DiscoverExpresso Ilustrada
Expresso Ilustrada
Claim Ownership

Expresso Ilustrada

Author: Folha de S.Paulo

Subscribed: 1,212Played: 34,091
Share

Description

No fim das tardes de quinta-feira, sempre às 16h, você vai escutar um programa com as principais histórias e notícias do mundo das artes. O Expresso Ilustrada, podcast de cultura da Folha, vai falar de filmes, discos, livros, séries de TV, peças de teatro e de moda. O programa está disponível em todas as plataformas
73 Episodes
Reverse
A televisão brasileira completou 70 anos na semana passada, tendo como seu carro-chefe as novelas. Considero o produto cultural que mais impactou a vida das pessoas nas últimas décadas, a teledramaturgia teve a morte decretada por causa das séries, mas nunca deixou de ser campeã de audiência. O Expresso Ilustrada dessa semana conta por que a dramaturgia ainda é considerada “a doce epidemia do país”. Para isso, o podcast reuniu um elenco encabeçado pela atriz Fernanda Montenegro, Tony Ramos, Drica Moraes e Camila Pitanga. Também participam os jornalistas e colunistas da Folha Laura Mattos e Mauricio Stycer e Joel Zito Araújo, cineasta e autor do livro “A Negação do Brasil: O Negro na Telenovela Brasileira”.
Mesmo que proibidas durante a pandemia do novo coronavírus, festas não deixaram de acontecer. Em São Paulo, estas baladas clandestinas têm rolado em todos os bairros, entre os mais pobres os lugares mais nobres. O Expresso Ilustrada dessa semana explica como a noite paulistana foi afetada durante a crise e porque muitos produtores retomaram às atividades mesmo com as proibições. Para isso, o podcast conta com a participação do repórter da Folha João Perassolo, do dono da Sutton Eduardo Barbeiro, do promotor de baladas Luiz Fellype Ceragioli e do DJ Lanzinho. 
Rua de paralelepípedo, antenas parabólicas nos tetos das casas e rádios que tocam funk são alguns elementos das cenas do "171", jogo que é conhecido como GTA brasileiro. O novo episódio do Expresso Ilustrada dessa semana analisa as 'gambiarras' que dão a cara do Brasil nos games. Para discutir o assunto, o podcast recebe Allan Jefferson, criador do Bomba Patch e que até hoje faz atualizações e modificações no jogo, e José Messias, pesquisador de games e professor da Universidade Federal do Maranhão. Também participa Marina Lourenço, da Folha. 
Chadwick Boseman morreu, na última sexta-feira (28), em decorrência de um câncer de cólon. Sua carreira ficou marcada pelo papel em “Pantera Negra” (2018). Além de sucesso de bilheteria, este foi o primeiro filme de super-herói a disputar o Oscar de Melhor Filme. O novo episódio Expresso Ilustrada relembra a carreira do ator nascido em Anderson, pequena cidade na Carolina do Sul que, além de super-herói deu vida a outros personagens marcantes, como o cantor James Brown, em “Get On Up” (2014), e jogador de beisebol Jackie Robinson, em 42 - A História de uma Lenda (2013). O podcast conta com a participação de Dodô Azevedo, colunista da Folha e escritor, que faz uma análise sobre o papel de Boseman em “Pantera Negra” e o peso do ator ter escondido o seu câncer. 
O novo hit “WAP”, da Cardi B com a Meghan Thee Stallion, foi a canção mais tocada nos Estados Unidos durante essa semana. O single fala de lubrificação vaginal, descreve cenas explícitas de sexo e o videoclipe mostra fontes no formato de corpos femininos que jorram água dos seios e líquidos escorrem por todos os lados. O novo episódio do Expresso Ilustrada discute a música que gerou reações entre aqueles que alçaram um hino feminista e os que a canção como vulgar e repugnante. Participam da discussão os ginecologistas Eduardo Zlotnik, do Hospital Israelita Albert Einstein, Halana Faria, do Coletivo Feminista Sexualidade e Saúde, e a MC Dricka. 
Musicalmente, a pisadinha pode ser definida como descendente do forró com objetivos estéticos alinhados ao funk atual. Um dos sucessos do ritmo é "Tá Rocheda", que foi lançada em 2018 e está até hoje na lista das músicas mais tocadas no Spotify. A música é dos Barões da Pisadinha, que já era conhecida no Nordeste e, no final do ano passado, a dupla começou a conquistas outras regiões do país. O novo episódio do Expresso Ilustrada destrincha o novo ritmo que existe há pelo menos 15 anos. Para comentar sobre o passinho, o podcast conta com a participação de Rodrigo Barão e Felipe Barão, da banda Os Barões da Pisadinha, do cantor pernambucano Vitor Fernandes e também do músico Raí, da banda que leva o seu nome Raí Saia Rodada. Também participa Marcela d'Arrochella, diretora comercial da plataforma Sua Música, que traça um histórico de crescimento do piseiro.  
Lançada em 1989, a série americana "Cops" foi cancelada em meio ao movimento Vidas Negras Importam. Entre as queixas, estão a de que o programa traz uma visão propagandista e enviesada das forças policiais do país. O novo episódio do Expresso Ilustrada analisa como filmes e programas de televisão, como "Cops", nos Estados Unidos, e "Canal Livre", no Brasil, construíram grandes audiências baseadas em crimes e no trabalho da polícia. O podcast busca entender se, em um momento de problematização, esses programas ainda fazem sentido e no que estão se transformando. Para isso, participam os jornalistas Leonardo Sanchez e Fabiano Maisonnave, além do Dmitri Cerboncini Fernandes, professor de ciências sociais na Univerisdade Federal de Juiz de Fora.
O afrofuturismo trata de uma estética que questiona o presente e projeta o futuro a partir da perspectiva negra africana e diaspórica. O conceito teve como um dos seus precursores o Sun Ra. Músico americano, ele ficou conhecido nos anos 1960 e influenciou gerações não só pelos seus mais de 200 discos, como por uma ideologia que misturava influências da Bíblia, do Egito Antigo e do espaço sideral. O novo episódio do Expresso Ilustrada analisa a presença do afrofuturismo desde os primórdios, como o Sun Ra, até o mais recente álbum visual “Black Is King”, em que Beyoncé leva o espectador para um imaginário futuro e, para isso, ela usa elementos da ancestralidade. Para discutir o assunto, o podcast conta com a participação de Morena Mariah, pesquisadora e criadora da plataforma de educação e podcast Afrofuturo, Fábio Kabral, autor de obras como “A Cientista Guerreira do Facão Furioso” (ed. Malê), Daniela Gomes, que é doutora em estudos africanos e da diáspora africana, e o Jairo Malta, diagramador e autor do blog Sons da Perifa, na Folha.
Morto na semana passada, o estilista Kansai Yamamoto ficou conhecido pela criação de coleções vanguardistas e por visuais futuristas que definiram o estilo de David Bowie. Yamamoto revolucionou a moda nos anos 1970, e foi um pioneiro na entrada da moda asiática na Europa. O novo episódio do Expresso Ilustrada resgata a história do artista que afirmou em entrevistas que "não queria passar a vida despercebido”. O podcast conta com a participação de Pedro Diniz, jornalista de moda, que explica o surgimento do estilista, a relação dele com o japonismo, o fato de Yamamoto ter sido uma espécie de "nome esquecido" até a importância do trabalho dele com David Bowie.
O MC Poze do Rodo foi denunciado pelo Ministério Público depois de se apresentar, em março, no que seria o aniversário de um traficante na favela do Jacarezinho. De acordo com o inquérito, Poze integra a maior facção criminosa do Rio, incita a violência, promove o grupo criminoso e participa de shows pagos pelo tráfico. O novo episódio do Expresso Ilustrada volta três décadas no tempo a fim de analisar a evolução da história de problemas do funk com a polícia. O podcast relembra casos como do clássico "Rap das Armas", que inspirou a abertura de uma CPI municipal, em 1995, a fim de investigar a suposta ligação entre o funk e o tráfico até os mais atuais, como a prisão de nomes como Rennan da Penha e do próprio Poze.  O episódio conta com a participação de Danilo Cymrot, mestre em criminologia pela USP e autor da tese “A Criminalização do Funk Sob a Perspectiva da Teoria Crítica”, Juliana Bragança, historiadora e autora de “Preso na Gaiola”, Carlos Palombini, professor da Universidade Federal de Minas Gerais e um dos maiores estudiosos do proibidão, e o funkeiro Rennan da Penha.
Com o isolamento, as pistas de dança migraram para os aplicativos de videoconferência, até aquelas que promovem uma interação ainda maior entre os presentes. Foi o caso da Kevin, que existe desde 2015, e a Senta, que nasceu na quarentena. O Expresso Ilustrada conta como é que funcionam esses eventos também conhecidos como websurubas ou sex parties. O episódio também analisa shows de strip tease e de drag queens que migraram para as lives e agora tentam sobreviver às possíveis interrupções por violações de regras e direitos autorais. O podcast conta com a participação dos repórteres João Perassolo, Laura Lewer e Manoella Smith. Também falam sobre a organização desses eventos Uno Vulpo e Rafa Maia, criadores da Senta e Kevin, respectivamente.
A morte de Cazuza completou três décadas nesta semana. Nos últimos anos, o artista falou sobre a vida de uma perspectiva rara e a iminência com a morte acabou transformando sua arte. Caju, como era conhecido, teve HIV e, em 1987, viajou a Boston em busca de tratamento. Ele sofria as consequências de uma doença que, além de fatal, acentuava o preconceito de que sempre foi vítima, tanto por sua sexualidade quanto pelo estilo de vida hedonista. O novo episódio do Expresso Ilustrada analisa como essa convivência com a iminência da morte acabou transformando a arte de Cazuza. 
A presença de personagens LGBT em séries tem crescido nos últimos anos. De acordo com um levantamento anual Where We Are on TV, da organização americana Glaad, 10,2% dos personagens regulares de séries são LGBT. O número cresce desde 2016 —antes disso, a porcentagem flutuava entre 1,1% e 4%. No universo dos gamers, apesar da presença de personagens LGBT não ser uma novidade, o “The Last of Us” gerou um rebuliço entre os jogadores conservadores, já que o enredo do jogo inclui uma protagonista lésbica e um personagem trans. Para falar sobre a diversidade tanto em games como em séries, o Expresso Ilustrada conta com participação dos repórteres Eduardo Moura, que explica o universo dos videogames, e Leonardo Sanchez, que analisa como o assunto levanta discussões sobre interesse comercial, representatividade e traz embate de gerações.
Bob Dylan não lançava um álbum de inéditas desde 2012. Já Neil Young deixou na gaveta um disco por mais de 45 anos. Ambos lançaram seus respectivos projetos no mesmo dia, em que falam de períodos parecidos, mas com visões pessoais e temporais completamente diferentes. O novo episódio do Expresso Ilustrada destrincha os dois álbuns e, para isso, conta com a participação de Ivan Finotti, repórter da Folha, que analisa a carreira dos dois roqueiros que se influenciaram ao longo da carreira. 
Em meio a protestos antirracistas, disparados pelo assassinato de George Floyd por um policial branco nos Estados Unidos, os manifestantes se voltam para as estátuas no espaço público. O novo episódio do Expresso Ilustrada discute o derrubar dessas estátuas. Se para um lado, destruir tais imagens é encenar a justiça que não foi feita quando os representados eram vivos, opositores acusam atos de dano ao patrimônio, vandalismo e uma tentativa de apagar a história. Para discutir o assunto, o podcast conta com a participação da historiadora e antropóloga Lilia Moritz Schwarcz, especialista na questão racial do Brasil e autora de livros como “O Espetáculo das Raças” e “Lima Barreto - Triste Visionário”.
No dia 25 de maio, na cidade americana de Minneapolis, a morte por um policial George Floyd foi gatilho para uma série de protestos que, desde então, tomaram as ruas dos Estados Unidos e outros países. Foi em meio a esse cenário que a nova tradução do clássico “Memórias Póstumas de Brás Cubas”, de Machado de Assis, desembarcou nos EUA. Um dia após o lançamento, a obra esgotou na Amazon e Barnes and Noble. Machado chega aos EUA em meio a protestos contra o racismo, enquanto aqui no Brasil movimentos semelhantes lutam para lembrar que ele era um escritor negro. O autor de "Dom Casmurro" passou por um processo de embranquecimento. Além das fotos, com efeitos de luz para deixarem sua pele mais clara, isso gerou alguns mitos —como o de que não teria se posicionado contra a escravidão ou que tentou esconder que era negro, por exemplo. O novo episódio do Expresso Ilustrada mostra como essa ideia se desenvolveu e por que está errada. Para desmistificar essas crenças, o podcast conta com a presença de Eduardo de Assis Duarte, professor de literatura da UFMG e autor da antologia “Machado de Assis Afro-Descendente” (editora Malê). Participam também Flora Thomson-Deveaux, pesquisadora e tradutora de “Memórias Póstumas de Brás Cubas”, e Itamar Vieira Junior, autor de “Torto Arado” (editora Todavia).
Aos 92 anos, Cid Moreira é lembrado por sua voz grave que já disse mais de oito mil vezes “boa noite” na bancada do Jornal Nacional. O jornalista acumula mais de sete década de uma carreira que começou na era do rádio, passou pela TV e, agora, está na podosfera. Seu podcast denominado Bom Dia, Cid Moreira é diário e tem novos todos os dias, no Deezer. Ali ele diz mensagens motivacionais, conta histórias da própria vida, fala de poesia. Ele também tem um canal no YouTube onde conta sobre seu dia a dia, faz receitas, fala das séries que gosta e também declama poemas. Além de Cid Moreira, o podcast contou com participação da poeta Kimani. Em meio aos protestos antirracistas que se espalham nos Estados Unidos e começam a acontecer no Brasil, o podcast convidou a artista de slam para ler uma de suas obras.   
Com batidas dançantes e letras românticas, o funk de pelúcia une diferentes influências, que vão de MPB ao funk. Um dos nomes desse ritmo é Julio Secchin com o hit "Jovem" e MC Tha que lançou, em 2019,o álbum "Rito de Passá" que une o ritmo do funk à fé umbandista. O Expresso Ilustrada recebe Lucas Brêda, repórter da Ilustrada, que desvenda esse ritmo que mistura o pancadão nascido nas favelas à MPB, mantendo a célula rítmica do batidão. Com novos episódios toda quinta-feira, às 16h, o podcast é apresentado por Isabella Menon e Mauricio Meireles, que também assina o roteiro. A edição é de Natalia Silva. 
O Expresso Ilustrada dessa semana conta o bastidor da escrita de obituários no jornal --em alguns casos, os textos são escritos com as pessoas ainda vivas e precisam ser atualizados ao longo do tempo. O podcast é apresentado pelos jornalistas Isabella Menon e Maurício Meireles, que assina também o roteiro. Participam do episódio o jornalista Humberto Werneck e autor de livros como “O Pai dos Burros: Dicionário de Lugares-comuns e Frases Feitas” (2009); Mariana Filgueiras, professora do curso de jornalismo da UFRJ e roteirista do Greg News; Willian Vieira, o primeiro responsável pela coluna Mortes, em Cotidiano na Folha, em 2007, e Patrícia Pasquini, repórter e atual responsável pela coluna. A edição é de Natália Silva.
Regina Duarte, atual secretária especial de Cutura, tem uma trajetória política peculiar. A atriz foi um um símbolo do feminismo com nos anos 1970, tratando de temas como o sexo e o aborto. Também se engajou na luta contra a censura no país. Hoje, apoia Bolsonaro e relativiza mortes e desaparecimentos durante o regime militar, como mostrou em entrevista recente à CNN. O novo episódio do Expresso Ilustrada analisa o caminho que levou a outrora namoradinha do Brasil a essa opção política. Participam Laura Mattos, colunista da Folha e autora do livro "Herói Mutilado - Roque Santeiro e os Bastidores da Censura à TV na Ditadura (Companhia das Letras), e Fábio Zanini, repórter do jornal e autor do blog Saída Pela Direita  
loading
Comments (17)

Thays Luiza

Ótima reflexão sobre esse aspecto da quarentena: o silêncio... Acho que as gerações em curso atualmente, nunca tiveram que lidar tanto com si mesma e com o ócio. Ah... e o Emicida sempre com perspectivas inovadoras, autênticas e inteligentes, entregues de maneira didática, delicada e certeira!!!

Jul 25th
Reply

Thiago Marques

comecei ouvir como audiolivro outro dia, como um podcast enquanto fazia tarefa domésticas, mas não deu..rsrs. difícil! mas seguirei a dica de ler em voz alta na próxima vez..

Jul 2nd
Reply

Thiago Marques

oi pessoal, obrigado pelo episódio. escutei o podcast pela primeira vez. tava procurando um podcast inteligente e logo de primeira ouvir esse tema, ainda com a lilian foi otimo!

Jun 19th
Reply

Jonas Camargo

Eu amei esse início!

Mar 30th
Reply

Leonardo

Não foi mencionado se a pesquisa levou em consideração a nacionalidade dos ouvintes. Um imigrante brasileiro na Europa escutando música brasileira é diferente de um europeu ouvindo a música brasileira.

Dec 17th
Reply

Samuel Carneiro

gostei desse episódio, principalmente quando falam sobre as batidas do funk e como tem liderado os top rankings fora do país.

Dec 14th
Reply

Cristiane Araujo

gostaria de uma resposta conclusiva

Nov 27th
Reply

Cristiane Araujo

Boa noite, a pessoa que recebe salário mínimo pode investir?

Nov 27th
Reply

Alessandre Reis

Vocês são muito irresponsáveis. Não conhecem a obra do Raul. Prestam um desserviço. Falar que as canções do álbum Abre-te Sésamo são ruins, que ninguém perde nada em não conhecê-lo, demonstra que não sabem nada do Raul e sua obra.

Nov 27th
Reply

Geraldo Junior

Olá amigos..acabei de descobrir vocês..estou apaixonado...sou filho de cearenses e ativista do nordeste...o nordeste é o orgulho desse país..estamos em São Paulo desde a grande seca de 1877 conhecida como a seca dos três sete.. em todas as áreas da produção brasileira temos vários nordestinos...agora mesmo estou publicando em meu stories uma campanha chamada Nordestinos sim senhor...são atores, atletas, figuras históricas, cineastas..etc..que foram e são pilares desta grande nação... sujeito sonhador, cabra trabalhador que veio ou que ficou e com fé em nosso senhor enfrenta as agruras da vida sem perder o humor kabra valente nordestino sim senhor meu Instagram @kabravalente tamo junto, visse!

Aug 27th
Reply

Maysa Leão

Hegemonia cultural é absoluta da indústria. Esses tapados elaboram essa conversa de "marxismo cultural" pra justificar os "terraplanistas" serem motivo de chacota entre pessoas minimamente racionais.

Aug 8th
Reply

Fabio de Ornelas Pestana

Nossa, eu ODEIOOO isso hahahaha parei de acompanhar séries e filmes mainstream atuais por causa disso.

Jul 25th
Reply

Fabio de Ornelas Pestana

Me enganaram direitinho, porque o Seu Jorge também regravou a Das Model do Kraftwerk. Mas essa edição ficou maravilhosa, parabéns. Vou ouvir agora essa playlist.

Jul 12th
Reply

Leandro Ramalho

expresso ilustrada e ilustríssima conversa são minhas obrigações semanais. obrigado

Jun 18th
Reply

Leandro Ramalho

que episódio massa. bom desfazer essa imagem idealizada dos astros. e bom ouvir o Salem, colega de curso de jornalismo na UFPB

Jun 18th
Reply

Leandro Ramalho

Sergei disse tudo. como essa geração tá "certinha" e sem cor.

Jun 18th
Reply

Fabio de Ornelas Pestana

Game of thrones sou contra.

May 30th
Reply
Download from Google Play
Download from App Store