UFRN participaram dessa iniciativa e contribuíram para sua execução ativamente. Como explicado por Hakkert no podcast, o livro não explicita as autorias do seu conjunto ou de seus capítulos, pois trata-se de uma obra coletiva efetivamente feita a muitas mãos. Créditos da trilha sonora: Robo-Western by Kevin MacLeod Link: https://incompetech.filmmusic.io/song/4298-robo-western License: http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ Beauty Flow by Kevin MacLeod Link: https://incompetech.filmmusic.io/song/5025-beauty-flow License: https://filmmusic.io/standard-license --- Send in a voice message: https://anchor.fm/rasgai/message
O Dia Mundial da População foi instituído pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 11 de julho de 1987, quando a população do planeta atingiu a marca de 5 bilhões de pessoas. Atualmente a estimativa da população mundial é de que estejamos perto de 7,8 milhões de habitantes. Apesar desse crescimento, sabe-se que os dados apontam para uma desaceleração no seu ritmo justificado pela também acelerada queda nas taxas de natalidade em todo o mundo. A transição demográfica, marcada pela redução das taxas de mortalidade e natalidade provocaram um período de acelerado crescimento populacional no passado, pois a mortalidade caiu mais rápido e antes da natalidade. Hoje, na maioria dos países, as taxas de natalidade vem caindo e convergem para uma estabilização do ritmo de crescimento populacional. No caso brasileiro, a estimativa mais recente do IBGE projeta para a década de 2040 o ponto de inflexão, quando o crescimento populacional tenderá a ser negativo. A pandemia da Covid-19 trouxe impactos importantes em diversas dimensões da vida cotidiana. Entre elas, espera-se também impactos nesses indicadores demográficos. Para além do óbvio aumento da mortalidade causado pelo novo coronavírus, espera-se também impactos na natalidade. Como vimos no episódio 3 do Rasgaí e também temos visto em estudos em diversos países, espera-se também uma redução nas taxas de natalidade. Entretanto, para além dessas duas dimensões da dinâmica demográfica, outras dimensões e aspectos sociais, políticos e econômicos que afetam a agenda de população e desenvolvimento precisam ser considerados. A data em alusão à população mundial no dia 11 de julho, portanto, serve para nos convidar à reflexão à essas dimensões que extrapolam a mera avaliação do quantitativo populacional. O episódio 35 do Rasgaí conversou com Vinicius Monteiro. Ele é oficial de Programa para População e Desenvolvimento do Fundo de População das Nações Unidas no Brasil. E é responsável pelas agendas de População e Desenvolvimento e a Cooperação Sul-Sul dentro da agência da ONU que, no Brasil, foi inaugurado em 1985, em Brasília, com o objetivo de intensificar as relações já existentes com o Brasil, especialmente por meio da cooperação da área de saúde reprodutiva. Vinicius é economista e demógrafo e falou conosco sobre o livro (em formato de e-book) lançado neste dia 12/07/2021 pelo Fundo de População das Nações Unidas no Brasil em parceria com a Associação Brasileira de Estudos Populacionais (ABEP). O livro intitulado “População e Desenvolvimento em Debate: impactos multidimensionais da pandemia da Covid-19 no Brasil” é uma coletânea de 21 textos que evidencia o acirramento das desigualdades no acesso à renda, serviços básicos e direitos. Está disponível em formato digital e pode ser acessado gratuitamente aqui. Créditos da trilha sonora: Robo-Western by Kevin MacLeod Link: https://incompetech.filmmusic.io/song/4298-robo-western License: http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ Beauty Flow by Kevin MacLeod Link: https://incompetech.filmmusic.io/song/5025-beauty-flow License: https://filmmusic.io/standard-license --- Send in a voice message: https://anchor.fm/rasgai/message
Comments 
Download from Google Play
Download from App Store